Os padrões de feminilidade e a mulher negra

Há cada vez mais críticas quanto à quantidade crescente de cirurgias plásticas e sua relação com a gordofobia e com a fantasia inatingível do corpo feminino sem estrias e celulites

3560 6

Poe Jarid Arraes

(Reprodução: Outras Palavras)

Embora o avanço seja lento, as discussões sobre o padrão de beleza em nossa cultura têm sido cada vez mais frequentes. Há cada vez mais críticas quanto à quantidade crescente de cirurgias plásticas e sua relação com a gordofobia e com a fantasia inatingível do corpo feminino sem estrias e celulites. No entanto, certos pontos incômodos ainda precisam ser levantados: é necessário debater sobre a profundidade do racismo estético e suas consequências para as mulheres negras.

As meninas crescem inseridas em uma cultura que lhes ensina a admirar as princesas da Disney, a Barbie e outras personagens magras e brancas que acabam em finais felizes de prosperidade. Muitas fantasiam que são uma dessas princesas, desejam possuir brinquedos e produtos relacionados e, claro, almejam se tornarem fisicamente semelhantes. O problema é que o padrão de beleza perpetuado por essas figuras dá início a uma espécie de doutrinação, que desde a mais tenra idade ensina estereótipos de gênero baseados em sexismo e racismo.

Tanto as princesas do passado quanto as princesas mais recentes possuem muitas coisas em comum: olhos grandes, cílios longos, lábios rosados, bochechas coradas, narizes afilados e cabelos sedosos que voam ao vento de maneira hipnotizante. Não por acaso, essa representação feminina não fica limitada ao universo infantil, se repetindo também na vida adulta, muitas vezes presente nos catálogos de moda, nas propagandas da televisão, em filmes e em novelas. A maioria das atrizes consideradas belas possuem cabelos compridos e de textura lisa, traços faciais delicados e comportamento que varia de meigo a sensual, assim como muitas personagens femininas dos desenhos animados feitos para a audiência infantil.

O que pode acabar passando despercebido, no entanto, é que o padrão de beleza não é ruim somente por criar uma forma de aparência física melhor, na qual todas as mulheres devem se encaixar. A cultura da beleza branca e magra também cria e dissemina padrões de gênero repletos de clichês e paradigmas machistas: as mulheres absorvem que precisam ser “femininas” e, por isso, devem ter uma aparência física que “exale” essa feminilidade. Enquanto que para uma mulher branca há mais chances de se enquadrar em alguns dos quesitos exigidos, para uma mulher negra, sua posição social será sumariamente distinta.

Pode-se dizer que toda mulher negra tem recordações dolorosas da infância e adolescência. As meninas e as jovens negras assimilam que são “diferentes” e sofrem por não se sentirem bonitas – muitas vezes, ao ponto de nem mesmo conseguirem se identificar com a experiência de “ser mulher”. Acontece que por conta do cabelo crespo, nariz largo e pele escura, a sociedade não espera das mulheres negras qualquer expressão de meiguice ou fragilidade, traços considerados tipicamente femininos. As pessoas assistem – tanto na televisão quanto na vida real – que o corpo da mulher negra é reduzido a exploração sexual e trabalho braçal e são esses os valores que reproduzem.

Efetivamente, as fantasias da feminilidade ocidental correspondem somente às mulheres brancas. Os mitos da beleza e da fragilidade feminina, por exemplo, são introjetados em nossas mentes a partir dos veículos midiáticos. A mídia bombardeia audiências de todas as idades com a ideia da figura feminina apaixonada, que com sua beleza irresistível é salva por um cavalheiro com atos de heroísmo. Mesmo os aspectos mais sutis influenciam nossa percepção dos papéis de gênero, incluindo não somente o tipo físico ou a vestimenta tão recorrente nas personagens femininas, mas também a personalidade e a maneira como se expressam; a forma como piscam os olhos, balançam o cabelo ao vento ou rebolam e colocam a mão na cintura reforça um quadro de feminilidade extremamente machista, que na maioria das vezes também é racista e exclui as mulheres negras em sua representação.

