“O ser humano já não se comunica diretamente com humanos”

No seminário “Cultura e Tecnologia”, professores argumentam que o espaço na rede proporciona novas democracias, mas também novas fórmulas de controle e interações sociais e comerciais

735 3

No seminário “Cultura e Tecnologia”, professores argumentam que o espaço na rede proporciona novas democracias, mas também novas fórmulas de controle e interações sociais e comerciais

Por Marcelo Hailer

Na tarde desta segunda-feira (24) foi realizada a primeira mesa do seminário “Cultura e Tecnologia”, que acontece durante todo o dia de hoje na Biblioteca Municipal Mário de Andrade, em São Paulo.  O debate de abertura, “Tecnologia e Sociedades do Controle”, contou com a participação dos professores Peter Pal Pelbart (PUC-SP), Henrique Parra (Unifesp) e Claudio Penteado (UFABC).

Penteado tratou da “tecnologia e subjetividades da ideologia” e, como referência da construção de subjetividades no cinema,  utilizou o cinema nazista com a obra Triunfo da Vontade, “a qual muitos consideram como o início da propaganda política”. Na outra ponta,lembrou do cinema soviético com o filme O Encouraçado Potemkin, que, segundo Penteado, é considerado “a base da cultura soviética”, e citou ainda o cinema de Hollywood como base de comparação. “O cinema norte-americano pode ser entendido como o primeiro esforço de guerra como propagação da ideologia política dos Estados Unidos. Alguns filmes são utilizados como desculpa pelo país entrar na guerra e ‘salvar a democracia’”, analisou o professor.

Sobre a rede, Penteado colocou que a “internet é o ambiente do controle, mas também um ambiente de subjetividades, e é justamente na produção das subjetividades que se dá o controle”, chamando a atenção para o Facebook, que funciona a partir da “modulação da sociabilidade”. “A nossa locomoção dentro de um site é modulada, criam-se protocolos de navegação. Se você escreve algo na timeline, a regra diz que é legal você ‘curtir’”, aponta. “A sua liberdade no Facebook é modulada por aplicativos.”

Posteriormente, quem falou foi Henrique Parra (Unifesp), que baseou sua intervenção nas “Tecnologias de controle democrático Vs tecnologias de controle autoritário”. Em sua fala, abordou as questões contraditórias da rede e questionou “quais são as condições de liberdade que a gente constitui a partir do controle”.

Henrique Parra argumenta que, ao mesmo tempo que as tecnologias atuais incorporam regimes de poder que potencializam as liberdades, observa-se o fortalecimento de “estados de vigilância planetária”. A partir disso, emergem os controles autoritários (estatal e comercial) e também o democrático, realizado a partir dos usuários com os seus perfis. “Esta tecnologia não é neutra. Na internet convivem práticas de radicalização democrática, e outras práticas que visam a vigilância e controle. No Brasil vivemos a regulamentação da internet, que, a depender dos resultados pode tanto aumentar a liberdade como mudar o cenário”, finalizou.

Quem encerrou a mesa foi Peter Palbert (PUC-SP), que iniciou a fala revelando que não tem celular nem perfil nas redes sociais. A partir disso que considera uma “ironia”, disse que, apesar de não ter tais ferramentas, vive entre pessoas que as possuem. O professor resolveu então fazer um paralelo com Deleuze e Guattari, que estabelecem dois conceitos em torno do sujeito moderno: servidão maquínica e sujeição social. “Servidão é quando os homens são peças constituintes de uma máquina maior. Em contraposição, há a sujeição, quando essa unidade superior constitui o homem como um sujeito, não apenas uma peça, uma máquina”, explica Palbert.

Posteriormente, Peter explica que hoje vivemos a reedição do regime de servidão. “Vivemos a servidão maquínica no meio cibernético. A sujeição distribui papeis e locais na sociedade: trabalho, nacionalidade e sexo. Somos todos apanhados numa armadilha significativa”, teorizou, sobre a vida na rede social e a respeito da servidão contemporânea que se dá com os celulares e redes sociais. “O ser humano já não se comunica diretamente com humanos, mas com máquinas, montagem maquínica”, explicou o professor, sobre as relações atuais. “O indivíduo é feito em pedaços: inteligência, força física, memoria… já não é mais unificado, não há mais sujeito individuado. São componentes que não encontram uma síntese numa pessoa, mas sim num agenciamento maior. A vida em pedaços”, finalizou Peter Pelbart.

Os debates vão até as 21h. Confira as próximas mesas aqui.



No artigo

3 comments

  1. Denis Responder

    Professor Peter, se o sr. estiver fazendo alusão ao senso comum da subutilização do celular sob o olhar apenas efêmero, fútil. concordo, porém existem várias facetas multidisciplinares que, não foram exploradas na sua palestra (ou a parte que acessei). Talvez por não fazer uso comum, isso o tenha dirigido. Penso que sua contribuição poderia ser maior, se o contrário fosse.

  2. Artur Responder

    As tecnologias trouxeram muitas coisas boas mas trouxeram muitas coisas ruim também com a artificialidade das relações humanas atuais!! a internet é o meio de comunicação ao meu ver mais democrático porém distanciam as pessoas junto com os celulares!!
    Diminuem os contatos humanos entre os mesmo!! isso é contra a nossa natureza humana e é o que os poderosos querem!!!

  3. Elias Responder

    Haverá a fala de Pelbart disponibilizada na web? Sempre instigante!


x