Human Rights Watch lança campanha contra a homofobia na Rússia. Assista

Ativistas lançaram campanha para denunciar violência homofóbica na Rússia e para pressionar os patrocinadores a se posicionarem contra a leu anti-gay russa

722 0

Ativistas lançaram campanha para denunciar violência homofóbica e pressionar patrocinadores a se posicionarem contra a lei anti-gay

Por Redação 

Foto: Gays são sequestrados e torturados na Rússia

A Human Rights, aproveitando que as Olimpíadas de Sochi começam nesta semana, lançou uma campanha denunciando a violência que a população LGBT sofre na Rússia. O vídeo contém imagens com homossexuais sendo fortemente espancados e humilhados. Para o grupo de ativistas, a situação piorou muito desde que o governo local aprovou a lei contra a “propaganda homossexual”.

De acordo com relatos da Human Rights Watch, as cidades mais perigosas para homossexuais são Moscou, São Petersburgo e Novosibirsk, onde há relatos de sequestros de caráter homofóbico. As ações são comandadas pelo grupo Ocuppy Pedofilia. No vídeo é possível ver gays sendo perfurados por membros deste grupo, que filma as agressões e posta na rede.

Ainda de acordo com o relatório, a maioria das vítimas tem medo de ir na delegacia denunciar, pois teme que sofram novo assédio por parte da polícia. A maioria não vai adiante. Uma carta denunciando a perseguição de homossexuais foi enviada aos principais patrocinadores do Jogos Sochi:

“Sabemos que certamente lhe diz respeito , pois diz respeito profundamente todos nós, que desde que foi escolhido como o país sede dos Jogos Olímpicos de Inverno , o governo russo tem intensificado sua agressão contra os direitos humanos de sua lésbicas, gays, bissexuais e transexuais ( LGBT) cidadãos. Cidadãos russos e estrangeiros estão proibidos por lei de apoiar publicamente a igualdade para pessoas LGBT. Ativistas e jornalistas que buscaram investigar e denunciar tais abusos de direitos humanos foram secretamente gravadas, perseguidos e deportados da Rússia. LGBT russos têm efetivamente sido empurrado para a margens da sociedade e agora são forçados a conviver com ameaças diárias à sua segurança em um país que está promovendo a homofobia e transfobia sancionada pelo Estado. Estas ameaças vêm na forma de sequestros, tortura, atos de violência e ameaças de bomba.”

A carta foi enviada aos CEOs das empresas Coca-Cola, General Eletric, McDonalds, Procter & Gamble, Samsung e Visa e também pede para que as empresas que se posicionem publicamente contra a lei anti-gay da Rússia.

Os Jogos Olímpicos de Sochi começam nesta sexta-feira.



No artigo

x