Extrema-direita húngara ergue monumento a ex-presidente nazi em Budapeste

Partido fascista Jobbik ergueu um monumento em homenagem a Miklos Horthy, responsável pela deportação de mais de 437 mil judeus húngaros em 56 dias

711 0

Partido fascista Jobbik ergueu um monumento em homenagem a Miklos Horthy, responsável pela deportação de mais de 437 mil judeus húngaros em 56 dias

Por Esquerda.net

O partido de extrema-direita “Movimento por uma Hungria Melhor” (Jobbik) ergueu e inaugurou um grande busto de bronze em Budapeste em homenagem ao ex-presidente húngaro Miklos Horthy, que colaborou ativamente com o regime nazi, permitindo a deportação de milhares de judeus para os campos de concentração alemães.

Miklos Horthy e Adolf Hitler, durante uma visita de estado na Hungria

Um dos organizadores da homenagem a Horthy, Marton Gyongysi, vice porta-voz do Jobbik no Parlamento, onde são terceira força política, foi obrigado a retratar-se publicamente no ano passado após pedir a elaboração de um registro dos cidadãos húngaros de origem judaica.

Miklos Horthy, o principal símbolo da extrema-direita húngara, governou o país com mão de ferro durante 24 anos e cedo se aliou com a Alemanha de Adolf Hitler em 1944. Com a ocupação nazi, sobre o mandato de Horthy, as autoridades húngaras deportaram mais de 437 mil judeus húngaros em 56 dias.

“Chamar a Horthy criminoso de guerra é injusto e errôneo do ponto de vista histórico”, afirmou o dirigente do Jobbik, Lorant Hegedus, em declarações à agência Reuters. “Não foi tratado como criminoso de guerra em Nuremberg, então porquê fazê-lo agora?”, questionou. Horthy testemunhou nos julgamentos de Nuremberg depois da Segunda Guerra Mundial, mas não foi acusado e morreu no exílio, em Portugal, em 1957. Para Gyongyosi, também do Jobbik, Horthy foi o maior estadista húngaro do século XX.

Em resposta a este evento público, aproximadamente mil manifestantes expressaram a sua repulsa à homenagem feita a Horthy, a mesma resposta obteve do partido de governo Fidesz – União Cívica Húngara do polêmico populista de direita Viktor Órban.

“É escandaloso que uns quantos fascistas levantem uma estátua a Horthy, responsável pelo domínio nazi e do Holocausto na Hungria”, criticou um jovem manifestante, Bence Kovacs, que trazia uma estrela amarela ao peito em homenagem aos judeus perseguidos.

O prefeito de Budapeste, Antal Rogan, do Fidesz, classificou o busto como uma “provocação”. “Isto dará à imprensa de esquerda da Europa ocidental uma desculpa para denunciar o antissemitismo (no país) e atribuir à Hungria uma imagem negativa”, argumentou.

O Jobbik conta atualmente com 45 dos 386 lugares no Parlamento, controlado por uma maioria absoluta do partido do Governo, Fidesz, mas as sondagens preveem uma significativa redução do apoio do partido de direita e uma ascensão da extrema-direita.

Está previsto que em abril ou maio se realizem novas legislativas e o Jobbik conseguirá entre o 8% e o 9%, segundo as sondagens mais recentes.



No artigo

x