Internautas repudiam revista Placar e trazem capa alternativa

A publicação é estampada com imagem do goleiro Bruno, condenado pela morte de Eliza Samudio

1646 46

A publicação é estampada com imagem do goleiro Bruno, condenado pela morte de Eliza Samudio

Por Redação

O goleiro Bruno, condenado pela morte de Eliza Samudio, estampa a capa da edição de abril da revista Placar. A publicação atrai os leitores para a entrevista exclusiva com o ex-jogador de futebol e ainda divulga uma de suas falas: “Me deixem jogar”. A vitimização de Bruno incomodou alguns internautas, que repudiaram a revista e sugeriram uma capa alternativa.

Na capa proposta, é Eliza quem tem a voz: “Eu queria ter visto meu filho nascer”. A imagem foi idealizada por Cynthia Beltrão e feita por Rosiane Pacheco. “Se houvesse dignidade, igualdade e humanidade na Justiça, nenhuma mulher teria sido dada como comida aos cachorros. E a nenhuma mãe seria negado o sagrado direito de enterrar sua filha. A revista Placar, paga não sei com que dinheiro mais imundo, estampa o goleiro Bruno, julgado culpado pela morte de Eliza Samudio, como um coitado, privado de trabalhar. Ele pede direitos que ele negou à Eliza”, declaram elas.

Em um texto publicado no Blogueiras Feministas, Fabiana Moraes expressa sua indignação. “Na verdade, essa capa não é absurda, não deveria ter me causado tanta surpresa. Ela é na verdade a confirmação de uma situação, é uma peça-símbolo do tipo de visibilidade que se concede aos homens e mulheres desse País, no qual uma pesquisa equivocada parece ter diminuído a gravidade do fato de mulheres com saias curtas “estarem pedindo” para serem molestadas sexualmente”.

Outras falas divulgadas pela Placar também reforçam o caráter de vítima do goleiro. “Muita gente acha que, por ter sido jogador de futebol, eu tenho regalias aqui. E não é. Pago um preço alto pela fama” e “Não estou acabado. Mas sobrou muito pouco do meu dinheiro, longe de poder levar uma vida confortável quando sair daqui” são alguns dos comentários de Bruno.



No artigo

46 comments

  1. Heitor Responder

    Não vejo problema algum na capa da revista.
    O sujeito é mais um que foi exterminado pelo poder da mídia, julgado antes do julgamento pela Justiça. Agora condenado, cumpre sua pena. Não está bom?
    O que querem mais as pessoas?
    No Brasil não existe pena de banimento, ora!

    1. Clarissa Responder

      Nao vê problema na capa? Nao existe lei de banimento ??
      Realmente,ele é jogador e o show de horrores tem que continuar,afinal de contas tadinho,ele esta cumprindo pena por ter sequestrado,torturado,matado esquartejado e jogado os restos aos cachorros…
      Mas afinal de contas ela merecia,afinal era uma maria chuteira que não sou cumprir o seu real papel de boneca inflável de festa para jogadores regados e álcool e drogas,e não sumiu depois como faria uma puta compromissada.
      Ele tadinho tem td o direito de se livrar daquilo que o incomoda… E quem somos nos para julga-lo né???
      E quem somos nos também,meras escravas sexuais para achar absurdo que o coitado queira trabalhar novamente,e ele não é qualquer um pra ir,limpar vaso ou varrer a rua como outros simples mortais,ele é um JOGADOR a profissão mais nobre brasileira.

      DEIXEM O COITADO EM PAZ!!! TADINHO…

      1. pdsimao Responder

        Parabéns, Clarissa. Disse td.

      2. Marla Responder

        Exatamente, Clarissa.

      3. Sanches Responder

        Excelente Clarissa! Mandou bem!

      4. Heitor Responder

        Eu não gosto de futebol, não sou masculinista e não o defendo pelo que fez; se realmente o fez, diga-se.
        O que eu disse é que está pagando por seu erro e apenas isso basta. O que mais você quer? Pena de morte?
        Apenas tomemos cuidado para não cair no feminismo.
        Lei é lei, cumprida a pena, que saia livre.
        E o que a sociedade tem a ver com isso? Nada!
        A Justiça é feita pelas leis e entabulada entre juiz, promotor e advogado. Imprensa e sociedade não fazem parte e por isso tentam criar um show de horrores sensacionalista. Um mundo à parte.

