Para se defender de encoxadores, coletivo distribui alfinetes

Movimento Mulheres em Luta de São Paulo lança a campanha: “Não me encoxa que eu não te furo!”

1392 11

Movimento Mulheres em Luta de São Paulo lança a campanha: “Não me encoxa que eu não te furo!”

Por Isadora Otoni

Armas de choque e spray de pimenta foram dispensados (Reprodução/Facebook)
Armas de choque e spray de pimenta foram dispensados (Reprodução/Facebook. Foto de capa: Usuários do Metrô/Facebook)

Em 2014, 26 casos de abusos no transporte público de São Paulo já foram denunciados. Mas, por causa da pouca quantidade de denúncias contra os “encoxadores”, esse número pode ser muito maior. Já que o Poder Público pouco se manifesta sobre o assédio às mulheres, coletivos feministas estão dando seu próprio jeito.

Desta vez, o Movimento Mulheres em Luta de São Paulo propôs um meio alternativo de autodefesa. Não se trata de armas de choque e nem de spray de pimenta: a arma da vez é um alfinete. O coletivo distribuiu por pontos de transporte público alfinetes, lançando a campanha “Não me encoxa que eu não te furo!”.

“O primeiro responsável por essa situação é o governo do Estado que não dá condições dignas de transporte para a população. Em segundo lugar, é necessária também, a educação e coação no próprio transporte público”, manifestou uma integrante do grupo. “Ausentes todas essas medidas, em meio ao caos e situação de barbárie, nossa obrigação é assegurar o direito de autodefesa das mulheres.”

Campanhas

A ONG Minha Sampa também iniciou uma mobilização contra o assédio sexual. No site “Abusadores não passarão!”, os internautas podem enviar um e-mail para o presidente do Metrô, Luiz Antonio Carvalho Pacheco, pedindo uma campanha contra o assédio. A mensagem é feita de forma automática, bastando preencher três campos de um formulário. O telefone do gabinete do presidente também é informado no endereço virtual.

Nesta quinta-feira (3), Natália Lausch contou via Facebook que uma campanha federal será iniciada. Segundo ela, a jornalista Nana Queiroz, da mobilização online #EuNãoMereçoSerEstuprada, recebeu um telefonema da secretária de Políticas para Mulheres, a ministra Eleonora Menicucci, prometendo uma campanha educativa contra o assédio.

As mobilizações se devem à grande repercussão que uma pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) teve na semana passada. Segundo o estudo, 65% dos brasileiros acreditam que “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”.

Já um comercial veiculado na rádio Transamérica no dia 25 de março, reforçou a ideia de que o transporte público é um lugar propício ao assédio. Em meio a elogios ao governo do estado de São Paulo, o locutor anunciou: “Trem lotado é bom pra chavecar a mulherada”.



No artigo

11 comments

  1. cristian Responder

    Isso e um absurdo, será que esqueceram da AIDS, se um pessoa tiver essa doença e uma pessoa for espetada pelo mesmo alfinete corre o risco de ser infectada.. Até mesmo pessoas que não enconcham ninguém podem ser infectadas

    1. marcela Responder

      foda-se cara. tem mais é que morrer tudo mesmo! eu mesma vou enfiar pra machucar mesmo, arrancar sangue .

    2. Wagner Responder

      Como assim “pessoas que não enconcham ninguém podem ser infectadas”? Tu entendeu que a campanha eh contra pessoas que encocham?

      Mas sim, existe esse risco de transmissão de doenças. Mas ainda acho menos chance dum homem pegar uma doença assim, do que uma mulher ser assediada.

  2. Savana Responder

    Só fico pensando: Ministra, tem tanta gente se mobilizando todo o tempo, há tanto! e agora a satisfação é pra Nana Queiroz?

  3. Carolina Responder

    NÓS FEMINISTAS NÃO RECONHECEMOS ESSA AÇÃO E ELA NÃO NOS REPRESENTA, POIS SOMOS À FAVOR DOS DIREITOS HUMANOS, DE CAMPANHAS EDUCATIVAS, INTERVENÇÕES CORRETIVAS POR PARTE DA LEI E DA CRIMINALIZAÇÃO DO ABUSO E DO ASSEDIO NOS COLETIVOS. JAMAIS SOMOS À FAVOR DA JUSTIÇA COM AS PROPRIAS MÃOS.

  4. Karen Responder

    Lamentável ! È por isso que o Brasil não vai para frente!
    Em vez de lançar a campanha “Não me encoxa que eu não te furo!”.O certo seria,”Me encoxa ,que você será preso,punido!”
    Pois a justiça,está em nosso meio,para ser cumprida!
    Falta um Governo mais rígido! Além disso,esses ‘abusadores’,devem ter pelo menos,o mínimo de vergonha na cara,e total consciencia de seus atos!

  5. rosa nete lima bonfim Responder

    Gostei bastante,detesto quando volto da faculdade que alguns engraçadinhos encostam na gente,vou comprar um monte de alfinetes e destribuir para minhas colegas.

  6. bosco Responder

    Tem toda razão..O certo seria,”Me encoxa ,que você será preso,punido de acordo com a lei!”.pode parecer engraçado…mas é um péssimo paliativo…uma mini justiça feita com seu próprio alfinete, o mesmo que com suas próprias mãos…isso, equivale roubar um alfinete ou roubar um anel de ouro, as duas ações são de qualquer forma, um roubo. do ponto de vista moral e da justiça. Fazer justiça com um alfinete equivale à qualquer outra punição feita fora das barras da lei, é não agir conforme dita a lei. é fazer justiças com as próprias mãos! Então para que nos serve a lei…?

  7. Darci Vieira Paraizo Responder

    Aonde o Poder Público falha, o povo tem que se defender sozinho!!!!

  8. Bruno SAP Responder

    Isso não existe. Não é todo mundo que encosta em outra pessoa, que quer encoxa-la.
    Imagino eu, cidadão de bem, ao passar por um trem lotado e esbarrar num alfinete destes. Ou mesmo a mulher achar que estou com qualquer intenção maliciosa, e me dar uma alfineta me pré-julgando.
    Lesão corporal é crime. E incentivar o crime é crime também.
    Linchamento, também é crime. E isso tambem é inchamento.


x