Do Big Mac ao hambúrguer Frankenstein

Não se trata de aumentar a produção, nem de engendrar hambúrgueres nos laboratórios, nem de mais agricultura transgênica. É preciso haver democracia na hora de produzir e distribuir os alimentos

450 0

Não se trata de aumentar a produção, nem de engendrar hambúrgueres nos laboratórios, nem de mais agricultura transgênica. É preciso haver democracia na hora de produzir e distribuir os alimentos

Por Esther Vivas, no Canal Ibase. Traduzido por Camila Nobrega.

Quando pensávamos que já havíamos visto tudo no mundo dos hambúrgueres, no início desta semana a ciência anunciou o lançamento do hambúrguer de laboratório. Ou podemos também chamá-lo de hambúrguer Frankenstein, em referência ao “monstro” de Mary Shelley, em provetas. Um hambúrguer que contem tudo: sua produção não contamina, gasta pouca energia, quase não utiliza solo e, além de tudo, não contem gordura. Sua “carne” é resultado de extrair algumas células-mãe do tecido muscular do trazeiro de uma vaca. O que mais podemos pedir? Hambúrguer light. Perfeito para o verão!

Seu preço, no entanto, não é acessível para todos os bolsos. Custa apenas uns 248 mil euros. Incluí-la no Happy Meal, parece, levará algum tempo. Porém, nos dizem, com tal avanço científico, a fome no mundo se acabará. As pessoas querem comer, e querem carne, então lhes daremos, parece ser o raciocínio dos “pais” dessa engenhoca.

A questão da segurança alimentar é outra

Então, vejo duas questões: Primeira: para nos alimentarmos, é necessário comer tanta carne? Antes de produzir mais carne, independentemente de sua origem, não seria melhor fomentar outro tipo de alimentação mais saudável, respeitosa dos direitos dos animais e sustentável? Porém, quem ganha com esse tipo de comida oriunda de gado vacuno e porcino? Smithfield Foods, o maior produtor e processador mundial de carne de porco, é um dos grandes beneficiários. Em seu currículo destaca-se a violação de direitos trabalhistas, a contaminação ambiental etc. No Estado espanhol, a Smithfield Foods opera através de Campofrío.

Segunda questão: para acabar com a fome é necessário um hambúrguer de laboratório? Segundo a ONU, hoje se produz suficiente comida para alimentar 12 bilhões de pessoas, no planeta há 7 bilhões; e, apesar dessas cifras, quase uma em cada sete pessoas passa fome. Comida há, o que falta é justiça em sua distribuição. Não se trata de aumentar a produção, nem de engendrar hambúrgueres nos laboratórios, nem de mais agricultura transgênica. Trata-se, simplesmente, de que exista democracia na hora de produzir e distribuir os alimentos.

Não existem soluções “milagrosas” à crise alimentar. Os problemas políticos, como a fome, nunca serão solucionados com atalhos técnico-científicos. Não se trata de rechaçar a investigação científica. Ao contrário. Temos que fomentar uma ciência a serviço da maioria social, não subordinado aos interesses comerciais, nem econômicos; e comprometida com a melhoria das condições de vida das pessoas. Porém, da revolução verde aos Organismos Modificados geneticamente, nos prometeram acabar com a fome. A crua realidade, no entanto, assinala seu fracasso. Apesar de que, em geral, seu grande êxito se oculta: benefícios milionários para a indústria agroalimentar e biotecnológica. O hambúrguer Frankenstein não será uma exceção.



No artigo

x