Quantos dias o Iguatemi aguentaria fechado?

Há anos, uma negra chamada Rosa Parks deu um rolezinho sobre as prerrogativas dos brancos no transportcoletivo de Montgomery, nos EUA

810 4

Há  57 anos, uma negra chamada Rosa Parks deu um rolezinho sobre as prerrogativas dos brancos no transporte coletivo de Montgomery, nos EUA

Por Saul Leblon, em Carta Maior

Rosa Parks ficou conhecida pela luta contra o racismo nos Estados Unidos dos anos 50 (Foto: reprodução)

O Museu Henry Ford, em Detroit, nos EUA, guarda inúmeras relíquias  da história norte-americana sobre rodas.

O veículo no qual  Kennedy foi baleado está lá.

Gigantescas locomotivas  que desbravaram a expansão ferroviária do país no século XIX ilustram, em toneladas de ferro e aço, o sentido da expressão revolução metal-mecânica.

Perto delas, os esqueléticos Fords-bigode que deram origem à indústria automobilística, de que Detroit foi a capital um dia, parecem moscas.

O museu abriga também um centenário ônibus da‎ National City Lines, de número 2857; um GM com o número 1132, que fazia a linha da Cleveland Avenue na cidade de Montgomery, no Alabama,  em 1 de dezembro de 1955.

A ocupação de um assento  naquele ônibus  mudaria  a história dos direitos civis nos EUA, promovendo um salto na luta pela igualdade  entre negros e brancos no país.

O verdadeiro símbolo do episódio não é o velho GM, mas a costureira e ativista dos direitos dos negros, Rosa Park (1923-2005) ,que  naquela noite se recusou a ceder o lugar a um branco.

Rosa tinha 40 quando desafiou a física do preconceito no Alabama dos anos  50, segundo a qual  brancos e negros não poderiam usufruir coletivamente do mesmo espaço, ao mesmo tempo.

Rosa Parks viveria mais 50 anos para contar e recontar esse rolezinho sobre as prerrogativas dos brancos, que transformaria o velho GM em um centro de peregrinação política.

Barack Obama ficou sentado por alguns segundos no banco de onde Rosa Parks recusou se levantar para dar lugar a um branco, em 1955 (Foto: Pete Souza/Casa Branca)

O último presidente a sentar-se no mesmo banco do qual ela só saiu presa foi Barak Obama.

Em 2012, depois de alguns segundos em silencio no mesmo lugar, ele disse: ‘É preciso um gesto de coragem das pessoas comuns para mudar a história’.

Rosa Parks era uma pessoa comum até dizer basta a uma regra sagrada da supremacia branca nos EUA.

Em pleno boom de crescimento do pós-guerra, quando  negros se integravam ao mercado de trabalho e de consumo norte-americano, eles não dispunham de espaço equivalente nem no plano político, nem nos espaços públicos, como o interior de um veículo de passageiros.

No Alabama, os bancos da frente dos ônibus eram exclusivos dos brancos;  os do fundo destinavam-se  aos negros.

Detalhes evitavam o contato entre as peles de cores distintas: os negros compravam seu bilhete ingressando pela porta da frente, mas deveriam descer e embarcar pela do fundo.

À medida em que os assentos da frente se esgotavam, os negros deveriam ceder seu lugar a um novo passageiro branco que embarcasse no trajeto.

Rosa Parks estava fisicamente exausta aquela noite e há muitos anos cansada da desigualdade que  humilhava sua gente.

Ela recusou a ordem do motorista e  não cedeu o lugar, mesmo ameaçada. Sua prisão gerou um boicote maciço dos negros de Montgomery.

Durante longos meses, eles se recusaram a utilizar o transporte coletivo da cidade, provocando atrasos nos locais de trabalho e prejuízos às empresas de transporte.

Milhões de panfletos explicativos  seriam distribuídos diariamente; de forma pacífica,  grupos de ativistas vasculhavam os pontos de ônibus da cidade para convencer negros a aderir ao boicote.

Quase um ano depois, a lei da segregação dentro dos  ônibus foi extinta.

Neste sábado, um dos shoppings mais luxuosos de São Paulo, o Iguatemi JK, cerrou as portas para impedir  que movimentos sociais fizessem ali um protesto contra a discriminação em relação aos pobres.

O Iguatemi foi um dos pioneiros a obter liminar na Justiça de SP autorizando seguranças a selecionar o ingresso de clientes  para barrar a juventude dos rolezinhos – marcadamente composta de  jovens da periferia,  pretos, mestiços e pobres.

A memória dos acontecimentos de 57 anos atrás em Montgomery nos convida a perguntar:

– A exemplo das transportadoras racistas do Alabama, quantos dias o Iguatemi  de SP aguentaria de portas cerradas, cercado por manifestações pacíficas  e desidratado pela fuga de seus clientes tradicionais?



No artigo

4 comments

  1. Reginaldo Tenório Responder

    A questão não é se temos outras opções de lazer ou não, opções culturais ou não.
    Trata-se do simples direito de ir e vir de cada um. Os primeiros rolezinhos são comprovadamente pacificos, garotos sendo garotos, fazendo barulho, inclusive gastando. Muito mais até do que muitos metidos a besta fazem pois o shopping deixou de ser um ponto de consumo apenas já a bastante tempo e se tornou um ponto de passeio, um “point” de encontro das massas jovens.
    O shopping tomar esta atitude não me espanta, mas o shopping tem um componente que pouco se manifestou até o momento, que são os lojistas.
    O shopping aguenta ficar quanto tempo for preciso ficar fechado, mas e os lojistas? Até quando pagarão os caros aluguéis dos shoppings sem conseguir vender nada com suas portas fechadas?

  2. Fer Nando Responder

    Esqueceu de escrever que Rosa Park era militante do movimento negro trabalhava no NACCPP.
    Ela se impôs pois participava se um grupo de auto afirmação

  3. ana Responder

    A ignorância de certos comentários é tamanha que me dá vergonha alheia, comparações ridículas, equivocadas e absurdas. Mas o que eu acho mais bizarro é o quanto as pessoas gastam argumentos sem lógica pra legitimar e justificar seu racismo e a segregação de classes implícita nesse país que, se torna escancarada com os rolezinhos, com as caras de repulsa e indignação pelo simples fato de jovens estarem num espaço que não lhes é permitido ocupar, não segundo uma normativa mas, segundo esse ranço colonialista que resta, esse ranço disfarçado de democracia desde que, cada um ocupe o espaço que lhe cabe, desde que os empregados (prestadores de serviços domésticos) desçam num elevador separado, pq enfim, quem quer olhar a cara da “pobreza”, ela não pode ter os mesmos direitos, ainda que a Constituição e os Direitos Humanos digam o contrário. Eu tenho horror as pessoas desse país, essa classe média que se considera culta, bem-educada e solidária. Tristeza profunda a cada comentário violento, racista, classista e reacionário! =/


x