Em véspera de campanha, PT esboça reação. Será eficaz?

O país testemunha uma “batalha” contra o poder midiático-empresarial, sugerindo que a eleição de 2014 será definida pela grande massa de eleitores que ascendeu socialmente nos últimos 11 anos, sem no entanto ter aderido ideologicamente ao PT...

247 1

O país testemunha uma “batalha” contra o poder midiático-empresarial, sugerindo que a eleição de 2014 será definida pela grande massa de eleitores que ascendeu socialmente nos últimos 11 anos, sem no entanto ter aderido ideologicamente ao PT ou à esquerda

Por Luiz Carlos Azenha, em Viomundo

Há alguns anos os blogueiros de esquerda abriram espaço na internet para três movimentos sociais que consideram politicamente importantes e que militavam por:

1. Universalização da banda larga, com acesso gratuito em espaços públicos;

2. Democratização da mídia, que inclui regulamentação das concessões eletrônicas, apoio às rádios comunitárias, financiamento para os sem voz e combate à propriedade cruzada, dado que nossa mídia corporativa é controlada majoritariamente por homens brancos ricos e conservadores;

3. Neutralidade na rede, para evitar que o conteúdo do site de O Globo ande mais rápido que o do Escrevinhador.

Dos três pontos acima os governos do PT só avançaram no terceiro, não completa mas significativamente. Ainda assim, com riscos. Isso porque as empresas de telefonia, que controlam a infraestrutura da internet, devem repetir no Brasil o que fizeram nos Estados Unidos: uma tentativa de “flexibilizar” o conceito de neutralidade na rede. Como dispõem de milhões de reais para aplicar em lobbies no Congresso, eventualmente comprarão o que pretendem comprar.

Nos dois primeiros pontos não houve avanços significativos, por causa dos compromissos políticos dos governos petistas:

1. Com as empresas de telefonia;

2. Com a mesma coalizão conservadora que controla concessões de rádio e TV nos estados e municípios (José Sarney, retransmissor da Globo no Maranhão, é um dos exemplos).

Agora, chegou a hora de a onça beber água. Estamos, outra vez, em período eleitoral.

O PT lança sua agência de notícias digital.

Numa entrevista a ela, o presidente do partido disse:

A pergunta é: foi tarde demais?

Do ponto-de-vista da realpolitik, só saberemos quando e se Dilma Rousseff se reeleger presidente da República.

Já sabemos o que virá durante a atual campanha eleitoral.

O resumo está na capa de O Globo reproduzida no topo:

1. Mensaleiro na prisão: Genoino volta para a Papuda

2. Caso Labogen: Padilha assinou compromisso

3. Pacote de Dilma custará R$ 9 bi até o fim de 2015

4. Manutenção da política do salário mínimo terá impacto de R$ 50 bi em 4 anos

5. Miriam Leitão: Dilma confunde crítica ao governo com desamor ao país

6. Um Primeiro de Maio de oposição

7. [Abaixo da dobra] Público vaia petistas e atira latas durante festa da CUT

É mais ou menos o que se viu já nas campanhas eleitorais de 2006 e 2010, porém com maior cuidado, já que as redes sociais estão aí para desmentir as manipulações mais evidentes.

A manipulação agora se dará, acima de tudo, na escolha da pauta, nos espaços dedicados a este ou aquele assunto, na mobilização de recursos para esta ou aquela cobertura.

Quantos furos O Globo deu, por exemplo, no caso do escândalo dos trens envolvendo as maiores lideranças tucanas? Quantos repórteres do jornal estão mobilizados para apurar o esquema?

Quantos minutos o Jornal Nacional dedicou ao escândalo da Petrobras? E ao trensalão tucano?

Para além disso, cabe também refletir sobre a dinâmica das redes sociais: uma vez O Globo tendo noticiado que Público vaia petistas e atira latas durante festa da CUT, por conta dos compartilhamentos a notícia ganha ares de verdade e, a não ser que seja refutada imediatamente por quem de direito, fica difícil contrapor depois a informação de que foram três latas ou de que as vaias vieram de apenas parte do público ou de que o público protestou foi contra a interrupção dos shows.

Nosso ponto: há uma nova dinâmica da informação de massa, por conta da junção do trabalho de repórteres + editores com o dos internautas, seja nas críticas, seja nos compartilhamentos.

