O racismo aceito como “arte”?

Socialite russa é entrevistada sentada sobre manequim de mulher negra. Nas redes, internautas protestam contra a imagem

915 8

Socialite russa é entrevistada sentada sobre manequim de mulher negra. Nas redes, internautas protestam contra a imagem

Por Ítalo Piva

Uma entrevista concedida por uma socialite russa na qual, em uma das fotos, ela aparece sentada em uma cadeira feita de uma manequim negra, seminua, deitada no chão e de pernas pro ar, está gerando  polêmica mundo afora.

A entrevistada, Dasha Zukhova, é herdeira de um oligarca russo e de uma professora norte-americana. Foi educada nos Estados Unidos e é editora da revista Garage, cujo ideal principal é a “fusão da arte e da moda”. Na entrevista concedida à revista Buro 247, Zukhova revela que tem paixão por investir em projetos de arte, e a “obra” com a qual é fotografada é uma reprodução de uma peça da coleção feita em 1969 por Allen Jones, na qual manequins de mulheres, vestidas com roupas extremamente sugestivas, são transformadas em móveis para a casa.

Que a imagem de uma mulher seja literalmente transformada em objeto já é algo bastante perturbador. Dasha consegue ir muito além, não apenas usando um conceito já extremamente ofensivo de forma proposital, mas tornando-o algo racista ao mudar a cor da pele da manequim, produzindo a imagem final de uma bem vestida mulher branca se apoiando sobre ela. A escolha da data de publicação também guarda uma infeliz coincidência: a foto foi postada no feriado que celebra a vida de Martin Luther King.

Após protestos de internautas nas redes sociais, Miroslava Duma, jornalista da revista Buro 247 que fez a entrevista, removeu a foto de sua conta no Instagram. A publicação, por sua parte, editou a imagem para que agora só mostre Zukhova, o fundo da sala e as botas da manequim.

Com informações do Fashion Bomb Daily



No artigo

8 comments

  1. juju Responder

    Não conheço a proposta do artista, mas suspeito de que o conceito por tras de sua obra seja na verdade, nao ser racista, e sim, evidenciar a objetificacao da mulher, provocar atraves das obras uma reflexao, pois tbm existem manequins brancas entre a coleçao. Ou seja, ele nao foi racista, mas sim, deixou isso escancarado para causar perplexidade. Foi intencional.

    1. Osvaldo Aires Bade Responder

      Boa!

    2. Andréa Duarte Responder

      A questão racismo só é citada quando se trata do negro, dado nosso histórico de tratá-los como raça inferior, escravizando-os, nos esquecendo de que, na verdade, temos várias etnias, e que a raça é uma só, a humana. Quer dizer que colocar uma mulher branca como um móvel não tem problema, mas negra tem? É isso mesmo?

    3. Dinah Giglio Responder

      Como você pode dizer isso? Objetificação da mulher? Objetificação da mulher seria se ambas estivessem sobre humilhação e não uma sentada sobre a outra, vamos acordar meu querido, Isso é RACISMO, abuso e tudo que possa menosprezar a outra pessoa.
      e se fosse a mulher branca deitada e a negra sentada em cima dela? você diria que é arte ou algo do genero? Obvio que não.

  2. juju Responder

    muito obrigada por censurar meu comentario pela 3 vez!

  3. Vanessa Cocenza Responder

    Se o objeto estivesse por exemplo em uma exposição, mostrando de forma crítica o uso da arte, como forma de protesto… mas como grife? É sim racismo, mostra bem a forma de pensamento e arte que esta pseudo-artista quer fazer e dissemina uma imagem decadente da elite mundial. Não consigo deixar de fazer uma outra crítica, que veio com uma inevitável associação do que esta imagem também me provocou, pois ao olhar esta bela mulher negra, de botas e semi-nua, automaticamente, me lembro das cantoras internacionais como Beyoncé e Rihanna por exemplo, que são lindas e talentosas mas vendem seu talento e a imagem do seu corpo para uma indústria terrível e decadente da música!

  4. J. Muniz. Responder

    Andréa Duarte, a concepcao de arte aqui eh completamente equivocada. Nao podeeria ser uma mulher nem negra nem de qualquer etnia que fosse. Há ai nos moldes estabelecidos uma leitura subliminar e nao podemos nos deixar levar. Por favor nao me venha dizer que vc nao se sentiu incomodada com isso. Eu sou mulher e para alem de ser negra sou mulher e nao admitiria de forma alguma ser maltratada a esse ponto. Enxerguemos as coisas como elas sao. PAremos de fingir que nao ha racismo porque ele esta atrelado nas nossas vidas e nos como brasileiros que somos preferimos fingir que nao vemo a tratar o problema. Pelo amor de Deus. Ninguem abriu a boca para dizer que se fosse uma mulher caucasiana poderia. Respeitemos o ser humano. A verdade eh que o racismo no nosso pais existe e sempre fingimos que nao foi nada. Essa mulher foi extremamente preconceituosa e de muito mal gosto. Nao estamos aqui para fazer ninguem de suporte para nosso descanso, apesar de termos muitos que pisam na cabeca do outro para se dar bem. VERGONHA!!!!

  5. Dinah Giglio Responder

    você diz isso porque você é branco e não sofre racismo.
    um beijo


x