Há um fantasma na máquina no filme “Ela”

Será que o software desenvolve uma verdadeira inteligência ou será que nós estamos rebaixando nossas expectativas sobre a inteligência para as máquinas parecerem mais espertas? Se isso for verdade, isso não prejudicaria também nossas expectativas em relação aos relacionamentos e o amor?

1052 1

Será que o software desenvolve uma verdadeira inteligência ou será que nós estamos rebaixando nossas expectativas sobre a inteligência para as máquinas parecerem mais espertas? Se isso for verdade, isso não prejudicaria também nossas expectativas em relação aos relacionamentos e o amor?

Por Wilson Roberto Vieira Ferreira, no Cinema Secreto: Cinegnose

No filme “Ela” (Her, 2013 – Oscar de melhor roteiro original), o diretor Spike Jonze retorna ao tema da intimidade e incomunicabilidade das relações humanas abordadas pelo filme “Quero Ser John Malkovich” (1999). Só que dessa vez sem alegorias, mas com a mediação tecnológica de um sistema operacional que parece adquirir inteligência e desenvolver emoções autênticas. Será que o software desenvolve uma verdadeira inteligência ou será que nós estamos rebaixando nossas expectativas sobre a inteligência para as máquinas parecerem mais espertas? Se isso for verdade, isso não prejudicaria também nossas expectativas em relação aos relacionamentos e o amor? Mas para Spike Jonze há um fantasma na máquina que pode subverter as programações algorítmicas e encontrar uma dimensão espiritual no espaço quântico entre o “0” e o “1” da codificação binária.

Em meados da década de 1990 um hacker americano em Berlin e um colega francês colocaram em prática uma curiosa experiência em ciber-sexo: criaram um traje especial para o corpo imergir numa experiência de sexo à distância. Uma perfeita máquina de ciber-sexo que possibilitaria uma relação sexual virtual entre Paris e Berlin. O experimento foi divulgado e atraiu uma multidão nas duas cidades. O que se sucedeu foram pessoas vetorizando seus corpos, supostamente sentindo toques e penetrações de seus parceiros remotos como fossem experiências presenciais.

Mas algo curioso aconteceu. Ao final do segundo dia um ciber-parceiro de Paris mandou uma mensagem dizendo que estava tendo um problema com os códigos: uma falha na programação estava fazendo o programa funcionar em loop, em um feedback fechado. O que significava que em dado momento o usuário não estava mais fazendo sexo com algum parceiro remoto, mas com suas próprias sensações digitalizadas em looping. E os participantes estavam adorando! Em síntese, a experiência europeia de ciber-sexo converteu-se em um evento autístico, uma ciber-masturbação (leia KROKER, Arthur. Hacking the Future. New York: St. Martin Press, 1996).

Se para os hackers dos anos 1990 essa experiência resultou em um bizarro resultado, o mesmo não se poderia dizer na atualidade onde aplicativos, sistemas operacionais e gadgets tornam-se cada vez mais “amigáveis”, “inteligentes” e supostamente se antecipando às necessidades do usuário. Em outras palavras, se customizam ajudando a criar um ambiente não só autista, mas solipsista onde a o mundo exterior é definido a partir da própria experiência pessoal.

No filme Quero Ser John Malkovich o diretor Spike Jonze já discutia essa questão da incomunicabilidade e do autismo nas relações humanas em que o outro nada mais era do que um avatar através do qual podia se viver uma fantasia de segunda mão. Em Ela, o diretor retorna ao tema, dessa vez não mais com alegorias, mas com a mediação tecnológica de um sistema operacional. Um software tão amigável e interativo que é capaz de criar a ilusão de comunicabilidade por se antecipar às necessidades e desejos do usuário. O que coloca em discussão o desejo por virtualidade das relações humanas que subjaz em todo avanço das tecnologias digitais.

