Organizadora de protesto recebe ameaças de estupro

Depois de campanha virtual contra resultado de pesquisa do Ipea ir ao ar, jornalista é atacada no Facebook com mensagens machistas e agressivas Por Carlos Mercuri...

1439 23

Depois de campanha virtual contra resultado de pesquisa do Ipea ir ao ar, jornalista é atacada no Facebook com mensagens machistas e agressivas

Por Carlos Mercuri

A jornalista e escritora Nana Queiroz, de 28 anos, organizadora da campanha “Eu não mereço ser estuprada”, recebeu ameaças e ofensas pelo Facebook após o protesto virtual ir para o ar. A campanha, que começou na noite desta sexta-feira (28), é um protesto contra os resultados de pesquisa divulgada quinta-feira (27) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Campanha de protesto foi iniciada nessa sexta-feira (28) após resultado de pesquisa do Ipea
Campanha de protesto foi iniciada nessa sexta-feira (28) após resultado de pesquisa do Ipea

Conforme o estudo, 65,1% da população concorda total ou parcialmente que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas” e 58,5% concordam total ou parcialmente que, “se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros”.

Na campanha – um protesto virtual contra o machismo -, mulheres se fotografaram sem blusa e com cartazes com a frase “Eu não mereço ser estuprada” ou “Eu também não mereço ser estuprada” à frente do peito.  Nana disse que, ao ver o resultado do levantamento, ficou com vontade de sair nua na rua gritando a frase.

A jornalista disse neste sábado ao Portal Fórum que vai denunciar os autores das postagens à Delegacia da Mulher em Brasília. “Estamos reunindo prints das mensagens para levar à delegacia e vou registrar também um boletim de ocorrência por ameaça de estupro”, adiantou Nana.

Ela contou que há postagens dizendo que ela merece “um negão de 50 centímetros”; em outra colocaram foto de uma pia cheia de louça suja “para ela lavar” e ela soube também de montagens com fotos dela em sites pornográficos.

Outras mensagens diziam que a estuprariam se a encontrassem na rua e outra convoca para um estupro coletivo.

“Mas também tenho recebido muito apoio. A cada postagem machista e agressiva, recebo outras dez me apoiando, inclusive de minha família”, disse Nana. “Creio que essa campanha acabou servindo como uma armadilha para os machistas, uma vez que vamos levar à polícia essas mensagens”, afirmou a jornalista.

Nana adiantou que, além do protesto virtual, ela e outras mulheres criaram um grupo de discussão e pretendem apresentar alguma proposta para ser levada ao Congresso Nacional. “Não sei ainda o que podemos propor, mas vamos ver o que é possível fazer para punir mais severamente atitudes machistas”, acrescentou.

eu-nao-mereco-ser-estuprada-facebookAlém da página no Facebook, os organizadores também criaram um site para a postagem das fotos

A jornalista postou no Blog do Sakamoto um texto com imagem de um dos agressores, que postou uma foto com um cartaz com os dizeres “#Eu já estuprei e estupro de novo”. Leia a íntegra do texto de Nana:

“Verdadeiras e falsas coragens, por Nana Queiroz

Acordei de uma noite mal dormida e perturbada. Adormeci ao som das notificações de meu Facebook e acordei com elas. Desde que começou o protesto online “Eu Não Mereço Ser Estuprada”, nesta sexta, às 20h, recebi incontáveis ofensas. Homens me escreveram dizendo que me estuprariam se me encontrassem na rua, outros, que eu “preciso mesmo é de um negão de 50 cm” ou “uma bela louça para lavar”. Se ainda duvidava um pouco da verdade por trás da pesquisa do Ipea, segundo a qual 65% dos brasileiros acreditam que mulheres que mostram o corpo merecem ser atacadas, hoje acredito nela totalmente. Senti na pele a fúria revelada pela pesquisa.

Em algum momento hoje, depois que conseguir descansar um pouco, vou à Delegacia da Mulher denunciar as ameaças. Pior: vou delatar um sujeito, Cirilo Pinto, que não só confessou publicamente já ter cometido um estupro, mas afirmou que o faria novamente. Está aí o print screen [foto no alto] da página dele, para quem duvidar. Espero que ele seja, ao menos, detido por incitar o estupro

Centenas de perfis falsos foram criados e nosso evento bombardeado com frases machistas, pesquisas preconceituosas e montagens com fotos do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) com dizeres ofensivos. Uma imagem dele ilustrou até um evento criado para promover um estupro coletivo. Caro deputado, pense: o senhor se tornou o ídolo de pessoas que defendem o estupro. Não será a hora de pôr a mão na consciência ou no coração?

