Protestos na Ucrânia dividem opinião dos partidos da oposição alemã

Na Alemanha, debate parlamentar sobre recentes e violentos protestos na Ucrânia acabou em polêmica nesta quinta-feira (20). Discussão entre políticos se estendeu até o Twitter

392 0

 Na Alemanha, debate parlamentar sobre recentes e violentos protestos na Ucrânia acabou em polêmica nesta quinta-feira (20). Discussão entre políticos se estendeu até o Twitter 

Por Tainã Mansani

Os violentos protestos que deixaram dezenas de mortos na Ucrânia dividiram opiniões entre parlamentares dos principais partidos de oposição alemã, os verdes (Die Grüne) e a esquerda (Die Linke). A polêmica começou quando o parlamentar Andrej Hunko (Die Linke – A Esquerda) acusou a principal força de oposição ao governo do presidente ucraniano Viktor Yanukovytch de possuir tendências fascistas e antissemitas.

De acordo com o jornal Die Zeit – Online, o parlamentar alemão do partido Die Linke argumentou em sessão que não se deveria atribuir a violência na Ucrânia unilateralmente ao presidente Viktor Yanukovytch, mas se deveria considerar que o partido de extrema direita desse país, o Swoboda, é atualmente a força dominante na oposição. Desse fato, políticos alemães não estariam tomando distanciamento adequado.

Enquanto o debate acontecia no parlamento, a deputada do partido de esquerda Sevin Dagdelen, que não estava no local, postou em sua conta do Twitter “Insuportáveis esses verdes murchos, por banalizar os fascistas na Ucrânia, que cometem atos antissemitas“. Como resposta, a parlamentar do partido verde Britta Hasselmann leu a mensagem em voz alta para o parlamento, e retrucou: “eu acho insuportável esse tipo de debate ser comentado dessa maneira aqui (no Twitter)“.

A troca de acusações continuou pela rede social. O porta voz do partido verde alemão, Volker Beck, acusou a esquerda de nepotismo por defender Viktor Janukowitsch. O parlamentar Norbert Röttgen da direita CDU (e atual partido do governo Angela Merkel) afirmou que parlamentares da fração de esquerda usam algumas poucas vozes da Ucrânia para difamar toda a oposição desse país.

Após as sanções definidas pela União Europeia contra o governo ucraniano nesta quinta-feira (20) – dentre as quais a proibição de vistos, de venda de armas e o congelamento de bens de autoridades ucranianas – o parlamento da Ucrânia decidiu por uma “ação antiterror” no país. Os deputados querem a retirada de todas as unidades militares das ruas. No entanto, o presidente Viktor Yanukovytch precisa assinar a medida para que ela entre em vigor.

Em reunião na manhã dessa sexta-feira (21) com líderes da oposição e membros da União Europeia, o presidente ucraniano Yanukovytch prometeu a formação de um novo gabinete, de novas eleições em dezembro na Ucrânia e ainda uma reforma constitucional.

Foto de capa: Reprodução – Die Zeit – Online

Câmera: Tomáš Rafa, edição: Oleksiy Radynski / Krytyka Polityczna (Political Critique)

 



No artigo

x