Sardenberg cria índice “nem-nem” para justificar queda do desemprego

Comentarista pediu emprego para quem não quer e nem precisa, em análise constrangedora de uma notícia que poderia ser boa

676 7

Comentarista pediu emprego para quem não quer e nem precisa, em análise constrangedora de uma notícia que poderia ser boa

Por Luiz Carlos Azenha, no Viomundo

Sardenberg apresenta sua “arte” com o novo índice “nem-nem” (Foto: Reprodução/TV Globo)

Vários leitores, nos comentários, nos chamaram a atenção para a fala do economista Carlos Alberto Sardenberg no Jornal da Globo sobre a taxa recorde de desemprego. Deveria ser uma notícia boa, certo?

Ficou assim, segundo o comentarista global, que parece abrir com um ato falho:

“Nos temos aquela história, alguns até dizem que os números mostram qualquer coisa que você quiser que mostre, basta torturá-los que eles entregam. Nós temos aqui alguns indicadores importantes, o primeiro deles que eu acho que é importante ressaltar é essa queda no número de pessoas trabalhando.

Isso aqui é comparação mês contra o mesmo mês do ano anterior. Então por exemplo em dezembro de 2012 havia 3% a mais de pessoas trabalhando que um ano atrás. Reparem que a coisa foi caindo, né.

Aqui, estabilizou em setembro, agora em outubro, novembro e dezembro você teve queda, quer dizer, nesse último trimestre do ano tinha menos gente trabalhando que no último trimestre de 2012. A população ocupada diminuiu.

Como é possível isso ocorrer e ao mesmo tempo você ter uma queda da taxa de desemprego?

A explicação tá aqui, ó, primeiro você tem isso aqui, População Economicamente Ativa, que é todo mundo que tá trabalhando e as pessoas que querem trabalhar e não conseguem emprego. Então são os 96% que estão trabalhando e os 4% da taxa de desemprego.

Repare aqui, tava crescendo 1,7% [em 2012], cresceu 0,6% no ano passado, a população cresce mais do que isso, portanto tem mais gente sem trabalhar. E esse número fica expresso aqui ó, nesse índice de participação. Tá aqui, ó, dos brasileiros em idade de trabalhar 57,8% [estavam ocupados em 2012], no mês passado ficou em 56,7%, quer dizer, diminuiu o número de pessoas que podem trabalhar e estão trabalhando.

Pergunta: Sardenberg, e por que esse número de pessoas que não trabalham, não querem trabalhar, não procuram emprego, aumenta? Tem uma explicação?

Não tem uma explicação assim medida, mensurada. Mas você tem umas hipóteses muito boas: renda familiar maior, quer dizer, a família já tá com a renda suficiente, não precisa mais gente de trabalhar; jovens ficando mais tempo na faculdade, isso é um bom sinal; aposentados, no Brasil é normal que o aposentado volte a trabalhar, mas parece que o número tá diminuindo, menos aposentados estão voltando a trabalhar e também beneficiários de programas sociais; e finalmente, que é o dado mais negativo, que é o nem-nem, são jovens que não estão habilitados, não trabalham e nem estudam. Esse é o grande problema.

O resumo da ópera é o seguinte: todo mundo que precisava trabalhar e que quer trabalhar tá trabalhando, agora precisa criar empregos para atrair esse pessoal aqui”.

PS do Viomundo:  O “teste de hipóteses” é uma das notáveis contribuições da Globo ao jornalismo brasileiro; Sardenberg conseguiu pedir a criação de empregos para pessoas que não querem, nem precisam trabalhar. Ao fim e ao cabo, transformou o recorde histórico numa notícia meia boca, com o apoio de gráficos e barras cintilantes. “Bom jornalismo”, diriam alguns.



No artigo

7 comments

  1. R. Raeder Responder

    Sardenberg é um dos muitos jornalistas brasileiros que faz o jogo dos que fazem qualquer coisa para DESINFORMAR a população brasileira.

    1. Kátia Couto Responder

      Kkkkkkk achei ótimo! Até concordo que o Sardenberg se perde às vezes, mas nesse caso acredito que ele se refira aos jovens que não estão nem aí com a hora do Brasil… jovens perdidos que não se capacitam, que vivem sustentados pelos pais, mas que no futuro serão prejudicados por diversos motivos, além de incompetentes sem qualquer experiência, serão engolidos pelo mercado e passarão a ser mais um problema para o Estado. Ou seja, melhor que olhemos para estes jovens agora né.

  2. Thiago Baracho Responder

    o termo não é dele!!!

  3. Adriano Responder

    Sem querer bancar o babaca, mas como o português é a ferramenta de trabalho de vocês, não há “e” antes de “nem”, já que “nem” é a junção de “e não”.

  4. joseh_rio@yahoo.com.br Responder

    E Dilma trabalhando para o Brasil melhorar… isto ele não citou… e nem vai citar…a democracia da rede Globo e todos os seus comparsas no Brasil inteiro descendo a lenha no governo dela é simples de entender: se algo está dando certo para a esquerda, o melhor é ignorar… e ainda lançar dúvida sobre o governo social… aqui no meu estado, uma certa rede Gazeta de Jornais e TV…tem dezenas de articulistas, pau mandados, leitores que alugam páginas inteiras para descer a lenha em Dilma… esta gente não sabe o que diz, e nem se preocupa com o nosso país…

  5. Vogner Moreira Responder

    Jornalismo do 4′ Poder é sempre desinformativo e subserviente!

  6. Kátia Couto Responder

    Kkkkkkk achei ótimo! Até concordo que o Sardenberg se perde às vezes, mas nesse caso acredito que ele se refira aos jovens que não estão nem aí com a hora do Brasil… jovens perdidos que não se capacitam, que vivem sustentados pelos pais, mas que no futuro serão prejudicados por diversos motivos, além de incompetentes sem qualquer experiência, serão engolidos pelo mercado e passarão a ser mais um problema para o Estado. Ou seja, melhor que olhemos para estes jovens agora né.