“Kassab sabia da indicação”

Advogado de um dos quatro acusados num esquema de cobrança de propina na prefeitura de São Paulo disse ao DCM que o ex-prefeito sabia da indicação de seu cliente para o cargo que ocupava

440 0

Advogado de um dos quatro acusados num esquema de cobrança de propina na prefeitura de São Paulo disse ao DCM que o ex-prefeito sabia da indicação de seu cliente para o cargo que ocupava

Por Kiko Nogueira, do Diário do Centro do Mundo

Rogério Martins, advogado de Carlos Augusto Di Lallo Leite do Amaral, um dos quatro acusados num esquema de cobrança de propina na prefeitura de São Paulo, disse ao DCM que o ex-prefeito Gilberto Kassab sabia da indicação de seu cliente para o cargo que ocupava.

“O Carlos estava num cargo de confiança de uma secretaria [ele era diretor da Divisão de Cadastro de Imóveis]. Kassab sabia da indicação. Passou pela pessoa dele. Saiu no Diário Oficial. Ele está lavando as mãos. Pela terceira vez acontece um grande escândalo na gestão de Kassab e ele diz que não sabe de nada”.

Em entrevista para Mônica Bergamo, da Folha, Kassab afirmou que os acusados são “técnicos, servidores de carreira que não foram indicados por mim. E tenho certeza que os ex-secretários, que são pessoas corretas, terão total disposição para colaborar com as investigações”.

Para advogado Rogério Martins, ex-prefeito Gilberto Kassab está “lavando as mãos” (José Cruz/ABr)

A operação funcionou entre 2007 e 2012 e desviou cerca de 500 milhões de reais. O suborno servia para as construtoras ganharem a quitação do Imposto sobre Serviços (ISS). Sem o “habite-se”, as obras não podiam ser entregues.

Os funcionários foram presos em suas casas. Houve buscas também em um escritório no Largo da Misericórdia, na Sé, que servia como base do grupo para reuniões com executivos de grandes incorporadoras.

A polícia esteve também numa pousada em Visconde de Mauá (RJ), cujo dono é Lallo. “O Carlos frisou que já tem a pousada há 17 anos e que ela é fruto de seus ganhos”, diz Martins. “Nós vamos ao MP e ao Fórum para entender por que foram feitas as prisões”.

Além de Lallo, foram detidos o ex-subsecretário da Receita Municipal Ronilson Bezerra Rodrigues, o ex-diretor do Departamento de Arrecadação e Cobrança Eduardo Horle Barcelos e um agente de fiscalização.



No artigo

x