Por outro lado, estou emocionada com o tamanho que a manifestação ganhou, não só pelo número de adesões, mas pela qualidade das postagens. Um resultado inesperado me comoveu ainda mais: Dezenas e dezenas de homens e mulheres contaram publicamente, muitos pela primeira vez, seus casos de estupro. Quanta coragem!

Alguns me escreveram privadamente para desabafar. Outros publicaram para milhares. Daiara Figueroa, creio eu, fez um dos relatos mais tocantes, contando como superou o trauma do abuso. Em sua foto, vestiu com orgulho um cocar, em homenagem a seu povo indígena.

Quero falar aqui, principalmente, a essas pessoas: vamos exorcizar isso juntos. Vocês nos inspiram, nos movem e comovem. Que o mundo tenha mais pessoas com a coragem legítima de Daiara e menos com a falsa coragem de Cirilo.”



No artigo

23 comments

  1. Isis Responder

    Atitudes como estas, são reforçadas e incentivadas pelas próprias pessoas que estão nas instituições que deveriam combater a violência contra as mulheres, seja ela física, moral ou psicológica. Este é o problema! Nada que seja relacionado à ameaças contra a proteção e efetivação dos direitos das mulheres é encarado seriamente como um problema. No último dia 13 de fevereiro, um investigador que trabalhava na Delegacia da Mulher do Amazonas, postou declarações que desqualificam e desmoralizam o governo brasileiro que reconhece a violência doméstica como crime. Foi afastado do cargo, no mesmo dia a pós denúncia do CEDIM. Mas como ele, no Brasil inteiro, não só no baixo escalão, mas nos altos escalões das secretarias de governo e Tribunais de Justiça, pessoas continuam a manifestar, verbalmente ou através de suas “interpretações” da lei, seu ódio contra as mulheres e contra suas conquistas e/ou reivindicações e consideram que o problema não é a violência (de qualquer tipo) contra as mulheres, a violência é naturalizada e só acontece porque de alguma forma as mulheres provocam. Tratam as próprias mulheres (que acusam de querer “subverter a ordem das coisas”), como o grande problema. Enquanto aqueles/as que devem defender as leis e aplicá-las, continuarem dando exemplos de julgamentos seletivos e misóginos, não forem punidos/as por suas atitudes, os 65% da população idiotizada, serão incetivados e continuarão a acreditar na impunidade, como este representante das estatísticas, que, não se preocupou em postar uma confissão de estupro e ameaças de estupro a uma mulher que exercia seu direito de se manifestar contra essa aberração dos 65% de pessoas que estão dando seu aval aos estupradores.

  2. Glorinha Silva Responder

    Nana Queiroz, seja firme nessa luta, não podemos permitir que o machismo teocrático domine em nosso país. Conte com o meu apoio.

  3. Glorinha Silva Responder

    O grupo MULHERES X RELIGIÃO oferece apoio.

    https://www.facebook.com/groups/334278296602977/

  4. josi Responder

    ainda bem q temos mulheres de atitude.pra mostrar aos ignorantes q temos de ser respeitadas.valorizadas.pois somos mulheres.sorte colega.

  5. Vivalde de Paula Responder

    Nana, vejo um ataque de vermes, canalhas sujos, bandidos inúteis, covardes. Vá em frente. As autoridades deste pobre país, acabado, tem que se manifestar. Se ainda existem.

  6. ane Responder

    você é uma vencedora!!!DEUS te proteja e a ajude a defender as mulheres brasileiras,estarei com vc em orações.Parabéns pela coragem!!!

  7. Fernanda Luz Responder

    Obrigada, Nana! As ofensas existem, no Brasil e no mundo! Sofro com comentários e exposições desnecessárias onde vivo e é horrível! Estamos a caminho de mudanças e vamos enfrentar muitas idiotices ainda, mas num futuro ganharemos respeito e entendimento sobre a luta feminista!!

  8. reginaldo Responder

    nao concordo com esses 65%, porque cada um tem que ter seu livre arbítrio…

  9. Maria Responder

    Outro resultado revoltante dessa pequisa do IPEA sobre a tolerância social a violencia contra as mulheres foi de que 58% dos entrevistados acham que “se as mulheres soubessem se comportar haveria menos estupros”., no entanto segundo outra pesquisa do próprio IPEA baseada nos dados do ministério da saúde 70% das vitimas de estupros são crianças e adolescentes então mais da metade dos brasileiros acham que o mal comportamento das nossas crianças e adolescentes provocam é que provocam o estrupo isso é chocante demais.

