Cervejaria pode ser obrigada a pagar R$ 6 milhões por “publicidade preconceituosa”

Na publicidade da marca Devassa negra, empresa afirma que "é pelo corpo que se reconhece a verdadeira negra"

1082 26

Na publicidade da marca Devassa negra, empresa afirma que “é pelo corpo que se reconhece a verdadeira negra”

Por Igor Carvalho

Campanha foi considerada uma “publicidade preconceituosa”

A empresa Brasil Kirin (antiga Schincariol) é alvo de um processo administrativo aberto nesta sexta-feira (4) pelo Ministério da Justiça, por conta de uma publicidade veiculada entre os anos 2010 e 2011.

No anúncio de um novo produto, a cerveja Devassa negra, o anúncio veiculado em mídia impressa afirmava que “é pelo corpo que se reconhece a verdadeira negra. Devassa negra encorpada”. Por conta dessa peça publicitária, a empresa pode ser multada em até R$ 6 milhões.

Em entrevista ao jornal O Globo, o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, Amaury de Oliva, afirmou que houve abuso na campanha. “Há entendimentos de vários órgãos de que há indícios de publicidade preconceituosa. Há uma foto de uma moça negra, comparando-a com uma cerveja.”

A Brasil Kirin tem 10 dias para apresentar sua defesa. A empresa, que é investigada desde 2011 pela publicidade, não reconhece abusos da campanha, argumentando que o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) nunca suspendeu o anúncio.

Caso haja condenação, a multa recolhida será encaminhada ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD) do Ministério da Justiça, que os aplica em ações de proteção ao meio ambiente, do patrimônio público e da defesa de consumidores.



No artigo

26 comments

  1. Airton Morassi Responder

    6 milhões ? Vai sair barato, considerando a publicidade que esta notícia vai gerar !

  2. Roberto Responder

    Não há mais limites.

  3. Seis Nove Responder

    Onde está o preconceito? A cervejaria fez um trocadilho elogiando o corpo das negras. Elogio é preconceito? Preconceito é chamar loira de burra e não chamar negra de bonita.

    1. Ricardo Augusto Rocha Responder

      Tostinez vende mais por que é fresquinho? Ou é fresquinho por que vende mais? O teor tão arguto do teu comentário me fez recordar desta peça publicitária e desta dúvida existencial…

  4. Maria Responder

    E quando é “loira gelada”, não é racismo?
    Esse politicamente correto já deu… ¬¬

    1. André Responder

      O racismo contra os negros no Brasil tem uma dimensão muito mais profunda do que a sua analogia com as loiras. O Brasil já foi palco de ideias eugênicas, de supremacia racial branca, isso sem falar da escravidão, óbvio. Embora com pequenas melhorias, os indicadores sociais continuam sendo piores entre os negros. A propaganda reforça o preconceito de que o negro somente é útil pelo seu corpo e não pela sua inteligência, ideias etc. Resultado: mesmo entre os grupos de menor renda, a evasão escolar entre os negros é maior.

    2. Edson AJ Responder

      Maria, você(s) é(são) tão inteligente(s)! Com essa inteligencia, gostaria de saber uma coisa: quem inventou o racismo?

  5. Alexandre Rodrigues Responder

    Fala Sério, eu me lembro dessa propaganda e não vi nada demais, pois concordo sim, com a analogia positiva feita por eles e se quisermos procurar, iremos encontrar preconceito em tudo, até mesmo onde ele não existe, pois entendo que o preconceito em sua maioria, parte da mente de quem o viu primeiro.

    1. Ricardo Augusto Rocha Responder

      E a estupidez, parte da mente de quem lê ou de quem escreve?

  6. Alison Castro Responder

    Hipocrisia.

    1. Ricardo Augusto Rocha Responder

      Sim, hipocrisia… De quem escreve hipocrisia.

  7. André Responder

    A propaganda é nitidamente racista. Quer dizer que uma boa negra não pode ser reconhecida pela sua inteligência, pelas suas ideias, mas sim, pelo seu corpo?! É o típico racismo brasileiro.

  8. Tiago De Barros Hillesheim Responder

    Alguma associação que defende causas racistas está fazendo isso? parece que não. Parece que é só o FDD querendo entubar uma puta grana. Tô meio cansado do Brasil ser tão retrógrado e corrupto.

  9. Bárbara Alencar Responder

    Nossa viajaram, a loira parece a cerveja normal porque a cerveja é amarelada e a negra parece a cerveja preta porque é … preta! Ora ! Porque não tem problema a loira ser loira e tem problema a preta ser preta? Pode ser branca mas não pode ser preta porque? Preta com orgulho ué! O problema das pessoas é que o preconceito está tão enrustido que tudo que vêem que tenha negro no meio vira absurdo, é preconceito, é injusto! Eu hem! Preto vive chamando preto de preto mas se quem é branco chama preto de preto vira preconceito, pede indenização! Absurdo é os caras colocarem na propagando que basta você beber a cerveja que a mulher pula em cima de você, que se beber você vai ser legal, popular! Que idiotice!

