E-commerce: importância da plataforma livre

Este post é inspirado na recente experiência de criação do novo e-commerce para a editora Publisher Brasil, usando WordPress. Antigamente, escolher...

1570 0

Este post é inspirado na recente experiência de criação do novo e-commerce para a editora Publisher Brasil, usando WordPress.

Antigamente, escolher a localização para um novo empreendimento comercial era a principal etapa para o sucesso. Hoje, o desafio é outro: partir ou não para o virtual. Toda iniciativa de e-commerce é fascinante pela rapidez, disponibilidade, alcance, comodidade, economia, controle e agora: mobilidade e conectividade.

Fazemos parte da era dos consumidores interagentes, aqueles que antes de comprar, fazem uma pesquisa detalhada e ainda trocam experiências nas redes sociais – ávidos por novidade e informação – é o virtual a favor do consumo consciente, qualidade e economia de tempo e dinheiro. Bem-vindo ao mercado digital!

Segundo e-commerce.org, Brasil é o 5º país no mundo em usuários de internet. Em 2011, foram 32 milhões de consumidores que movimentaram 18 bilhões de reais.

Tenho uma ideia, o que preciso pensar?

Antes de se aventurar num empreendimento, analise:

– nicho de mercado que vai atender;
– como funciona a concorrência na internet;
– estudar hábitos e costumes dos consumidores;
– se o produto é fácil de comercializar na internet;
– conhecer aspectos legais dos produtos e o entorno;
– procurar bons fornecedores e baixos custos sempre;
– entregas eficientes, seguras e econômicas;
– planejar estratégias de divulgação.

É importante dizer que todos têm boas ideias, mas é preciso apurar o quão relevante será para a Web e se existem recursos para sustentar o projeto como um todo até que ele engrene. Os principais investimentos ficarão por conta das ações de comunicação, estes podem ser anúncios on/offline, articulação em redes sociais e campanhas no Google.

E o site, por onde começo?

Basicamente têm 3 caminhos para se ter um e-commerce:

1) Desenvolvimento próprio
Concepção do zero, envolve equipe de criação e programação. Ponto positivo fica por conta de ter um resultado final sob medida. Negativos: alto custo de mão de obra, muito tempo de desenvolvimento e paciência para gestão de projeto de nível técnico elevado.

2) Plataforma proprietária
Sistema bolo pronto, comprou usou. Pontos positivos: prazo imediato, funcionalidades para compras avançadas e suporte. Negativo: sistema engessado para customização, preço alto e falta de autonomia. Empresas: Linx, FastCommerce, Tray e DotStore.

3) Plataforma livre
Temos como CMS (Content Manager System) o Joomla, Drupal e WordPress. São ambientes para gerenciamento de conteúdo. Positivo: aproveitamento de funcionalidades e temas prontos, economia pela otimização de esforços (1/3 em relação ao desenvolvimento próprio) e participação de movimentos colaborativos com troca de contribuições em alta frequência. Negativos: dificuldade de integração entre plugins, funcionalidades genéricas e quase sem suporte.

Opinião

Trabalhei por anos com as 3 situações, a melhor foi a livre em WordPress, explico:

O Próprio envolveu muito tempo, alto investimento e eterna dependência de profissionais especializados, estes fatores desgastaram o todo.

O Propritário cria dependência com a empresa desenvolvedora e ainda condiciona a evolução da plataforma a boa vontade de se investir em atualização. O interesse será movido pela situação de mercado. Quando a empresa assume posição vantajosa, simplesmente abandona seus sistemas e clientes. Também o sistema é uma caixa preta, não podendo legalmente ser alterado e nem tecnicamente interpretado. Caso dependa de um suporte mais exclusivo, terá que arcar com valores extorsivos.

O Livre têm qualidade e diversidade de informações, fruto da inteligência coletiva e que compensa qualquer modelo Proprietário. O esforço fica por conta do caráter autodidata. Fora que o sistema é sempre atual, está documentado e qualquer um pode continuar o trabalho.

Em resumo, penso que o que atrapalha não são benefícios e fragilidades de cada modelo e sim uma cultura alá consumista e servil. Na retórica – “Não quero soluções inovadoras, quero A QUEM RESPONSABILIZAR” – mesmo que a solução seja ultrapassada. O Livre é mais do que códigos, opções ou modelos de plataforma. É uma cultura de compartilhamentos sedenta por autonomia e só entra nesse barco quem tem coragem de depender mais de si mesmo do que seu dinheiro. A recompensa, como sugere o nome: SER LIVRE!

Novo Site Publisher Brasil

Apresento novo e-commerce, que partiu de plataforma proprietária para livre em WordPress:

Novo:
publisherbrasil-ecommerce-wp-home-mobile

publisherbrasil-ecommerce-wp-painel

Antes:
publisherbrasil-antigo-ecommerce-home

A importância do projeto está na integração avançada de funcionalidades. O site permite ciclo completo de compra, gerenciamento e manutenção de vendas, dados e informações. Compatível com as redes sociais, SEO e mobile.

Foi usado WordPress (versão mais atual em pt-br), o tema da WooCommerce e os plugins: FrameworkWooCommerce e WooPagSeguro.

Agradeço ao amigo e parceiro Nilson Machado pelo empenho e força e ao casal Adriana Delorenzo e Renato Rovai pelo apoio e ter acreditado em nosso trabalho.

Indico: Sebrae-SP em parceria com APADi (Associação Paulista das Agências Digitais) lançou um guia para orientar o empreendedor digital: apadi.com.br



No artigo

x