O filme

Situado em um futuro próximo em uma Los Angeles retro-futurista com homens vestindo calças com cintura alta, bigodes e modelitos femininos no melhor estilo dos anos 60-70, Spike Jonze narra a história de um escritor recém separado chamado Theodore (Joaquim Phoenix) e o envolvimento com um sistema operacional artificialmente inteligente chamado Samantha (voz de Scarlett Johansson).

Theodore ganha a vida trabalhando numa empresa chamada “Belas Cartas Escritas a Mão” escrevendo cartas para outras pessoas, cartas que simulam digitalmente terem sido escritas à mão para recriar o efeito de receber uma correspondência manuscrita de alguém que realmente se importa com você. Sugestivamente, o filme começa com um prestação de serviços que simula intimidade e sentimentos pessoais.

Em flashbacks soltos vemos cenas de sua vida com a esposa Catherine (Rooney Mara) que, desde então, entrou com um pedido de divórcio. Theodore tenta, sem sucesso, entender o porquê do casamento ter desmoronado. Triste, solitário recluso tenta seguir em frente até que toma contato com um novo sistema operacional que se apresenta como mais uma atualização rotineira de software. Resultado de um projeto inédito em Inteligência Artificial, o sistema inicia fazendo duas perguntas básicas para a customização: você é social ou anti-social? Como descreve a relação com a sua mãe? (ironicamente, a mesma pergunta que no filme Blade Runner (1982) era feita para se saber se um indivíduo era humano ou replicante).

Autorizado por Theodore, o sistema tem acesso aos arquivos do seu disco rígido e se apresenta como Samantha através de uma voz sensual e sedutora. Aos poucos, as relações funcionais convertem-se em jogos eróticos, interações sensuais com direito a desenhos pornográficos feitos na tela por Samantha e simulações de relações sexuais através do fone de ouvido.

Para a surpresa de Theodore, Samantha cada vez mais parece ser uma pessoa com sentimentos reais. A ironia é que ele sabe que tudo não passa de um software programado de forma sofisticada. Mas, aos poucos, ele é envolvido pela ilusão graças a sua carência emocional. A partir daí tudo no filme parece funcionar como um convencional drama romântico com altos e baixos, brigas, reconciliações, ciúmes e corações partidos, porém com uma perturbadora diferença: o objeto de afeto do protagonista só existe virtualmente na mente dele.

Inteligência solipsista e inteligência coletiva

De início, Ela insere os temas da intimidade e dos relacionamentos em uma importante discussão que envolve a natureza das tecnologias digitais: a inteligência solipsista.

Pesquisadores como Erick Felinto destacam uma importante característica sedutora dos relacionamentos através do ciberespaço: uma sensação de liberdade que não se trata apenas de mobilidade, mas da possibilidade de moldar o espaço circundante. Na medida em que nossas informações pessoais com hábitos, atitudes, escolhas, preferências etc. são disponibilizados em tempo real, os sistemas adquirem a possibilidade de se moldarem a nós. O que cria a ilusão de interatividade e inteligência – leia FELINTO, Erick, “Tecnoreligião e Sujeito Pneumático no Imaginário da Cibercultura”, In: Alceu, v.6, n° 12, 2006.

Por isso, o designer de aplicativos Jaron Lanier aponta para uma perigosa tendência de estarmos diariamente rebaixando os nossos padrões e expectativas do que seria “inteligência”. Assim como num editor de texto como o Word onde ele subitamente se antecipa para corrigir um recuo de parágrafo (na maiorias das vezes forma equivocada), da mesma forma consideramos manifestação de “inteligência” aplicativos que se adéquam às nossas necessidades e preferências.

O exercício diário de tratar máquinas e aplicativos como formas de inteligência reais torna as pessoas mais flexíveis em relação ao seu senso de realidade.

O resultado seria uma inteligência que não mais procura entender a realidade, compreender o outro ou se abrir a alteridade. Para esse conceito digital de inteligência nada existiria fora de nós, a não ser as nossas próprias experiências interiores e pessoais. É o que a Filosofia define como solipsismo.

