Uma em cada três mulheres foi vítima de violência na UE

Maior estudo sobre violência de género alguma vez realizado na UE envolveu 42 mil inquiridas nos 28 Estados-membros da União. Uma em cada cinco sofreu violência por parte do parceiro ou ex-parceiro; mais da metade, 55%,...

493 1

Maior estudo sobre violência de género alguma vez realizado na UE envolveu 42 mil inquiridas nos 28 Estados-membros da União. Uma em cada cinco sofreu violência por parte do parceiro ou ex-parceiro; mais da metade, 55%, disseram ter sido vítimas de algum tipo de assédio sexual. A maioria cala-se.

Por Esquerda.net

Uma em cada três mulheres da União Europeia foi vítimade violência física ou sexual, conclui um estudo realizado pela Agência dos Direitos Fundamentais da UE (FRA, da sigla em inglês), o que daria, extrapolando os dados, 62 milhões de mulheres. E uma em cada cinco (22%) disse ter sofrido essa violência por parte do parceiro ou ex-parceiro.

O maior estudo sobre violência de género alguma vez realizado na UE foi divulgado esta quarta-feira e envolveu 42 mil inquiridas nos 28 Estados-membros da União, 1.500 por cada país.

As mulheres foram questionadas sobre as suas experiências de abusos físicos, sexuais e psicológicos, em casa, no trabalho, na esfera pública e também no espaço virtual (perseguição e assédio através da Internet).

Perguntas específicas

As entrevistas foram feitas a mulheres de 18 a 74 anos escolhidas por uma amostragem aleatória. Foram feitas presencialmente, também por mulheres, nas casas das entrevistadas ou em lugares por elas escolhidos. Só foi entrevistada uma mulher por unidade familiar. As perguntas não eram genéricas, e sim muito específicas, como “Foi esbofeteada?”

Cinco por cento das entrevistadas disseram ter sido violadas; 43% relataram algum tipo de violência psicológica por parte do seu parceiro atual ou anterior (humilhações em público, proibição de sair de casa, ameaças físicas). E mais da metade, 55%, disseram ter sido vítimas de algum tipo de assédio sexual. Um terço das vítimas disseram que o autor era um chefe, companheiro ou cliente.

Maioria das vítimas calou-se

O estudo abordou também a questão da comunicação, ou ausência dela, à polícia ou a outrosserviços. E o resultado foi que 67% das mulheres não comunicaram a ninguém o caso mais grave de violência por parte do parceiro.

“É uma chamada de alerta: a violência afeta praticamente todas as mulheres”, disse à agência Lusa a investigadora Joanna Goodey, em Viena de Áustria, sede da FRA.

Para a investigadora, “se estes dados dissessem respeito a um país fora da UE, haveria imensas declarações de indignação, mas isto é dentro da UE.”

Fora de moda

Considerando que o combate à violência de género “não está entre as prioridades” comunitárias, a perita lamenta que o tema esteja a ficar “fora de moda”, com a UE a preferir fazer campanhasfocadas “em áreas particulares da violência”, que, sendo “muito importantes”, afetam menos mulheres.

Uma das novidades da pesquisa é a inclusão de “novas ou recentes” formas de violência de género, que recorrem à tecnologia, concluindo que onze por cento das inquiridas foram alvo de “avanços inapropriados” nas redes sociais e através de mensagens escritas de telemóvel (sms) ou de correio eletrónico (emails).



No artigo


x