    1. Francielle Responder

      é triste e deprimente viver em uma sociedade tão ignorante, tão cheia de pré conceitos, que banaliza a mulher que nos tira o direito de se expressar, vestir ou agir da forma que bem entender, a onde esta o discurso de liberdade igualdade e fraternidade? onde esta a moral e etica que deveria regir um pais

  10. mary Responder

    Sabe, estou sentindo um medo danado dos absurdos dos últimos comentários… “marcha de idiotas que defendem a ausência de direitos, abusos e violências como solução para combater a violência”! Declarações de abuso contra as mulheres, culpabilização dela pelo crime perpétuo de machismo desta sociedade contra a mulher…
    Fico pensando o que se esconde por baixo de tantos ideais facistas? Quem está se beneficiando com essa “merda toda jogada no ventilador”?
    Fico lembrando que no ano passado coisas semelhantes aconteciam no Egito e um golpe militar tomou de conta do país e, agora, recentemente mais de quatrocentas pessoas foram condenadas a pena de morte.
    Será mesmo que pessoas treinadas para matar e esconder seus crimes, as marcas ou mesmo os corpos de suas vítimas; estão dispostos a proteger alguém?…
    A miséria, a corrupção vai está sempre presente dentro daqueles que fazem de tudo para alcançar o poder… não existem mocinho…. todos são passíveis de falhas, porém, existem aqueles que aproveitam-se da boa fé dos outros e se lançam em discurso maniqueístas para confundir os outros e deturparem a realidade de seus atos…

  11. sonia Responder

    Pena de castração para os homens que praticam o estupro.

    1. jaspion Responder

      já pensou se uma mulher te acusa falsamente de ter estuprado ela? já imaginou você sendo castrado inocentemente?

      http://noticias.r7.com/cidades/homem-preso-injustamente-luta-por-indenizacao-apos-contrair-hiv-em-estupro-no-presidio-10012014

  12. moises Responder

    O estrupo tem que ser punido com a pena de castrmento por injessao ou a morte. Dilma as mulheres nao precisa de lei maria da penha, precisa de açao mais severas.

  13. Eduardo Gonçalves Responder

    Acho que o caso dos sujeitos que enviaram as mensagens não é nem de machismo… é de banditismo, e de pré-demência, mesmo! O machista é o cara que, ideologicamente, atribui à mulher uma posição inferior ao homem, dentro da sociedade. Mas não necessariamente defende a violência explícita, quase a “eliminação física” da mulher, como esses bastardos aí. Esse ódio não é normal: é fruto de mentes doentias. Só que, por um motivo ou outro, isso está se alastrando. Há que se identificar a causa, e combater. A estratégia do protesto, aqui referida, está boa, mas é preciso fazer mais…

  14. Elaine Responder

    Nana, te parabenizo pelo gesto de coragem! Pessoas que pensam pequeno, como estes que te ameaçaram são dignos de pena! Sem qualquer tipo de evolução moral e que sofrerão um bocado ainda pra alcançá-la. Queria saber o que sentiriam se tivessem uma mãe, irmã ou outra parente estupradas. Ou se os mesmos tivesse passado por isso na infância. Mais uma vez parabéns!

  15. Isa Responder

    Homem que estupra não tem potencial para convencer uma mulher a transar com ele, portanto merece o rótulo de “FRANCO, BUNDÃO”

  16. Rossi Responder

    Pelo que me consta, presidiários têm uma norma efetiva contra esta abominação. Não perdoam estupradores.

  17. fabio Responder

    Sou homem de verdade que acredita que devemos respeitar e proteger as mulheres. Para mim quem ataca mulheres crianças e idosos merece morrer. Apoio 100% a causa de vocês. #contraoestupro #protecaoasmulheres

  18. Mendes Responder

    Lamentável, mais uma barbárie que esta pesquisa e resultado, os estupradores não escolhem a quem atacar ou que roupa a vitima vesti, devem sim ser punidos com maior rigor, mas não com uma lei fraca que temos em nosso Pais.

  19. reinivaldosena Responder

    Bom dia a todas voçês mulheres estou indiguinado com, esta pesquiza mulher tem que ser extrupada afinal mereçe, respeito carinho e amor e muito mas respeito, lutem pelos seus direitos contem comigo um abraço fiquem com deus Rei Salvador bahia

  20. carol Responder

    vao orrar, e deixar de besteira que é melhor pra vcs!

  21. Raul Responder

    Olha ao inves de matar esse cara tira a virilidade dele. Ai eu quero ver ele fazer alguma coisa. Se não funcionar num vai ter mais como ele fazer algo tenebroso vai ficar só na vontade.


x