Professores estaduais do Rio continuam em greve

Para sindicato atuação da polícia na manifestação da última terça-feira (01) foi truculenta e sem necessidade

230 0

Para sindicato atuação da polícia na manifestação da última terça-feira (01) foi truculenta e sem necessidade

Por Agência Brasil

Professores se manifestaram dia 1º de outubro na Cinelândia (Foto: Mídia Ninja)

Os professores da rede estadual de Educação decidiram manter a greve que dura dois meses após a assembleia de hoje (2) no Club Municipal, na Tijuca, zona norte do Rio. O ato dos profissionais da educação ontem (1º) na Cinelândia foi a questão mais frisada pelos professores e pelo Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe). Para eles, a atuação da polícia foi um ato truculento e sem necessidade.

Outra questão abordada na assembleia foi o corte dos ponto dos professores, determinado pelo  Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. De acordo com o diretor do Sepe, Alex Trentino, o sindicato pode recorrer da decisão que decretou que poderá haver corte de ponto a partir do dia 23 de setembro. “Só que isso só vai ser julgado definitivamente na segunda-feira que vem [7] e ainda cabe recurso do Sepe”, disse Trentino.

A assembleia teve a participação de professores e também de alunos e de pais de alunos. Para a professora de história do Colégio Estadual Visconde de Cairú, Ana Lúcia, quando ocorre uma greve na educação, na verdade é uma aula de política. “Quando o aluno participa desses movimentos com o professor, ele também está aprendendo no dia a dia como a política educacional é montada. A educação não é feita só pelo professor e também não é feita só em sala de aula”, disse.

Após a assembleia, os professores seguiram para a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), no Maracanã, zona norte da cidade, para fazer um ato de repúdio à violência. Na próxima terça-feira (8), será feita a próxima assembleia dos professores da rede estadual, em local ainda não definido. Na segunda-feira (7), professores das duas redes farão um ato contra a violência e a criminalização das manifestações, às 17h, na Candelária, seguindo em passeata até a Cinelândia, no centro do Rio.

Em nota publicada ontem (1), a  Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) informou que a adesão à greve tem sido em torno de 700 servidores e que, segundo decisão do  Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que considerou a greve dos professores estaduais do Rio de Janeiro ilegal, irá cortar o ponto dos servidores “faltosos a partir do dia 25 de setembro”.  A Seeduc também informou que quem “não retornar ao trabalho, após dez dias consecutivos será aberto processo administrativo disciplinar” e, quanto aos “dias parados anteriores a 25 de setembro, a  Seeduc informa que, caso as aulas não sejam repostas, executará também o desconto desse período”.



No artigo

x