Portugal condena a homofobia na União Interparlamentar

Deputada do Partido Socialista português discursou contra a perseguição de governos à população LGBT e condenou religiosos que manipulam os fiéis para propagarem o ódio

361 1

Deputada do Partido Socialista português discursou contra a perseguição de governos à população LGBT e condenou religiosos que manipulam os fiéis para propagarem o ódio

Por Redação

Reunidos em Genebra para mais um encontro da União Interparlamentar (UIP), órgão internacional que visa debater a questão dos direitos humanos e a resolução de conflitos por meio da diplomacia, a deputada Rosa Albernaz, do Partido Socialista de Portugal, discursou contra a perseguição de governos e grupos contra a população LGBT.

“Sugerir que alguém seja sujeito à pena de morte ou prisão perpétua em função da sua orientação sexual, procurar ou forçar as famílias a denunciar os seus membros e promover a perseguição de quem é diferente (…) são comportamentos criminosos e inadmissíveis numa sociedade justa e inclusiva”, protestou a socialista Rosa Albernaz, que é também vice-presidente da comissão dos Direitos Humanos da UIP.

Albernaz também disse que “é inadmissível punir alguém pelo livre exercício da sua personalidade, pela livre expressão da sua natureza e pelo direito de procurar a sua felicidade”. A socialista criticou os parlamentares que utilizam argumentos religiosos para condenar a homossexualidade e “que mobilizam os seus fiéis para pregar o ódio”.

A União Interparlamentar (UIP) tem base em Genebra e se reúne duas vezes por ano. Além de tratar dos direitos humanos, outra pauta fundamental da UIP é a democracia participativa. Este ano ela celebra o seu 125º aniversário e também teve a língua portuguesa como escolhida para os trabalhos.



No artigo


x