        1. Carolina Responder

          Parei de ler quando você disse “cuidado para não cair no feminismo” uahuaihuihauiah

        2. Kah Responder

          O problema na capa é justamente esse sensacionalismo que a revista utiliza para vender mais, apelando ao lado mais “sensivel” do povo brasileiro. Essa capa estampa uma característica do brasileiro que todos os corruptos utilizam para crescer: O brasileiro tem memória curta, o jornal de hoje vai ser jogado no lixo amanhã!
          Espero que isso esteja mudando, e que essa mídia manipuladora perceba e pare de fazer todo mundo de idiota.

        3. leandro gibson Responder

          Vc so pode estar de brincadeira, o cara mata a mae do filhp dele, corta ela em pedaços e da os restos mortais pra os cachorros comerem e vc defende um louco desses? Leva ele pra sua casa.

        4. Mardonio Responder

          Caraca… “E o que a sociedade tem a ver com isso?” Esse Bruno é louco, cara! Ele tem que pagar caro, embora não devamos confundir lei com justiça.. As leis ,às vezes são injustas.

      5. André Responder

        Jogador é a profissão mais nobre brasileira? E aonde ficam os professores? .___.

        1. yr Responder

          Leia de novo, ela está sendo irönica.

      6. Davydson Responder

        Excelente comentário!!!

      7. Carolina Responder

        Falou tudo, Clarissa

      8. laRica Responder

        tá bom Clarissa nós já entendemos que vc ñ é da turma da Maria chuteira e sim da Maria sapatão

        1. Ana Responder

          Que idiota! A mulher é sapatão por defender um ponto de vista?

    2. Carlos Responder

      O problema é que no BR, criminoso vira celebridade, VIDE políticos e assassinos.

    3. Josué Borges Responder

      Queremos você na escola.

    4. Felipe Responder

      Olha Heitor, ele apenas está pagando pelo crime que cometeu, e é assim que tem que ser. Não tem essa de vítima da mídia, da fama, ou seja lá o que for. Acoitar o erro do outro é o mesmo que dizer que o trabalhador honesto é culpado pela existência do bandido.

    5. italo rodrigo Responder

      O que ele mandou fazerem com ela é extremamente errado e com dinheiro ou nao ele esta pagando caro por isso. Nao vejo problema algum na reportagem da revista, a justiça ja determinou a setença dele, e ele realmente esta cumprindo.
      Se não gostou da reportagem naao leia a revista ué. Ele tem o direito de falar e a revista o direito de tratar da naneira que quiser
      sobre sua reportagem.
      O que eu vejo aqui, é muitos conentarios de odio e com um feminismo muito em excesso.
      Se toda vez que um publico qualquer querer mudar a capa de uma revista simplismente porque nao gostou, nao havera mais revista.

    6. Charles Fernandes Responder

      Carregue ele nas suas costas,e dê a ele sua irmã pra ele matar e alimentar os cachorros!

  2. Marcella Responder

    …Vitimização dos culpados,e culpabilização das vítimas! É isso que vem sustentando o consenso para a violação da vida (sobre tudo, das MULHERES).
    Parabéns mulheres, pela a iniciativa da capa, como um instrumento de denuncia para a postagem da revista..E que sempre seja um incomodo, quando
    existir a banalização da violência.
    O que queremos, é a não negligência , que em maquiagem associado as mídias (nesse caso esportiva) firmam os agressores, em posto de sofredores.
    Até porque o reconhecimento de extermínio aqui, e dor maior é a perda da vida, da mãe..da filha.

  3. Mirian Responder

    Heitor, respeito sua opinião, mas acho interessante o seu comentário, o cara participa de um assassinato cruel e “Ele não pode ser julgado pela mídia e a sociedade”. Se primeiramente ele não queria passar por tudo isso, não assassinasse ninguém, simples assim. E no Brasil realmente não tem pena de Banimento. Mas deveria ter Pena Perpétua e leis rígidas, para que as pessoas pesassem um pouquinho mais antes de cometerem crimes. Pois vivemos no País do absurdo que cultua a violência e vitimiza os criminosos. Me pergunto, até quando, vamos viver assim…Será o que Brasil um dia muda!!!