Não é que mulheres meigas ou delicadas estejam fora do âmbito da realidade, ou mesmo que mulheres brancas também não sofram com o padrão de beleza. Mas é necessário aprofundar mais nossas análises de gênero. Poucas pessoas esperam que uma mulher negra que trabalha como empregada doméstica corresponda a um papel de gênero de fragilidade – pelo contrário, o considerado “normal” é que tenha mãos ásperas, ainda que também seja um indivíduo do sexo feminino. Embora o conceito de feminilidade seja limitador e sexista, é preciso questionar: por que o padrão de gênero esperado de uma mulher negra é diferente do de uma mulher branca? 

A feminilidade ainda é um estereótipo confuso e suas raízes permanecem fortes e influentes. A verdade é que qualquer tentativa de dividir o mundo em papeis sociais femininos e masculinos é sexista; esperar que homens e mulheres tenham comportamentos determinados por causa de seu gênero corresponde a um engessamento da autonomia humana. A solução não é multiplicar as formas para todas as mulheres, mas sim desconstruir os conceitos de feminilidade e beleza feminina – lembrando sempre que é essencial voltar a atenção para o racismo nos questionamentos dos padrões estéticos.



No artigo

6 comments

  1. jura Responder

    É muito importante que se saiba que a mulher negra não está envolta em uma fumaça negra, e que a sociedade como um todo, tem o papel de dissemina-la do globo terrestre. O papel da mulher negra é o de reformulador do comportamento feminino, que normalmente traduz o papel de boa mãe, boa dona de casa, boa empregada… Sem charme, sem valor de elegância, sem aparência. Ela se sente simplesmente como parte do meio, sendo totalmente submissa a ele, criando com isso a boa aparência, ou seja. Imagem de um exemplo para a sociedade, que vê nela o exemplo de não errar nunca e se submeter sempre ao sistema de inclusão social, que na realidade não é nada disso: É omisso e contraditório à acensão social do negro, que também aceita e se contradiz onde na realidade não deveria, pois têm que ser mais e mais relutante no seu conhecimento e em sua trajetória de vida no meio de uma sociedade que o rejeita e não o quer.

  2. Filita sandra Responder

    Esteticamente a mulher negra e’ bonita (silhueta fina, quadril e trazeiro volumosos) corpo de viola naturalmente, nao recore a cilicones prq tem d sobra. Recore a beleza dos cabelos e prodtos d clareza. A mulhr oriental (indiana) e’ bela, a ocidental recorre a cirurgia, a afro-americana herdeu beleza estetica natutal d africanos escravos.

    1. IGN Responder

      Será que não está na hora de todas nós mulheres,independente de raça,nos libertarmos dessa obrigação de ser bela? Por que nossa auto-estima sempre tem que estar vinculada á beleza?

      “Esteticamente a mulher negra e’ bonita (silhueta fina, quadril e trazeiro volumosos)”

      Por tais raz são tratadas evistas como mercadorias sexuais,será mesmo que é algo poistivo exaltar tais tributos?

      Reclamamos do machismo,mas ainda temos internalizado em nós que nossa maior virtude é beleza.

    2. Eu Responder

      Errado, a mulher negra só é vista como beleza por ter corpo avantajado normalmente, e nisso serve apenas como prato sexual, facialmente o belo não é a beleza negra e quando o é, só mulheres de negras de feições mais finas.

  3. miraci nunes Responder

    A sociedade fecha as portas para a mulher negra que não tem nariz fino sinto isso na pele.

  4. Luciana Oliveira Responder

    A questão aqui não é que mulher negra não seja bela. Temos que deixar claro para quem ainda não entendeu que esse não é o ponto. A questão é associar meiguice às mulheres brancas e sensualidade às negras. E traz consequências que todos conhecemos: a princesa dos sonhos é a branca, tal qual nos contos de fadas. As negras, ah, essas remetem a outros desejos. Essa separação não é vantajosa pra brancas nem negras e é abominável.


x