Com Aécio Neves, cerimônia da Inconfidência se tornou evento fechado para evitar manifestações

Estudantes e moradores de Ouro Preto questionam o fato de a entrega da maior comenda do estado ter se tornado restrita a apenas alguns convidados

993 7

Estudantes e moradores de Ouro Preto questionam o fato de a entrega da maior comenda do estado ter se tornado restrita a apenas alguns convidados

Por Redação

Na última segunda-feira (21), durante a tradicional homenagem a Tiradentes e a entrega das medalhas da Inconfidência em Ouro Preto (MG), cerca de 50 estudantes protestaram com vaias o fato de o evento ser fechado para o público em geral. Desde a primeira gestão de Aécio Neves (PSDB/2003-2010) a cerimônia, que era aberta à população, se tornou restrita a poucos convidados.

Do lado de fora, os manifestantes empunhavam cartazes com os dizeres “Vocês nos prendem no dia da comemoração à liberdade?”, ou “21 de abril, a praça não é do povo”. Além dos cartazes contrários ao caráter exclusivista da festa, os estudantes colocaram uma “carreira” gigante de farinha no meio da rua. Além dos estudantes que protestavam, moradores também se juntaram e criticaram a restrição.

Porém, nem sempre foi assim. Até 2002, quando o estado de Minas Gerais era governado por Itamar Franco (PMDB/1999-2002), a presença da população era permitida na festa de homenagem a Tiradentes, inclusive com manifestações contrárias ao governo estadual e federal. Alguns episódios foram marcantes como, por exemplo, quando o então ministro da Fazenda Pedro Malan foi recebido com jovens abaixaram suas calças para protestar contra a privatização da Vale.

O eventos e tornou fechado no primeiro ano da gestão de Aécio Neves, em 2003, quando a festa começou a contar apenas com a participação de convidados e cadastrados. A medida do ex-governador e hoje presidenciável se deu por conta dos protestos contrários ao seu governo.

Manifestantes fizeram carreira gigante como forma de protesto (Foto: Reprodução do Facebook)
Manifestantes fizeram carreira gigante como forma de protesto (Foto: Reprodução do Facebook)

Mas tal medida não é unânime nem mesmo entre os tucanos. Em 2013, o presidente da Câmara de Ouro Preto, Léo Feijoada (PSDB), se manifestou contra a proibição da participação popular e estendeu panos pretos no lugar das bandeiras de Minas que ficam na sacada da Câmara, mesmo local onde acontece a homenagem. À época, a polícia retirou os panos pretos, mas não recolocou as bandeiras.



No artigo

7 comments

  1. claudio dias Responder

    Por que a globo esconde esse tipo de coisa. Eu nao vi nada sobre isso nos jornais.

  2. Tiago Responder

    Esse estado de Eli Minas Gerais é ridículo.

    1. Franco Responder

      Realmente apenas o melhor estado do país. Por sinal o estado com menor numero de esquerdinhas.

      1. Roberto Locatelli Responder

        Qual a fonte de seus dados?

    2. Roberto Locatelli Responder

      Minas Gerais é lugar de gente trabalhadora e honesta. É grande produtor de riquezas que fortalecem a economia do país. O povo mineiro já começa a perceber quem é Aébrio Neves.

  3. JOÃO RIBEIRO DE BARROS Responder

    Cadê a GROBO para mostrar essa atitude altamente democrática de seu queridinho Aécio?

  4. sandracantii Responder

    Vejam só como são as coisas…. nao tem apoio nem de Minas quanto mais dos demais estados…Sem chance para Aécio Neves… !


x