  4. Mirian Responder

    Heitor, quero lhe fazer uma pergunta??!!E se fosse alguém da sua família??!!Teria a mesma opinião??!!!Eu certamente que não sou contra a violência não me importa a quem seja se é a homem, mulher, criança ou idoso…Vivemos no País dos Absurdos onde se cultua a violência e se vitimiza os criminosos…Eu concordo com você em um ponto não existe a Pena de Banimento no Brasil. Mas deveria existirem outras, bem como, leis mais rígidas e a Pena Perpétua para criminosos desse tipo, não pudessem ferir mais ninguém.

  5. motta Responder

    Culpado sim. Agora sera que se a “inocente” elizia nao tivesse chantageado e tivesse sido tao vagabunda ela estaria morta. Para de hipocrisia mulherada. Foi cruel, foi sim. Mas quem todos colhemos o q plantamos. O bruno esta colhendo na cadeia e a elizia esta colhendo em algum lugar .

    1. Anna Responder

      Meu Deus, eu não tenho resposta pra um comentário tão infeliz quanto o seu.

    2. Ana Responder

      Mulheres “vagabundas” devem ser assassinadas, esquartejadas e virar comida de cachorro???

    3. Sérgio Responder

      Ele se envolveu com ela sabendo quem ela era, o que fazia, como fazia … mas se envolveu porque quis. Fez um filho e teria q arcar com isso sim !! Se a mãe de seu filho tinha um comportamento, aos seus olhos, decente ou não, a escolha foi dele. Nada justifica o que foi feito E ASSUMIDO por ele.

  6. Mel Responder

    Pra mim quem pensa como vc está compactuando com o crime, banalizando um ato bárbaro. Pessoas que pensam como vc infelizmente só mudam a visão de vida e mundo e princípios quando passam pelo mesmo problema. Infelizmente, num país selvagem -e olhe q não sou só eu quem está dizendo- os fatos mais chocantes acontecem ( pais e madrastas matando os próprios filhos, sim, já é o segundo caso!) e logo a gente aprende a achar normal, a conviver, afinal de contas, não aconteceu comigo, não é?
    É triste. E a única solução ainda depende não só de pessoas que não aceitam esse absurdo diário que convivemos como também de pessoas como você, caro Heitor.

  7. Renata Oliveira Responder

    “Me deixem jogar” diz o tal goleiro Bruno,”Me deixa viva!!!” supostamente disse a Eliza. Não sei porque não deixa essa cara mofar na cadeia, devia ser proibido preso dar entrevista, ele não é mais goleiro ele é um assassino!

  8. Bruna Responder

    Acontece q a revista é esportiva, tem nem lógica colocar ela na capa, quem compra a revista quer ler sobre esporte e não machetes, o fato dele estar na capa já deve ter baixado e muito a venda, afinal ele não é mais um atleta, imagina se fosse ela, se quero ler sobre esporte compro placar, machete de jornal é veja, isto é… Pq n crítica o clube q contratou ele pra ganhar mídia…

    1. Bruno Saia Responder

      Se diz manchete e não machete.

  9. Raquel Responder

    Bruno foi condena e está preso ,
    Que eu saiba a cadeia seria para ressocislizar o indivíduo ,
    Nós pagamos caro pra manter os presídios , nada melhor do que colocar esses presos para trabalhar!
    Gostei da capa da revista, tem vários sentido cada um ver oque quer, eu acho que os presos tem sim que trabalhar

  10. Sillumats Responder

    Hahaha

    Vocês falam isso prq vocês não conhecem algumas favelas dominadas pelos traficantes aqui no RJ.

    Isso que o Bruno fez foi equivalente a “roubar galinha”.

    Parem de hipocrisia!

