Inspetora da ONU afirma que oposição síria está usando gás sarin

  Esta denúncia é da mais alta relevância, Carla Del Ponte, alta funcionária da ONU, ex-procuradora geral da Suíça e ex-coordenadora do Tribunal Internacional para os crimes de guerra na Iugoslávia (ICTY), esteve na Síria...

369 1

 

Esta denúncia é da mais alta relevância, Carla Del Ponte, alta funcionária da ONU, ex-procuradora geral da Suíça e ex-coordenadora do Tribunal Internacional para os crimes de guerra na Iugoslávia (ICTY), esteve na Síria analisando os efeitos da guerra civil. Em entrevista concedida à televisão suíça, e praticamente sabotada pela imprensa mundial, inclusive a brasileira, ela é taxativa: “Eu estou estupefata pela primeira indicação que temos do uso de gás Sarin pela oposição”.

Esta entrevista foi concedida em maio de 2013 (assistam o vídeo) e de lá para cá as evidências deste complô entre fundamentalistas islâmicos e governos das potências ocidentais, principalmente EUA, França e Reino Unido, só tem aumentado. São estes governos (junto com governos conservadores árabes) que alimentam  a oposição síria, seja com armas, dinheiro e mídia. Não fosse este apoio, a guerra civil artificialmente sustentada já teria terminado; porém, o que aconteceu em dois anos de manipulação midiática e  intervenção terrorista foram 100.000 mortes e quase 2 milhões de refugiados (em dados controversos e imprecisos, mas cada vez mais aceitos). E agora o mundo está prestes a assistir mais um atentado contra a humanidade praticado pelo governo dos Estados Unidos: a intervenção militar na Síria, resultando em mais mortes e horror. Não podemos permitir que isto aconteça, seja escrevendo, protestando, boicotando produtos, se indignando…; temos que tomar uma atitude! Aqui não se trata de um posicionamento ideológico ou político, mas humanitário. Não é possível que o governo dos Estados Unidos siga impune com suas atrocidades e mentiras. A tradição é grande, poderíamos começar falando do uso de armas químicas na guerra do Vietnã, o “Agente Laranja”, que queimou, matou e mutilou milhares de inocentes; também foi o Império estadunidense que armou e fomentou os Talibãs no Afeganistão (como faz agora com os radicais na Síria), e assim agiram para destruir um governo laico e progressista naquele país; além das recentes mentiras à respeito das armas químicas em posse do governo do Iraque e de Sadan Hussein, jamais encontradas, mas as mortes, contadas às centenas de milhares após a vergonhosa intervenção e as indignas cenas de tortura que perduram até hoje, inclusive com a manutenção da ilegal prisão de Guantánamo, essas são bem reais.

Assisti há pouco a entrevista desta alta funcionária da ONU e que apresento para que seja assistida e divulgada o quanto mais. Ao menos isso pude fazer. Mas temos que fazer mais, o mundo não pode suportar mais guerras, mentiras e truculências e não podemos nos tornar indiferentes. Assim penso e assim lembro da sensível letra de “A rosa de Hiroshima” (a propósito, alguém poderia citar um atentado terrorista com maior magnitude que este?) de Vinícius de Moraes:

“Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas, oh, não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa, sem nada”

Não à intervenção militar na Síria! Em defesa da paz e da concórdia.

http://www.youtube.com/watch?v=TdcEjjOvniU

 




No artigo

1 comment

  1. Franco Responder

    Fica claro então a preocupação americana (e FRANCESA, sempre omitida, com sua base no Oman) é também com o terrorismo químico com armas sírias..


x