Deputados do PT entram com representação contra procurador De Grandis

Por “falha administrativa”, pedido de investigação sobre pagamento de propinas ao governo de SP não é encaminhado pelo MP brasileiro

445 0

Por “falha administrativa”, pedido de investigação sobre pagamento de propinas ao governo de SP não é encaminhado pelo MP brasileiro e Suíça decide arquivar caso 

Da Redação

Os deputados petistas José Guimarães (CE), Renato Simões (PT-SP), Ricardo Berzoini (PT-SP) e Edson Santos (PT-RJ) vão protocolar, na próxima segunda-feira (4), representação junto ao Conselho Nacional do Ministério Público contra o procurador Rodrigo De Grandis. O membro do MPF-SP é suspeito de ter atrasado as investigações sobre o possível envolvimento de autoridades públicas do governo tucano de São Paulo num esquema de pagamento de propinas envolvendo a empresa Alstom.

Na semana passada, o Ministério Público da Suíça informou que iria arquivar as investigações sobre três suspeitos de intermediarem pagamentos de propina a agentes públicos do governo paulista. O motivo seria a falta de colaboração do MP brasileiro nas investigações.

O pedido dos suíços havia sido feito há mais de dois anos. Eles solicitavam a investigação dos consultores Arthur Teixeira, Sérgio Teixeira e José Amaro Pinto Ramos, suspeitos de intermediar as propinas, e do ex-diretor da CPTM, João Roberto Zaniboni, que teria recebido US$ 836 mil (equivalentes a R$1,84 milhão na cotação atual) da Alstom na Suíça.

“Pelo que apontam os noticiários e as evidências, De Grandis descumpriu os princípios constitucionais e deveres funcionais ao deixar de encaminhar investigação sobre práticas de corrupção de agentes públicos ligados ao governo de São Paulo”, diz o deputado Renato Simões.
O procurador da República em São Paulo Rodrigo de Grandis é o responsável pelo caso. Ele alegou que a investigação não foi feita devido a uma “falha administrativa”: o pedido teria sido arquivado numa pasta errada.

Para os petistas, a omissão do procurador paulista “desrespeitou a missão institucional do Ministério Público, impossibilitou o avanço na apuração de crimes de corrupção e permitiu a impunidade dos envolvidos”.

No documento, os deputados solicitam que o CNMP “apure se de fato aconteceu às violações aos preceitos legais e funcionais que os indícios já apurados apontam” e, “sendo verdadeiros os fatos, que promova a devida aplicação de penalidade, de forma a fazer com que seja responsabilizado o responsável pela omissão na investigação e apuração dos crimes de corrupção perpetrados pelos agentes do Governo de São Paulo”.

Leia também:
Sem investigação no Brasil, suíços decidem arquivar caso Alstom
Presidente da Alstom faz referência a “amigos políticos” em governo tucano
Duas mil pessoas protestam contra propinoduto tucano
Ex-diretor da CPTM recebeu 800 mil euros de propina na Suíça
O repórter que descobriu o whistleblower da Siemens
Metrô de São Paulo: o cartel planeja a sociedade
Secretário dos Transportes de SP teve 73 encontros com executivos do cartel do Metrô
Siemens denuncia formação de cartel nas obras do metrô de São Paulo
Segundo IstoÉ, propinoduto tucano desviou milhões do governo paulista



No artigo

x