Cuba comemora 60º aniversário do início da revolução

Oito chefes de estado de países latino-americanos acompanham festejo com o presidente cubano, Raúl Castro

551 0

Oito chefes de estado de países latino-americanos acompanham festejo com o presidente cubano, Raúl Castro

Do Opera Mundi 

Comemoração do “26 de julho” reuniu dirigentes de oito países latino-americanos em Cuba (Foto: cubadebate.cu)

Acompanhado por chefes de Estado de oito países latino-americanos, o presidente de Cuba, Raúl Castro, liderou nesta sexta-feira, 26, na cidade de Santiago, um ato em comemoração pelo 60º aniversário do assalto ao quartel Moncada, considerado o início da revolução no país.

Castro, irmão mais novo de Fidel, assumiu o governo do país em 2006 e têm colocado em vigor uma série de reformas sociais e econômicas, dentre elas o relaxamento das restrições para viagens e a abertura limitada para pequenos negócios e cooperativas privadas.

O evento principal de celebração começou às 7h15 locais (8h15 de Brasília) no antigo Quartel Moncada, que em 26 de julho de 1953 foi alvo da primeira, e fracassada, ação armada de Fidel Castro contra o ditador Fulgencio Bastista. Esse levante, que incluiu além disso o quartel Carlos Manuel de Céspedes, na cidade de Bayamo, e que contou também com a participação do atual presidente, é uma das datas emblemáticas do calendário político cubano ao lado do triunfo revolucionário de 1º de janeiro de 1959, e é celebrado na ilha como o “Dia da Rebeldia Nacional”.

Presidente do Uruguai, José Mujica, discursa durante 60º aniversário do início da revolução cubana (Foto: cubadebate.cu)

Os 60 anos do “26 de julho”, como ficou conhecido depois o movimento guerrilheiro de Fidel Castro, reuniu os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro; Bolívia, Evo Morales; Nicarágua, Daniel Ortega; o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño; assim como os primeiros-ministros e líderes de quatro países do Caribe insulano: Antígua e Barbuda, Dominica, São Vicente e Granadinas e Santa Lúcia. Uma das presenças mais simbólicas neste ato é a do presidente do Uruguai, José Mujica, ex-guerrilheiro tupamaro que passou quatorze anos na prisão durante a ditadura de seu país.

Discursos

Durante seus discursos, os líderes prometeram solidariedade a Cuba, protestaram contra o “imperialismo” norte-americano e o embargo econômico de Washington, que já dura 51 anos, fizeram elogios ao ex-presidente venezuelano Hugo Chávez e disseram que a revolução cubana inspirou levantes armados e políticos em seus próprios países.

“As bandeiras da rebelião de Moncada continuam pertinentes”, disse Maduro, cujo país fornece bilhões de dólares por ano em petróleo subsidiado para Cuba. “Cuba, Fidel, Raúl, a revolução cubana, inspiram os povos das nossas Américas e do mundo, acendendo a inextinguível chama da revolução”, declarou Ortega.

Cerca de 10.000 pessoas, segundo a imprensa oficial cubana, assistiram ao ato realizado no Quartel Moncada.



No artigo

x