Deputado evangélico abre guerra contra o Porta dos Fundos

Anderson Ferreira (PR-PE), que é um dos defensores do polêmico projeto da "Cura Gay", abriu um pedido para instaurar um inquérito civil contra o grupo humorístico

833 3

Anderson Ferreira (PR-PE), que é um dos defensores do polêmico projeto da “Cura Gay”, abriu um pedido para instaurar um inquérito civil contra o grupo humorístico

Por Brasil 247,

(Imagem: Brasil 247)

O deputado federal Anderson Ferreira (PR-PE) abriu um pedido para instaurar um inquérito civil contra o grupo humorístico “Porta dos Fundos”. O pedido, feito para o Ministério Público de Pernambuco (MP-PE), se refere ao vídeo “Especial de Natal”, publicado pelos humoristas no último dia 23 de dezembro, e que já possui quase cinco milhões de visualizações no Youtube.

De acordo com o deputado, o vídeo “tenta ferir a fé cristã e todos os seus princípios”. “É latente o escárnio e o deboche do dogma cristão da concepção virginal de Jesus de Nazaré e o desprezo, aviltamento, desdenho dos objetos religiosos. O vídeo deixa claro e somente demonstra a real ofensa à consciência, sentimento e religiosidade de milhares de brasileiros”, afirmou o parlamentar.

De acordo com Ferreira, que é integrante da bancada evangélica na Câmara dos Deputados e é defensor do polêmico projeto da “Cura Gay”, o vídeo constitui crime tipificado no Artigo 208 do Código Penal. “A Constituição Federal também prevê que são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito À indenização pelo dano material ou moral decorrente da violação”, afirmou.

Um dos líderes do grupo, Ian SBF, reconheceu que o Porta dos Fundos não esperava agradar todos com o vídeo, mas defendeu o humor sem censuras. “A gente sabia que não ia agradar todo mundo com esse especial. Depois de um ano e meio de Porta, já percebemos que os vídeos sobre religião geram mais polêmica”, afirmou Ian, para O Globo “Mas até ficamos contentes com isso, porque acaba gerando discussão. O assunto parece velho, mas até hoje é necessário debater sobre os benefícios e malefícios das religiões”, complementou.

O Porta dos Fundos começou no segundo semestre de 2012, e já conta com mais de sete milhões de inscritos no Youtube. O canal já produziu diversos vídeos com sátiras a religiões, como os curtas “Oh Meu Deus” e “Demônio”, e uma sátira ao ex-presidente da Comissão de Direitos humanos na Câmara, Marco Feliciano (PSC-SP), no vídeo “Deputado”.

Assista aqui o vídeo “Especial de Natal” do Porta dos Fundos:



No artigo

3 comments

  1. Dario Domenichelli Responder

    parabéns..quem não gosta paciencia..humor inteligente é assim..a globo tem programas infectos ,musica funk enfim muito mais danosa a sociedade..o que alguns pastores estão revoltados é porque levam no pé da letra,porque então cada um entende a biblia como quer? e prega como acha o certo. O humor é assim entende do jeito que quiser .O que mais vemos é destruição da humanidade por causa da religiâo. claro os fanáticos que imundam seus povos e os massacram em nome de um deus deles. O lance é que sempre os poderosos que estão na direção destes países é que continuam na riqueza e dominando.I maginem quanto se perdeu em valores em nome dessa religião que alguns pregam,talentos e pessoas viciadas e sodomizadas e ainda atentam contra propria vida. Enfim discutir religião é infindável. o melhor seria sentar todos a mesa e chamar a todos de irmão já que o DEUS é um só.So complementando porque será que alguns pastores bilhardários pregam tanto a salvação e que tiram demonios e salvam vidas so o fazem em seus templos? porque então nao vão a campo salvar os leprosos da atualidade como o fez Jesus? a coisa so funciona dentro dos limites do acordo,é o que parece.

  2. mdollis Responder

    Isso é bom pra todo mundo.
    Os humoristas ganham mais visibilidade, e o pastor/politico ganha projeção com seu público.
    Mas infelizmente, isso vai ajudar a congestionar o judiciário brasileiro.

  3. Pedro Henrique A. Responder

    Muitos dão risadas de piada sobre negros, gays e estupro de mulheres, mas quando é sobre religião aí ficam revoltadinhos


x