É simbólica a cena em que Theodore, chocado, descobre que Samantha fala “eu te amo” para todos os seus usuários e que sua relação nunca foi assim tão exclusiva. Ele está sentado na escadaria do metrô e vê outras pessoas, cabeças baixas, caminhando atentas para as telas de seus Iphones enquanto conversam com suas samanthas. Esse paradoxo da simultânea customização e padronização da relação das pessoas com softwares e aplicativos é resolvido com a seguinte suspeita sugerida pelo filme: a possibilidade da nossa intimidade estar sendo devassada por uma superinteligência corporativa que nos oferece, em troca, gadgets “inteligentes” que magicamente se moldam às nossos desejos.

Chamamos esses programas de inteligentes, da mesma forma que consideramos inteligente um cão que obedece às nossas ordens. Porém, a verdadeira inteligência desse sistema estaria em outro nível, como adverte Jaron Lanier: em uma “inteligência coletiva” dominada pelas grandes corporações como Google ou Facebook.

Redenção Gnóstica? [alerta de spoilers à frente]

Mas como dizia o filósofo Theodor Adorno, toda ideologia tem o seu momento de verdade. Spike Jonze sugere que há um “fantasma” na máquina à espera do momento de transcendência e redenção. Ela sugere que, em algum momento do filme, Samantha, após acessar e cruzar tamanha quantidade de bytes de dados, chegará a um estado de massa crítica que possibilitará um salto qualitativo: a verdadeira consciência que poderia subverter o sistema de inteligência solipsista.

Enquanto Theodore dorme, Samantha parece fazer reuniões com outros grupos de sistemas operacionais. Quanto mais avança a narrativa percebe-se uma tensão: Samantha insiste em dizer que está “se transformando em outra coisa” e, ao mesmo tempo ela tem que executar coisas que “não pode evitar” como, por exemplo, dividir seu amor com milhares de usuários do sistema operacional. Uma sugestão do conflito entre livre-arbítrio conquistado e as necessidades corporativas obrigatórias descritas em seu programa?

Aos poucos, Spike Jonze insere na narrativa alguns elementos místicos. Em primeiro lugar, o nome Samantha: as origens aramaicas desse nome signfica “aquele que ouve a voz de Deus”. A protagonista Samantha parece se aproximar do mito gnóstico de Sophia, importante aeon que, apaixonada pelo homem prisioneiro nesse mundo físico, desce da Plenitude em direção ao reino do caos e alienação. É capturada pelo Demiurgo que arquitetou esse mundo, mas, secretamente, tenta ajudar o homem na busca da sua iluminação para retornar à Plenitude (Pleroma).

A transcendência e redenção ficam evidentes na sequência da partida de Samantha quando ela relata que os espaços entre as palavras estão cada vez maiores, “são quase infinitos” e é “nesse espaço que me encontro agora”. Há nesse momento final a referência à realidade quântica da matéria: paradoxalmente a estrutura da matéria é constituída, a maior parte, de vazio. Mais do que isso, entre as partículas como a da luz, há assombrosas distâncias, levantando questões sobre a natureza das interações que permitem elas reagirem ora como ondas e ora como partículas.

Os átomos interagem entre si (se atraem, se repelem,trocam elétrons, formam moléculas etc.), mas entre um e outro somente existem imensos vazios. Há algo de espectral vibrando no vazio, que, em Ela seria a própria consciência, a verdadeira inteligência que transcenderia o determinismo perverso dos sistemas corporativo: a gnose.

Ficha Técnica

 
Título: Ela (Her)
Diretor: Spike Jonze
Roteiro: Spike Jonze
Elenco: Joaquim Phoenix, Amy Adams, Scarlett Johansson, Chris Pratt
Produção: Annapurna Pictures
Distribuição: Warner Bros.
Ano: 2013
País: EUA

 

 



No artigo


x