Prisões desumanas são exigência de uma sociedade insuflada pela mídia

Em um país onde o mote "bandido bom é bandido morto" é comum, a briga por audiência na televisão pode ser culpada

735 8

A recente barbárie no presídio em Pedrinhas, no Maranhão, não é caso isolado e muito menos novidade no sistema carcerário brasileiro. Em um país onde o mote “bandido bom é bandido morto” é comum, a briga por audiência na televisão pode ser culpada

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania 

O que mais assusta na tragédia ocorrida na região metropolitana de São Luis (MA) e no Complexo Penitenciário de Pedrinhas é a constatação extemporânea, tardia e hipócrita da mídia, de parte da classe política e dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário sobre as condições desumanas dessa prisão e de praticamente todas as outras pelo país afora.

Alguém acredita seriamente que um país rico como este não tem condições de construir prisões minimamente dignas para os cerca de 500 mil presos brasileiros? Até porque, não seria necessário construir prisões para toda essa gente, mas apenas para a parte que constitui o excedente da população carcerária.

Fonte: Blog da Cidadania

Então, se “um país rico como este” poderia ter prisões minimamente humanas, por que não tem? Resposta: porque a sociedade brasileira quer que suas prisões sejam desumanas mesmo. E por que este povo quer isso? Porque acredita não só que prisões desumanas podem dissuadir os que cogitem ingressar no crime como acredita que violência policial produz o mesmo efeito.

Não é preciso nem discutir o mérito dessa ideia maluca. É melhor discutir sua efetividade. Como se sabe, tem muita gente que vive espalhando por aí que nossas prisões são “colônias de férias” e que o castigo que a lei prevê para os criminosos é “brando demais”. Vendo o que aconteceu em Pedrinhas, percebe-se quanto idiota há por aí espalhando essas tolices.

O sistema carcerário brasileiro é o quarto maior do mundo e um dos mais cruéis e desumanos. Cumprir um ano de prisão no Brasil equivale a cumprir dez em uma prisão civilizada. Assim, o aumento de penas que tantos pregam como “solução” para o crime não passa de outra cretinice cavalar.

Mas por que a sociedade pede prisões desumanas e as autoridades, premidas por interesses políticos, atendem a essa exigência não apenas burra, mas suicida da maioria dos brasileiros? Simples, porque estes são insuflados cotidianamente pela mídia e, também, por políticos demagogos que se entregam a prometer tudo que o povo pede, por mais absurdo que seja.

Leia também:

Um sistema que não funciona

Mas quem insufla toda essa burrice é a mídia, acima de qualquer outro. Seus programas policialescos, ao estilo Datena ou Marcelo Resende – que se reproduzem como pragas pelas televisões e rádios regionais e até municipais de todo país –, instilam ódio na sociedade.

Esses apresentadores de programas sangrentos sobre crimes vivem dizendo sobre a violência que gostariam de praticar com as próprias mãos contra os bandidos, durante seus arroubos de machões. O espectador/ouvinte é estimulado a pensar na prisão como forma de vingança e nunca como forma de ressocializar o preso.

Até porque, o princípio de ressocialização não é conhecido. E que princípio é esse? O de que aquele que comete crimes seja preso como forma de proteção à sociedade, não como forma de ela se vingar dele. E o de que é preciso ressocializar porque todo criminoso preso volta às ruas um dia e, se não for ressocializado, volta pior.

Quem passa por uma prisão brasileira, no mais das vezes sai dela pior do que entrou não só porque “aprende o que não presta lá dentro”, mas porque sai de lá no mínimo revoltado. Só que, muitas vezes – ênfase em muitas vezes –, sai de lá com graves problemas mentais, tornando-se um risco ainda maior do que o criminoso meramente revoltado.

A solução para a violência e a criminalidade no Brasil, portanto, não é só mais justiça social, menos pobreza e miséria zero. É, também, construir prisões que preparem o presidiário para ser reinserido na sociedade. Enquanto forem o que são, nossas prisões continuarão sendo a linha de montagem do crime, onde o bandido se profissionaliza e se torna monstruoso.

Para que isso ocorra, a mídia teria que parar de insuflar ódio e começar a instilar reflexão na sociedade. Haveria que explicar que violência policial e prisões desumanas nunca conseguiram diminuir violência e criminalidade em parte alguma do mundo. Mas aí é querer demais. Programas que insuflam ódio e burrice dão muito mais audiência.



No artigo

8 comments

  1. Lucas Pereira da Sil Responder

    Ressocializar??? Desde quando isso funciona?? Pensamento de sociólogo…

    1. Isabella Haru Responder

      é… porque tá funcionando muito bem do jeito que tá.