Conhecemos razoavelmente as ideias que dominam a liderança do PT no campo da comunicação.

É mais ou menos o seguinte:

1. Os jornais tem impacto eleitoral limitado, por conta de sua pequena base de assinantes;

2. Mesmo o Jornal Nacional, por conta de sua decadência, importa menos do que parece e está perdendo espaço para as redes sociais;

3. A melhor solução ainda é o controle remoto;

4. O ex-presidente Lula é a bomba atômica que garante vitórias eleitorais.

O problema é que as circunstâncias de 2014 não são as mesmas que as de 2010:

1. A crise internacional limitou o crescimento da economia brasileira;

2. Houve a explosão de descontentamento popular em 2013 que juntou a classe média tradicional das metrópoles com a “nova classe média” das periferias, que quer mais e aderiu ao discurso antipetista;

3. Dilma Rousseff não tem a mesma perícia do ex-presidente Lula para lidar com uma coalizão tão abrangente e heterogênea de interesses.

Além disso, os petistas deixaram de levar em conta dois aspectos importantes da comunicação no mundo das redes sociais:

1. Os mesmos donos de jornais e emissoras de rádio e televisão que promovem abertamente o antipetismo, desde muito antes do julgamento do mensalão, também investiram muito na internet e em redes sociais; hoje produzem material massivo, seja através de colunistas, seja através de repórteres, para disseminação instantânea;

2. O efeito cumulativo do discurso antipetista foi acelerado pelo fato de que as notícias e opiniões agora perseguem os eleitores 24 horas por dia, do You Tube às manchetes que se lê no celular; em resumo, a sociedade está de tal forma midiatizada que, apesar da queda relativa de audiência do Jornal da Nacional e da tiragem dos jornalões, o poder de formulação da pauta da mídia tradicional lhe dá hoje maior influência política que em 2010.

Grifamos o formulação da pauta: é por isso que o Viomundo, desde o primeiro encontro de blogueiros, ainda em 2010, já insistia que a produção de conteúdo próprio, independente das redações da grande mídia — algo que requer financiamento, que o PT concentra na Globo — é o caminho.

Trocado em miúdos, com sua agência de notícias o PT dá uma resposta depois que a imagem do partido já está profundamente desgastada pelo trabalho demolidor da grande mídia nos últimos meses.

Além disso, do ponto-de-vista de conteúdo, o partido parece focar em comparações estatísticas com outros tempos, por acreditar que são de fácil assimilação, quando a resposta deveria ser política.

Espertamente, os tucanos — com a ajuda da mídia — focaram na Petrobras, justamente um tema que poderia ser o diferenciador entre propostas de governo, embora as diferenças tenham sido diluídas pela própria decisão de um governo petista de promover o leilão de Libra.

Por isso, a pergunta do título: a reação esboçada pelo PT será eficaz?

Na hora agá, nos parece que a eleição de 2014 será definida pela grande massa de eleitores que ascendeu socialmente nos últimos 11 anos, sem no entanto ter aderido ideologicamente ao PT ou à esquerda.

O projeto petista focou em melhorias sociais descoladas de um projeto de politização, que passaria necessariamente por inclusão digital universal e por democratização das comunicações como forma de escapar do discurso único.

Agora, a “grande massa” está em jogo. De um lado o poder da Globo + Abril + Folha + Estadão. De outro, a Agência de Notícias do PT.



No artigo

1 comment

  1. luciano karpov Responder

    O PT, recebeu de mão beijada, do governo Tucano a estabilidade da economia e o fim da inflação. Durante anos usufruiu desse tesouro recebido. Pena que não teve competência de manter ou melhorar, individando assustadoramente o Brasil, internamente e externamente (nunca tivemos com uma dívida interna e externa tão grande), pra criar uma FALSA SENSAÇÃO de melhora econômica. Agora, pra se manter no poder tenta criar meios de calar a boca da imprensa, calar a boca do povo, desmentindo BOATOS (correto), mas também criando FALSAS VERDADES, Escondendo sérios problemas administrativos e fazendo o mesmo jogo SUJO de muitos outros partidos, afundado em corrupção. 12 ANOS É MUITO TEMPO, fora PT, qualquer opção é melhor, desde que mude, e tenhamos a chance de buscar novas esperanças.


x