Noam Chomsky: EUA matavam quem praticava o que prega Papa Francisco

Papa tem feito gestos simbólicos para uma nova aceitação da Teologia da Libertação na Igreja, combatida e perseguida pelos Estados Unidos

1185 7

Por Travis Gettys, do The Raw Story | Tradução: Ítalo Piva

Os Estados Unidos declararam e lutaram uma amarga, brutal e violenta guerra contra a igreja, disse Chomsky (Foto: Wikimedia Commons)

Os Estados Unidos lutaram por décadas uma guerra contra católicos que praticavam os ensinamentos que levaram o Papa Francisco a ser eleito personalidade do ano pela Times, segundo o filósofo político Noam Chomsky.

Segundo Chomsky, em 1962, a conferência Vaticano II reformou os ensinamentos da Igreja Católica pela primeira vez desde o século IV, quando o Império Romano adotou o cristianismo como sua religião oficial, e isso teve um profundo impacto nos líderes religiosos da América Latina.

Leia também:
Jesus Cristo “capitalista” e Papa Francisco “marxista”?
Um dos futuros santos da Igreja, João Paulo II colaborou com a CIA

Na semana passada, em uma entrevista com o ativista de justiça social Abel Collins, Chomsky explicou que padres e laicos latino-americanos formaram grupos com camponeses para estudar o Evangelho e reivindicar mais direitos das ditaduras militares da região – que ficaram conhecidos como Teologia da Libertação.

“Há uma razão porque cristãos foram perseguidos pelos primeiros três séculos,” disse Chomsky. “Os ensinamentos são radicais – de um texto radical – que pregam basicamente um pacifismo radical com opções preferenciais aos pobres.”

Ele reafirmou que praticantes da Teologia da Libertação foram sistematicamente martirizados, ao longo de mais de 20 anos por forças apoiadas pelos EUA, que tentavam evitar que nações latino-americanas instalassem governos socialistas em benefício de seus próprios povos, contrariando interesses norte-americanos.

“Os Estados Unidos declararam e lutaram uma amarga, brutal e violenta guerra contra a igreja,” disse Chomsky. “Se existisse imprensa livre, é assim que representariam a historia.”

Ele explicou que os EUA apoiaram a “posse de governos e instituições ditatoriais com estilos neonazistas”, como parte de uma guerra que finalmente terminou em 1989 com a morte de seis jesuítas e duas mulheres na Universidade da América Central por tropas salvadorenhas.

Chomsky disse que aquelas tropas foram treinadas pelo governo norte-americano na Escola Kennedy de Guerra Contra a Insurgência, e agiram sob ordens oficiais do comando salvadorenho, que mantinha uma relação próxima com a embaixada norte-americana.

“Eu nem tenho que atribuir isso ao governo,” disse ele. “Já é aceito. A Academia das Américas, que treina oficiais militares latino-americanos – basicamente assassinos – um dos seus pontos de discussão é que o exército norte-americano ajudou a derrotar a Teologia da Libertação.”

O Papa Francisco, um jesuíta argentino, tem feito gestos simbólicos para uma nova aceitação da Teologia da Libertação na Igreja, depois de anos de condenação por suas aspirações políticas pelos papas João Paulo II e Bento XVI.

Seu recente Evangelii Gadium – ou Alegria do Evangelho – foi visto por muitos como um ataque ao capitalismo e economia de mercado livre, mas Chomsky acredita que até agora o Papa não transformou suas palavras em ações.

“Gosto do fato de que o discurso mudou, e de que há uma melhora na discussão sobre justiça social, mas temos que ver se isso chegará ao ponto de as pessoas se organizarem e insistirem por seus direitos percorrendo o caminho da opção preferencial pelos pobres, ou seja, de levar o Evangelho a sério.”



No artigo

7 comments

  1. Flávio Viana Gomide Responder

    Adoro Noam Chomsky. Mesmo sendo ateu, é preciso que eu reconheça a importância das manifestações religiosas anti-capitalistas, pois vão ao encontro do que acredito que é um mundo mais justo.

    1. martini sampaio Responder

      Flávio, apesar de eu não ser ateu, gosto de posturas e de conversar com pessoas como você, aliás até prefiro, pois apesar de crer num Deus (uma força que produz natureza e a vivifica) eu não creio na postura conservadora e pouco, ou nada, combatente da igreja e da grande maioria dos seus fieis. Legal que se for mesmo incorporado na teologia cristã a da libertação com certeza os fieis começaram a ver de outra perspectiva além daquela na qual foi construída uma crítica teológica da teologia da libertação.

  2. Welder Almeida Responder

    Muito bom texto!

  3. José Afonso Narciso Narciso Responder

    Sr. Noam Chomsky, tem razão por ser ateu, mas, Cristo veio para o benefício de todos.
    Quanto ao Capitalismo para beneficiar alguns.

  4. Octavio Responder

    “padres e laicos”

    Você quis dizer Padres e Leigos? Só minha impressão. Leigo na igreja não é “leigo” de ignorante, Leigo é aquele religioso que não é padre nem freira, no mais, são os religiosos praticantes, que comparecem na igreja, ajudam, participam dos eventos e etc.

    Estive com grupos de Dominicanos da Teologia da Libertação, tem os freis, padres, freiras e leigos.

    Abraços!

  5. Priscil Responder

    gente me desculpa mas eu amo esse velhinho: Chomsky! o cara é muito foda na leitura politica, não me canso de assistir seus debates e entrevistas

  6. Osni Valfredo Wagner Responder

    Esse papo de pessoas que existe o bem e o mal, ateus e com fé. Noam Chomsky, tem uma fé inabalável na ciência que lhe faz enxergar a realidade do povo sofrido. Deus não existe assim como as soluções dos problemas parecem que nunca serão resolvidos, pois as duas coisas a fé em deus e a transformação dependem de fé, esperança etc. O fato de não existir exige que tenhamos fé. O que estamos vendo não precisa ser visto segundo Frei Beto.


x