    2. Leandro Felippo Responder

      A cadeia é para afastar o ser humano da sociedade devido um ato falho, com o objetivo de protege-la, e saída dele, teoricamente, depende de sua reabilitação. Culturalmente a cadeia é vista pela população como um meio de punição. Quanto mais o infrator sofrer, melhor. Acompanho o pensamento da nossa amiga Isabella, está bom do jeito que está? As prisões modelos no mundo são marcadas pela reabilitação de infratores. É bom lembrar que até mesmo a ONU chegou a intervier, aconselhando uma reestruturação no sistema penitenciário.

  2. Julio Almeida Responder

    Acho que ai entra um paradoxo constante e maniqueísta, ou é todo mundo bom ou é todo mundo mal, mas é o seguinte existe um caso recente na historia da Paraíba onde um homem por discussão de mulheres, no caso a esposa dele, entra em uma casa mata o pai, a mãe e todas as crianças que viu pela frente A GOLPES DE FACÃO uma das crianças sobreviventes foi achada em choque com a mão de um dos irmãos na sua frente decepada, ela viu os parentes caindo um a um no chão ouvindo os gritos de clemencia da família depois que o pai morreu, me perdoe dizer mas um homem desse pode ser ressocializado mas ele não merece isso, ele vai acordar seguir a vida dele ser livre ele e a esposa, e a criança que viu a família ser mutilada e os momentos de dores e medo que aquela família sentiu? esse homem merecia tortura e morte por esse crime.
    Mas aos mesmo tempo como eu disse o cara rouba uma lata de leite ninho por não ter dinheiro e vai para a mesma cadeia que o monstro descrito a cima, o segundo sim o fez por não ter tido oportunidade a sociedade o deixou sem opção, e por isso tem uma divida com ele, deve traze-lo de volta a sociedade
    Sou sim a favor de penas duras, de pena de morte castigos, mas também digo é necessário se pensar em quem estou castigando por que estou castigando, ele merece isso? As pessoas da área de humanas em geral tendem a ver as pessoas como “massas” grandes grupos sem rostos e que como personagens de ficção cientifica tem uma mente comum e agem da mesma forma, perdendo assim a introspectividade do sujeito. Os que são a favor de penas mais pesadas só vem o monstro primeiramente citado, os que são contra só veem o segundo caso de um bom homem corrompido pela sociedade e assim se perde a noção de que cada pessoa é um mundo e que a unica coisa que os tornam uma “massa” é uma ou algumas opiniões arrecadadas das mais diversas formas

  3. Cremilda Estella Teixeira Responder

    O que é pior é que eles legitimam, além da violência nos presídios, a violência policial e as abordagens truculentas.. Hoje o “menino de ouro” Ouro de Tolo digo eu do Cidade Alerta elogiou a policia que invadiu uma casa aparentemente sem mandado, arrombando um portão de ferro e capturou o suspeito dormindo. Batia num preso algemado e deitado de bruços, e ele exultava.
    Se esquece que legitimando a violência e os abusos policiais amanhã nas voltas que a vida dá, alguem que ele ama pode vir a ser vitima dessa mesma violência.

  4. Cremilda Estella Teixeira Responder

    Os suspeitos presos, muitas vêzes depois de escrachado, e obrigado a dar entrevista, uma vez que está algemado e rodeado de Policiais, responde na marra a qualquer pergunta é liberado por falta de provas. Já foi então julgado e condenado. Se o preso´tem direito a preservação da imagem e só falar em juízo, quando ele é obrigado, o apresentador do programa está violando a lei. Falam tanto da brandura da lei e para eles é quando ela é mais branda, Só escracham preso pobre, sem camisa e de chinelos. A valentia deles e sua suposta revolta é só contra os pobres.

  5. Cremilda Estella Teixeira Responder

    90 por cento dos presos são vítimas da drogadicçao, direta ou indiretamente.
    A Drogadicção já é pandemia, não respeita mais nem raça, nem credo e nem classe social e nem idade. Uma doença hereditária, incurável, fatal e progressiva mas que pode ser detida e controlada com tratamento adequado. A droga sustenta também a corrupçao por conta disso não interessa que se acabe com ela. Só que ela é está engolindo tudo. O Datena tem um filho dependente quimico e nem é segredo. Só porque a doença do filho ele está temporáriamente detida, não quer dizer que nas voltas que o mundo dá ele não possa ter uma recaída, não quer dizer que seus netos já não estejam contaminados e que ele vai envelhecer e com o que plantou vai colher os amargos frutos e na velhice. Que pena….A imprensa deveria contribuir para o bem de todos, já que é o quarto poder e o mais importante de todos . Elege e depõe até presidente. Faz as leis pegaram e fazem leis serem aprovadas.Prendem e soltam quem querem. Podia a imprensa fazer muito por nós.

  6. IsabeleSchutz Responder

    O que com certeza não funciona e o Brasil é prova disso, é esse sistema de presos passando por condições sub humanas, de tortura..verdadeira escola do crime!! Basta comparar o sistema de ressocialização de presos em outros países com o brasileiro para saber que com certeza estamos no caminho errado.


x