  11. Danilo Responder

    Engraçado, não vi ninguém comentando que como muito nesse país, ele foi condenado antes mesmo de ir a justiça, condenado pelo sensacionalismo das tvs que, como sempre,vocês sempre caem… E assim sendo condenado pela “voz do povo”!
    Não houve provas suficientes para condenar o cara, mas depois do sensacionalismo que as tvs fizeram, se soltassem ele, seria linxado nas ruas.
    Quantos “Joãos” e “Marias” vocês já escutaram que ficaram presos por anos pra depois descobrir que não tiveram culpa?
    Não inocentou o cara, mas igual esse tal dançarino da globo que de repente virou o queridinho de todos, e agora acharam as fotos dele segurando uma metralhadora na favela, e por que tomou um tiro fugindo ninguém sabe do que…. Melhor não julgarem ninguém, principalmente por que só passou na TV, por que a justiça desse país não merece respeito algum.

    1. Ana Responder

      A foto com a arma na mão não é do dançarino não abestado!

  12. marcus Responder

    E essa capa aqui, sem problemas??

    http://brasil.indymedia.org/images/2007/12/404710.jpg

    A burrice está nos olhos de quem vê. Ficam procurando machismo aonde não tem. Se o Bruno fosse gay, a comunidade gay diria que é homofobia. Se fosse judeu, nosso judiciário seria antisemita. Se ele fosse favelado, a Regina Casé diria que é tudo preconceito.

    O cara matou, foi julgado e condenado. Esta pagando pena. É notório (e nao celebridade) e por isso as pessoas querem saber da vida dele.

    Parem de caçar pêlo em ovo!

  13. Beto Responder

    Heitor, ele confessou! Como assim “se o fez!!!!” ??? . Coloque-se no lugar da mãe ou do pai dessa mulher morta, se é que vc consegue isso, e verá que assim como a lei ainda é muito branda p com animais como esse idiota, a PLACAR tem no mínimo um problema moral no rank dos seus executivos e vc, Deus o livre, se fosse sua filha a menina executada brutalmente será que realmente pensaria assim? Entendo o q vc diz sobre a lei. Todos tem direito à defesa e, se cumpriu sua pena, está (estaria) apto a jogar novamente e retomar sua vida… Agora, se sua filha quisesse conhecê-lo e namorar com ele depois que ele saisse da cadeia, creio que vc não se oporia certo?

  14. Fefa Responder

    O problema é o cara se fazer de vítima. Se ele esta preso em regime fechado, ele não pode sair para jogar, se está em semiaberto e tem que voltar pra cadeia até as 22 horas não pode jogar a noite e não pode se concentrar. Que ele cumpra a mesma lei que todos! E se o dinheiro dele esta acabando, o problema é dele. E uma publicação seria não tem que dar espaço para um assassino se fazer de coitadinho dessa forma.

  15. Heitor Responder

    Vejo comentários pedindo pra levar o sujeito pra minha casa, deixar minha filha namorá-lo, etc etc…
    Muita calma gente!!
    Eu não defendi o que ele fez em momento algum. O que disse, e não é difícil de interpretar, é que o sujeito já foi julgado, condenado e agora paga sua pena. Cumprindo-a, sairá livre. Livre! Algo que o brasileiro tem muita dificuldade em entender. Condenou, pagou a pena, está livre!!
    O que não entendo é a sanha de continuar perseguindo o cara mesmo com a pena cumprida.
    Resumindo: respeitemos a lei para não cair na barbárie.

  16. Roger Schneider Responder

    Lendo todas, digo todas, os comentarios deixo o meu.

    Primeiro, Sim ela pode nao ter sido a melhor pessoa do mundo, fez o que fez, mas nada ustifica o fim que teve. ngm merece esse fim, muito menos uma criança.
    Segundo, nao se trata de machismo ou feminismo ou como um ser somente letraado se fereriu a sexualidade de clarissa como lesbica.
    Se trata de um homem, cruel e doente (ngm normal faria isso) que cometeu um ato horrivel e vai pagar por isso. pronto. Quando ele sair sera livre. Pois assim foi decretado pelos Juizes. Não gostou, faça direito, estudo faça concurso publco, vire juiz e da proxima vez julgue diferente.
    Nao é o levar para casa ou deixar mofar, nao concordo com a capa tambem, mas somente pela conotação que foi dada de coitado, outras 300 revistas ja fizeram capas com ele e ninguem disse nada.
    Concordo com a Clarissa e com o heitor.
    Ok então se todos aqui sao tao aptos e fortes militantes de tudo, da proxima vez que voce escutar seu vizinho bater na esposa ou algo assim, nao pense .. é briga de marido e mulher, chame a policia vá la e defenda ela. è bem mais facil crititar ou falar algo do que colocar em pratica reais ações.

