Sem investigação no Brasil, suíços decidem arquivar caso Alstom

Suíços não obtêm retorno do MP brasileiro há dois anos e oito meses, que alega “falha administrativa”: o pedido foi colocado em uma pasta errada

1156 0

Suíços não obtêm retorno do MP brasileiro há dois anos e oito meses, que alega “falha administrativa”: o pedido foi colocado em uma pasta errada

Da Redação

O procurador da República Rodrigo de Grandis, que está à frente do caso: pedido foi parar em outra pasta (Foto: Reprodução/ConversaAfiada)

Sem o apoio do Ministério Público brasileiro nas investigações sobre o pagamento de propinas pela empresa multinacional Alstom a funcionários públicos e políticos do PSDB no Estado de São Paulo, procuradores da Suíça arquivaram investigações sobre três acusados.

A Suíça tinha solicitado ao MP a investigação dos acusados em fevereiro de 2011, segundo informou o jornal Folha de S. Paulo. No entanto, nenhum pedido foi atendido. O procurador da República Rodrigo de Grandis, responsável pelas investigações sobre os negócios da Alstom no Brasil, afirmou ao jornal que houve uma “falha administrativa”: o pedido da Suíça foi arquivado numa pasta errada e isso só foi descoberto anteontem.

Um dos pedidos era para que fossem feitas buscas na casa de João Roberto Zaniboni, um ex-diretor da estatal CPTM, acusado de receber US$ 836 mil (equivalentes a R$ 1,84 milhão) da Alstom na Suíça. Outras solicitações eram para que fossem interrogados os consultores Arthur Teixeira, Sérgio Teixeira e José Amaro Pinto Ramos, suspeitos de atuar como intermediários de pagamento de propina pela Alstom.

O Ministério Público estadual paulista, que também investiga o caso do cartel no Metrô e CPTM, soube da existência do pedido da Suíça e solicitou cópias da documentação ao órgão federal responsável pela cooperação com autoridades estrangeiras, o DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional). Mas a Procuradoria da República em São Paulo informou que o gabinete cometeu a “falha administrativa” ao deixar de anexar a solicitação a outro pedido de cooperação da Suíça, e o documento acabou indo para uma pasta de arquivo de papéis do caso.

Com a “falha”, os suíços cansaram de esperar e informaram que arquivaram as investigações.

Leia também:
Presidente da Alstom faz referência a “amigos políticos” em governo tucano
Duas mil pessoas protestam contra propinoduto tucano
Ex-diretor da CPTM recebeu 800 mil euros de propina na Suíça
O repórter que descobriu o whistleblower da Siemens
Metrô de São Paulo: o cartel planeja a sociedade
Secretário dos Transportes de SP teve 73 encontros com executivos do cartel do Metrô
Siemens denuncia formação de cartel nas obras do metrô de São Paulo
Segundo IstoÉ, propinoduto tucano desviou milhões do governo paulista


No artigo

x