Documentário resgata política, futebol e rock’n’roll na ditadura

'Democracia em Branco e Preto', de Pedro Asbeg, conta como o esporte nacional e a música participaram da redemocratização do Brasil

329 0

Filme extrapola as arquibancadas e mostra um fragmento do ambiente de decadência da ditadura

Por Xandra Stefanel, em Rede Brasil Atual

“Pra todos aqueles que lutaram desde 1964, que morreram, que sumiram, que foram torturados, presos e exilados, a Democracia Corintiana bateu o pênalti”, afirma o ex-jogador e hoje comentarista Walter Casagrande no documentário Democracia em Branco e Preto, que será exibido na edição de 2014 da mostra competitiva do Festival É Tudo Verdade nos dias 5 e 6 de abril, no Rio de Janeiro, e 10 e 11, em São Paulo.

O longa-metragem dirigido por Pedro Asbeg numa co-produção entre a ESPN Brasil, a TV Zero e a Miração Filmes, chega às telas exatamente na época em que o Brasil relembra os 50 anos do golpe de 1964 e os 30 anos da campanha das Diretas Já, em 1984.

Por meio de entrevistas atuais e imagens de arquivo, o filme resgata a importância do movimento liderado por Sócrates, Casagrande, Vladimir e Zenon em um dos maiores e mais populares times do país, o Corinthians. Há 18 anos vivendo sob regime militar, Sócrates percebeu que poderia tentar fazer dentro do time o que a sociedade era proibida de fazer nas ruas: exercer a liberdade individual e democratizar o processo de tomada de decisões.

Assim nasceu a Democracia Corintiana, sistema, apoiado pelo então presidente Waldemar Pires, em que todos, dos dirigentes aos funcionários, passando pelos atletas, podiam opinar e até votar em torno de grandes decisões do time, desde horário do treino a novas contratações. Passaram a exercer dentro do time direito que lhes era negado como cidadãos. O movimento acabou incomodando os dirigentes de outras equipes (que ficaram temerosos que a “moda” pegasse) e especialmente os militares, que tentavam se manter no poder, apesar do crescente clamor popular por liberdade e democracia.

Na música, a MPB continuava usando metáforas e “frestas” para criticar o modelo vigente e resistir à censura, mas começaram a pipocar bandas de jovens que usavam o rock’n’roll como uma forma de questionar o status quo. Legião Urbana, Barão Vermelho, Titãs, Ultraje a Rigor e Blitz cantavam, cada um no seu estilo, as mudanças que queriam ver no país.

Não por acaso, jogadores do Corinthians e alguns desses músicos dividiram espaço com políticos nos palanques na campanha pelas Diretas Já. Democracia em Preto e Branco não é, portanto, um filme apenas para corintianos: é uma visão do efervescente ambiente de derrocada da ditadura, com espírito esportivo.

Além dos protagonistas do movimento, como Sócrates (em uma das últimas entrevistas que concedeu) e Casagrande, o documentário tem depoimentos de Lula, Fernando Henrique Cardoso, Marcelo Rubens Paiva, Marcelo Tas, Edgar Scandurra, Frejat, Serginho Groisman, Paulo Miklos, entre outros.

Assista ao trailer do filme:

Democracia em Preto e Branco
Direção: Pedro Asbeg
Produção executiva: Gustavo Gama Rodrigues e Rodrigo Letier
Locução: Rita Lee
Edição: Renato Martins
Direção de fotografia: Rodrigo Graciosa
Som direto: Rene Brasil
Pesquisa: Marcio Selem
Videografismo: Renato Vilarouca e Rico Vilarouca
Identidade visual: Tiago Peregrino
Trilha sonora original: Lucas Marcier e Fabiano Krieger
Edição de som e mixagem: Damião Lopes
Correção de cor: Daniel Canela
Pós-produção: Anna Julia Werneck
Duração: 1h22

Exibição no É Tudo Verdade
– Rio de Janeiro
Quando: Sábado (5 de abril), às 21h / Domingo (6), às 15h
Onde: Espaço Itaú de Cinema Botafogo – Praia de Botafogo, 316
Quanto: R$ 12,50 e R$ 25

– São Paulo
Quando: Quinta-feira (10 de abril) às 21h / Sexta (11) às 15h
Onde: Cine Livraria Cultura – Conj. Nacional, Avenida Paulista, 2073
Quanto: de R$ 9 a R$ 24

Confira a programação completa do festival É Tudo Verdade.



No artigo

x