    Clarissa e Heitor, gostei ao menos pessoas com opinião FUNDAMENTADAS, messe país

  17. Géssica Responder

    Heitor se tá com peninha dele da emprego pra ele, uma pessoa que faz o que ele fez, não a pena no mundo que o faça mudar pois é uma pessoa com problemas psicológicos sérios, provavelmente foi uma criança mimada pelos pais e que não gosta de ser contrariada, mas pra vc viver em sociedade vc tem saber conviver dentro das regras e isso ele já demostrou não saber portanto se pessoas como vc acha que ele deva sair e jogar bola cria um time de futebol e contrata ele.

  18. Ana Responder

    Me causou surpresa essa capa! Não defendo Bruno mas no Brasil todo mundo que morre vira potecialmente vitíma. ELisa sabia que poderia ter esse fim trágico cmoo atesta suas idas à delegacia, no entanto, aposto na sua ganância pelo dinheiro fácil. Hoje temos uma indústria de ” garotas” que vivem de exploração dos seus corpos por agenciadores profissionais, esses sim lucram alto com a prostituta e o prostituídor. Nesse caso mais ma vez game over para esses 2 personagens. m morto e o outro preso!

  19. Arthur Responder

    Estou de acordo com o Heitor, depois que o cara pagar a pena dele, estará livre para jogar ou trabalhar em qualquer que seja o serviço. Mas as feministas é que ficam com frescura, querendo inventar mais penas para o cara, e esquecem que ela também procurou, até demais problemas para ela. Se fosse o contrário, se ela o tivesse matado porque foi chantageada, tudo estaria tudo “muito bem, obrigado” porqua a coitadinha teria o direito de se defender do homem malvado.
    Pra mim, aí tem muito é opnião de sapatão.
    Se ela andava tanto com ele, sabia o tipo de gente com quem estava se metendo (um bandido), e achou o que tanto procurou…
    A gente colhe o que planta.

  20. albertopereiradasilva Responder

    todos ,mereçe ,uma ,segunda ,xanci /porque .jesus ,moreu por todos ,nosso ,pecado ,sejao ,eles qual ,for ,?///// porr isso ele deve ,ter ceu ,preço .e depois sua liberdade/quem ,somos ,nos ,para jogar ,primeira ,pedra?

  21. Alex Responder

    ZQuanto radicalismo. Entendo muito bem o que o Heitor quis dizer. Na época do caso a imprensa fez sim um espetáculo midiático que condenou o goleiro antes do julgamento “oficial”. O que não quer dizer, em hipótese alguma, que ele seja inocente. Já foi preso e condenado por um crime horrível. Mas é muito perigoso esse espetáculo que a mídia faz que condena antes da justiça. Foi assim com o Bruno, com o cara que atirou o rojão que matou Santiago e com todos que ela julga ser um caso digno de mobilização da opinião pública. Mas mídia não tem poder de judiciário. Não pode fazer isso.
    Além disso, apesar do crime terrível, o Brasil realmente não possui prisão perpétua ou lei do banimento, como citou o Heitor. Então, cumprida a pena, com todas as regalias polêmicas que a justiça concede, qualquer condenado tem o direito de tentar retomar a vida. Se há algum erro nisso, não foi a revista quem cometeu. Reveja-se então os critérios da justiça. Mas vcs estão mesmo a fim de bancar a prisão perpétua no país.
    Por fim, quando falou em não cair no ” feminismo “, entendi que o Heitor quis dizer pra ter cuidado em não fazer disso um caso político e transformar o goleiro num símbolo da violência cometida contra as mulheres, ou estaríamos dando a ele uma condenação maior do que aquela recebida pelos milhares de homens que agridem e matam mulheres, mas que não tinham a mesma fama que ele.
    Espero ter me feito entender e não receba uma surra de críticas po ter defendido o goleiro, pois não foi ele quem defendi, mas sim a legalidade.


x