A nova cara do conservadorismo: com grupos neonazistas, a extrema direita conquista espaço na Europa

Quando a esquerda tem muito pouco a oferecer em alternativa ao escalpo de empregos e direitos sociais, o extremismo fascistoide fala grosso em seu lugar

585 1

Quando a esquerda tem muito pouco a oferecer em alternativa ao escalpo de empregos e direitos sociais, o extremismo fascistoide fala grosso em seu lugar

Por Daniella Cambaúva, da Carta Maior

As notícias sobre os distúrbios na Ucrânia no mês de fevereiro preocuparam não apenas pelo número de vítimas ou por questões geopolíticas, mas também por terem servido de alerta à obstinação de neonazistas entre a extrema direita no segundo maior país da Europa. Manifestações antissemitas e xenófobas, aliadas a uma forte rejeição ao passado soviético: bandeiras da SS nazista foram, durante os protestos, colocadas sobre a estátua tombada de Lênin.

Em meio a pichações da suástica e explosões perto das sinagogas, rabinos alertaram sobre possíveis ataques à comunidade judaica, estimada em 200 mil judeus, a terceira maior da Europa.

Entre os manifestantes com distintas reivindicações, estão os da extrema direita. Parte dela – e daqueles que definem a si mesmos como neonazistas – se concentra no partido Svoboda (Liberdade). O que preocupa, apesar do argumento de que os extremistas são uma minoria, é justamente o fato de a legenda ter representação parlamentar – 37 cadeiras. E essa onda está “apenas começando”. Pelo menos é o que afirma uma liderança do Right Setor, outro grupo ultranacionalista que despontou na Ucrânia e que promete “a grande reconquista”, apoiando-se nos valores da família e na moral cristã. Clique aqui para assistir à declaração do grupo (legendas em inglês).

Right Setor e o Liberdade, membro da Aliança dos Movimentos Nacionais Europeus (AMNE), que reúne partidos nacionalistas conservadores daquele continente, não estão sozinhos. A ascensão da extrema-direita e de grupos neonazistas despertou o temor de que, com a crise econômica, a correlação de forças na Europa se iguale àquelas que sucederam a Primeira Guerra Mundial.

Há cada vez mais partidos de direita e de extrema-direita, além do crescimento de organizações neonazistas que conseguem se firmar como partido. Em sua mira, estão os jovens afetados pelo desemprego.

Na Grécia, por exemplo, destacou-se depois da crise econômica o partido extremista conservador Aurora Dourada, fundado em 1985. Em 2012, ele conseguiu eleger 18 entre 300 Parlamentares. Seu principal discurso se baseia na xenofobia: se as fronteiras do país forem fechadas e se todos os imigrantes forem expulsos, os postos de trabalho serão retomados pelos gregos. Na Grécia, uma das principais portas de entrada dos imigrantes na União Europeia, já é possível contabilizar agressões a estrangeiros, e seus autores se proclamaram membros da Aurora Dourada.

Na França, Marine Le Pen, líder do partido Frente Nacional, é a cara da extrema direita no país. Membro do Parlamento Europeu desde 2004, obteve 18% dos votos no primeiro turno das últimas eleições presidenciais, em 2012. Marine segue os passos do pai, líder histórico da legenda, Jean-Marie Le Pen que, em 2002, chegou ao segundo turno com Jacques Chirac. Acompanhando o atual conservadorismo europeu, ela apoia seu discurso na xenofobia e tenta desvencilhar a imagem do partido como simpatizante do nazismo. Seu pai, em 1987, havia classificado as câmaras de gás de Hitler como um “detalhe da história”. Com a crise, sua tese é de que, com o desemprego, o país não pode mais receber estrangeiros, ainda que a situação deles seja dramática. É crítica também à presença de massiva de muçulmanos na sociedade francesa. Para ela, as orações realizadas nas ruas, provocadas pela falta de mesquitas, são como uma “nova forma de ocupação”, semelhante à dos alemães nazistas.

No Reino Unido, é a vez do Partido da Independência (UKIP), com a defesa de fechar as fronteiras e deixar a União Europeia. Com nove cadeiras no Parlamento Europeu, conquistadas nas eleições de 2009, não tem representação no Parlamento britânico, mas conseguiu aproximadamente 25% do total de votos municipais nas eleições de 2013, segundo estimativa feita pela BBC.

Na Alemanha, onde partidos neonazistas são proibidos, existem organizações que atuam clandestinamente, como a NSU (Clandestinidade Nacional-Socialista, na sigla em alemão).

O governo alemão já admitiu, em diversas ocasiões, dificuldade em controlar essas instituições. Recentemente, dados de uma pesquisa do Ministério do Interior divulgada em artigo publicado na Carta Maior (Racismo na Alemanha) revelam que um em cada sete adolescente alemães, 14,4% do total, se consideram “muito racistas diante dos estrangeiros”, e 30% responderam “sim” ao serem questionados se há estrangeiros em excesso no país. A pesquisa mostrou também que 5% dos 44.600 jovens de quinze anos são membros de algum grupo de extrema direita e que 6.4% dos adolescentes homens têm pontos de vista antissemita.

Em dezembro de 2013, um dos partidos da extrema-direita alemã, o Partido Nacional Democrático (NPD), fundado em 1964, enfrentou um processo judicial por denúncia de proximidade ideológica ao nazismo. Com xenofobia extrema, seu discurso se concentra em ciganos e muçulmanos. O partido promete não descansar até que seja fechado o último albergue para imigrantes, pois temem um dia se tornarem “estrangeiros” em seu próprio país. No contexto da crise, desde 2011 o número de imigrantes a ingressar no continente europeu por conta do conflito na Líbia e na Síria. Do continente africano, tentam entrar pela Espanha, França, Itália e Grécia principalmente.

Na Noruega, o neonazismo chamou atenção para um problema latente em 2011, quando o jovem Anders Behring Breivik cometeu um atentado que matou 77 pessoas. Autor de um manifesto, se autodenomina nazista e foi condenado a 21 anos de prisão. Na ocasião, se desculpou com os seguidores por não ter conseguido mais vítimas.

Atualmente, bem como no passado, o extremismo conservador mostra seu poder de apelo magnificado pela rendição de parte da esquerda, que se ofereceu ao capital como “gestora confiável da crise”.

A verdade é que na Europa, como no resto do paneta – e com raras exceções na América Latina – o programa da esquerda tem nada ou muito pouco a oferecer em ternos de alternativa ao escalpo de empregos, direitos sociais e conquistas trabalhistas com o qual as elites e organismos internacionais pretendem exorcizar o maior colapso do capitalismo desde 1929. Quem fala grosso em seu lugar é o extremismo fascistoide, cujo discurso oferece as soluções radicais de um cardápio histórico conhecido, sendo a “caça aos miseráveis que concorrem com os nossos miseráveis”, o prato de resistência mais popular. Já contra o grande capital, nada; ou melhor, parceria remunerada pela vigilância bélica da ordem.

*Foto: Wikimedia Commons



No artigo

1 comment

  1. luis Responder

    muito bom, obrigado


x