25 verdades para Yoani Sánchez sobre o papel da mulher em Cuba

Ilha caribenha é o terceiro país com mais mulheres parlamentares; EUA são 80º

1955 7

Ilha caribenha é o terceiro país com mais mulheres parlamentares; EUA são 80º

Por Salim Lamrani, no Opera Mundi

Mulher cubana pode ficar até um ano de licença quando tem um filho (Foto: Wickcommons)

Durante uma videoconferência organizada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos no dia 29 de outubro de 2013, a famosa dissidente cubana lamentou o papel “marginal” da mulher em Cuba. Segundo Yoani Sánchez, a mulher cubana é “o último elo de uma cadeia de improdutividade e ineficiências”. Eis aqui algumas verdades a respeito que contradizem seu ponto de vista.

1. Desde o triunfo da Revolução em 1959, o Estado cubano tem feito da emancipação da mulher uma de suas prioridades, com a criação, em agosto de 1960, da Federação de Mulheres Cubanas (FMC), fundada por Vilma Espín, que conta hoje com mais de 4 milhões de membros.

2. Antes de 1959, as mulheres representavam apenas 12% da população ativa e recebiam uma remuneração inferior à dos homens por um emprego equivalente.

3. Hoje, a legislação cubana impõe que o salário da mulher, pela mesma função, seja exatamente igual ao do homem.

4. Cuba é o primeiro país do mundo a assinar a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, e o segundo em ratificá-la.

5. Dos 31 membros do Conselho de Estado cubano, 13 são mulheres, ou seja, 41,9%.

6. Há 8 mulheres ministras em um total de 34, ou seja, 23,5%.

7. No Parlamento cubano, dos 612 deputados, 299 são mulheres, ou seja, 48,66%.

8. Cuba ocupa o terceiro lugar mundial na porcentagem de mulheres deputadas. Os Estados Unidos ocupam o 80º.

9. María Mari Machado, mulher, ocupa a vice-presidência do Parlamento cubano.

10. Dos 1268 eleitos nas assembleias provinciais, 48,36% são mulheres.

11. As mulheres cubanas presidem 10 das 15 assembleias provinciais do país, ou seja, 66,6%, e ocupam a vice-presidência de 7 delas, 46,6%.

12.  Não existe nenhuma lei em Cuba que obrigue a paridade nos cargos políticos.

13. Dos 115 membros do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, 49 são mulheres, ou seja, 42,6%.

14. A secretária do Partido Comunista de Cuba para a província de Havana, a mais importante do país, é uma mulher negra que tem menos de 50 anos chamada  Lázara Mercedes López Acea. Ela também é vice-presidenta do Conselho de Estado e do Conselho de Ministros.

15. Dos 16 dirigentes sindicais provinciais da Confederação dos Trabalhadores Cubanos (CTC), 9 são mulheres, ou seja, 56,25%.

16. Cerca de 60% dos estudantes cubanos são mulheres.

[Dissidente Yoani Sánchez mostra desconhecimento dos dados sobre a mulher cubana em suas críticas]

17. Desde 1980, as mulheres ativas dispõem, em média, de um nível de formação superior ao dos homens ativos.

18. Em Cuba, as mulheres representam 66,4% dos técnicos e profissionais do país de nível médio e superior (professores, médicos, engenheiros, pesquisadores etc.).

19. A taxa de fertilidade (número de filhos por mulher) é de 1.60, ou seja, a mais baixa da América Latina.

20. As mães cubanas têm a possibilidade de se ocupar em tempo integral de seus filhos recém-nascidos e, ao mesmo tempo, receber seu salário integral um mês e meio antes do parto e três meses depois do nascimento do filho. A licença pode se estender até um ano com uma remuneração equivalente a 60% do salário. Ao final de um ano, são automaticamente reintegradas a seu trabalho.

21. Cuba é um dos únicos países da América Latina, além da Guiana (desde 1995) e do Uruguai (desde 2012), a legalizar o aborto. A prática foi aprovada na ilha caribenha em 1965.

22. A taxa de mortalidade infantil de é 4,6 por mil, ou seja, a mais baixa do continente americano — incluindo o Canadá e os Estados Unidos — e do Terceiro Mundo.

23. A expectativa de vida as mulheres é de 80 anos, dois anos superior à dos homens.

24. A mulher pode se aposentar aos 60 anos, ou depois de trabalhar durante 30 anos, enquanto o homem só pode se aposentar aos 65 anos.

25. A mulher cubana desempenha, assim, um papel preponderante na sociedade e participa plenamente do desenvolvimento do país.

***Doutor em Estudos Ibéricos e Latino-americanos da Universidade Paris Sorbonne-Paris IV, Salim Lamrani é professor-titular da Universidade de la Reunión e jornalista, especialista nas relações entre Cuba e Estados Unidos. Seu último livro se chama Cuba. Les médias face au défi de l’impartialité, Paris, Editions Estrella, 2013, com prólogo de Eduardo Galeano.



No artigo

7 comments

  1. Ana Responder

    Muita coisa parecida com o Brasil, onde, sim, infelizmente, ainda há leis para obrigar aos partidos a representação feminina. E, ainda assim, no Brasil a mulher nem sempre é vista como “um papel preponderante na sociedade e participa plenamente do desenvolvimento do país.”
    Não sei o que a Yoani Sanchez disse, mas nada aí me pareceu muito convincente a achar que a ilha da Fantasia seja um paraíso feminista.

    1. André Oliveira Responder

      Perdão, mas os dados mostrados não tem nada de parecido com o Brasil. A lei sobre participação feminina em partidos, por exemplo, estipula 30% de mulheres, número bastante inferior a todos os dados relativos à participação feminina em espaços de poder em Cuba.

  2. Katia Rocha Responder

    Muitas vezes o que se diz em teoria, não se aplica na prática, mesmo com leis específicas. Queria ver “in loco” ou ouvir a versão de mais mulheres cubanas, sem desmerecer , é claro, o artigo do Professor Doutor Salim Lamrani.

  3. Smith Responder

    Não sei o por quê de se comparar com os EUA… Porque não se compara com a Suécia??? Que tem o IDH melhor do mundo???

    1. Marcus Padraic Dunne Responder

      Talvez porque a Yoani seja financiada pelos EUA e estivesse falando lá?

  4. Gustavo Torres Responder

    É interessante eles exaltarem tanto o papel da mulher na política em Cuba, quando uma conclusão lógica da política socialista é que não se obtém absolutamente nada fora da atividade política.
    Todo problema social ou econômico, público ou privado, é também, um problema político. Afinal, todos os meios através dos quais se buscam os objetivos estão nas mãos do aparato coercitivo do Estado; então, é mais que natural que se busque alcançar estes meios alcançando uma maneira de manipular a política à seu favor.

    Ou seja, é óbvio que num lugar onde tudo e política, mais pessoas se voltem para a vida política.

    O que mede o nível de liberdade de uma sociedade não é a busca pela vida política, é, em verdade, o seu contrário.

  5. Eduardo Vinicius Pires Responder

    Entrando na discussão, sinceramente esses dados são fornecidos pelo governo cubano, sem colocar em demérito o artigo presente, creio que seria importante sim, ouvir da mulher cubana qual o seu espaço na vida social e política de Cuba. Não se trata de duvidar ou desdenhar, apenas saber como isso funciona na prática e na visão do cidadão.


x