    1. Ricardo Augusto Rocha Responder

      Você já tem 18 anos? Talvez uma forma de evitar barbaridades seria permitir que apenas maiores de idade escrevessem aqui…

  10. Luiz Henrique Responder

    E os autores da peça publicitária ou agencia etc, deveriam sofrer as mesmas punições

  11. Wagner Pawlowski Queiroz Responder

    Se fosse uma ruiva ou uma loura ninguém tava falando nada.
    A hipocrisia impera neste país.

    1. Edson AJ Responder

      Se fosse uma “loura” ou uma ruiva estaria apresentando um programa para “baixinhos” no maior canal de televisão do país ou sendo a principal protagonista da novela do horário nobre.

  12. Rafael Fideles Responder

    Ridículo, na boa, que viagem. Desculpa pra roubar dinheiro dos outros…

  13. gummyjuicerman Responder

    Como se reconhece um negro? Se não for pelo corpo, por favor me ensina pois estou reconhecendo de forma errada.

    1. Ricardo Augusto Rocha Responder

      Como eu reconheço que você pensa?

  14. Valéria Responder

    Engraçado, eu nunca vi o corpo de nenhuma das negras que tanto admiro, achei que elas eram verdadeiras negras por outros atributos… Publicidade chula!
    É esse tipo de publicidade que “vende” as mulheres brasileiras como “objeto, mercadoria, reles serviçais do sexo” para o mundo afora…

  15. Amanda lopes Responder

    Creio que não é uma questão de preconceito e sim de objetificação da mulher, do mais as demais propagandas de cerveja, bebida , cigarro etc fazem isso com as mulheres no entanto não vêem isso como PRECONCEITO pois se trata de uma branca, creio que o preconceito está na cabeça de quem vê.
    E depois não me diga que eu não vejo isso porque é preconceito mascarado , quem não se lembra do filme ANIMAL , tantas vezes exibido na globo onde há um negro que acha que tudo de bom que acontece com ele é por causa da sua cor, vejo o preconceito impregnado na mente do cidadão que o vê não na verdadeira ação, não digo que não existe preconceito pois ainda exite muito como por exemplo quando uma pessoa chama a outra de branquela , rato branco, amarelo, quando dizem que chines ou japonês é porco , gorda ,favelado, gayzinho, biba, sapatão, estão agindo com preconceito mas isso não pode ser encarado como algo normal.
    Acho que o preconceito anda lado a lado com a ignorância, acho que isso só será parcialmente cessado quando o brasil der o minimo para os seus cidadãos .
    O fato dos negros serem de classe media baixa, serem a maioria em presídios etc se trata de um contexto histórico, pois eles foram jogados pra fora das senzalas com uma mão na frente e outra atrás, eles subiram os morros e alí fizeram sua vida com menos que o minimo para uma vida digna e é exatamente por isso que existe essa grande porcentagem.
    Se no Brasil houvesse realmente uma distribuição de suas riquezas não veríamos tantos casos de negros que param de estudar para trabalhar em casas de famílias, de meninos que entram no mundo do crime pois sonha com algo que eles não podem ter e acabam sendo ludibriados por essa vida supostamente fácil, não teria tantos mendigos nas ruas, não existiria tantas meninas que deixam o estudo para serem garotas de programa.
    A verdade é que o brasil não dá o minimo para seus cidadãos e por causa disso sempre existirá essa dita descriminação , pois a descriminação está ligada a fatos como esse e ao passado.
    Isso é o que eu acho

  16. Célia Responder

    Sei não velho acho que propaganda é isso mesmo. O homem prefere mulher e mulher prefere cerveja, é isso que diz a marca DEVASSA p/ mulheres devassas, independente da cor de sua pele; as que atraem menos ou mais os olhares dos homens… Neste caso dando uma provocada nas branquinhas.

  17. Ricardo Augusto Rocha Responder

    O nível dos comentários é de doer (não todos).
    Impressionante a quantidade de cabeças de gado que aprenderam a digitar…

  18. Diego Barrante Responder

    Ridículo por um aspecto e ridículo por outro.

    Como feminista acho que a totalmente machista, comparar mulher com o produto é ridículo e so fomenta esse tipo de publicidade.

    Mas como consumidor acho muito legal, exalta a beleza da mulher negra como nenhuma outra cerveja!

    Agora o que ninguém lembra é o termo usado para se referir a uma cerveja, usado desde a época que minha vó era virgem!

    LOIRA GELADA!!

    Por causa disso vão acusar de necrofilia?? bleh!

    Hipocrisia, a gente ve por aqui!


x