Greve de mais de 30 mil trabalhadores que produzem para a Nike e Adidas

A fábrica situada em Taiwan, que produz calçado desportivo para marcas internacionais, como a Nike, Adidas e Puma, estão em greve desde segunda-feira para contestar as atuais condições de trabalho Por Esquerda.net...

801 1

A fábrica situada em Taiwan, que produz calçado desportivo para marcas internacionais, como a Nike, Adidas e Puma, estão em greve desde segunda-feira para contestar as atuais condições de trabalho

Por Esquerda.net

Os trabalhadores da fábrica taiwanesa Yue Yuen na cidade de Dongguan, uma das maiores instalações de produção de calçado do mundo, recusaram voltar ao trabalho esta segunda feira (14), em protesto contra as condições salariais, descumprimentos contratuais e a ausência do pagamento das devidas contribuições sociais.

A administração da empresa, que tinha prometido avançar com uma solução para o conflito que se iniciou em 5 de abril, quando centenas de trabalhadores bloquearam uma ponte local, anunciou na segunda-feira que só ponderaria assinar novos contratos com todos os seus funcionários a partir de 1 de maio e recusou-se a pagar as contribuições para a segurança social e os pagamentos do fundo de habitação em atraso.

Segundo a organização não-governamental (ONG) China Labor Watch, o protesto está sendo vigiado por um forte dispositivo policial, munido de equipamento antimotins e acompanhado de cães de patrulha, que se encontra disposto em redor da  fábrica.

Durante uma marcha pacífica, que teve lugar na segunda-feira, os trabalhadores foram alvo de agressões por parte das forças policiais e registaram-se algumas detenções, segundo a ONG.

As reivindicações apresentadas pelos trabalhadores de Yue Yuan “refletem problemas enfrentados pela maioria dos trabalhadores na indústria manufatureira da China, e a resolução desta disputa vai tornar-se num importante precedente”, frisa a China Labor Watch.

A Yue Yuen Industrial Holdings Lda, com fábricas nos EUA, México, Vietnã, China e Indonésia, trabalha para marcas como Nike, Adidas, Puma, Timberland, Asics, Converse e New Balance, tendo contabilizado, em 2003, receitas de 7,58 bilhões de dólares e um lucro de 434,8 milhões, segundo a Reuters.



No artigo

1 comment

  1. Manoel Henrique Responder

    A lógica do capital baseia-se na mais-valia, nos lucros exacerbados de multinacionais que se espalham pelo mundo subdesenvolvido e que apoiam-se nos governos neoliberais, que oprimem o trabalhador local e estimam aberturas de postos de trabalho quase escravos.


x