Especialista alerta para riscos do uso do volume morto da Cantareira

Segundo bióloga Silvia Regina Gobbo, a extração da reserva técnica do sistema pode ser insuficiente e não se pensou ainda em um "Plano C"

1840 26

Segundo bióloga Silvia Regina Gobbo, a extração da reserva técnica do sistema pode ser insuficiente e não se pensou ainda em um “Plano C”

Por Igor Carvalho, no SPressoSP

Começou, nesta quinta-feira (15), a retirada da água  da reserva técnica do sistema Cantareira, o chamado volume morto. A bióloga e professora da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep), Silvia Regina Gobbo, alerta que já vivemos uma “calamidade pública” e que há consequências ao utilizar esse recurso, principalmente para a região do Comitê das Bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) .

A medida, considerada extrema por especialistas, deve garantir, segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp),  abastecimento até outubro. Porém, Silvia Regina afirma que a evaporação da água pode reduzir esse período de validade do volume morto. “Temos outro risco que é a possibilidade de se acabar antes do previsto, se isso acontecer, qual o plano C? Não vi ninguém ainda falando disso. Se entrarmos, ainda mais, num estado de calamidade, como resolver?”, pergunta a bióloga.

O Ministério Público Estadual, através do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema), vai exigir que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e a Vigilância Sanitária Estadual monitorem de forma contínua a qualidade da água.

Confira trechos da entrevista com a bióloga da Unimep, Silvia Regina Gobbo.

Utilização de volume morto 

Não há, no momento, outra opção. Isso é importante deixar claro. Como não houve um planejamento e estamos no segundo ano de escassez de chuva, não há medidas alternativas. Nos últimos dez anos, o sistema Cantareira quase nunca esteve acima de 60% da sua capacidade, mas isso não é uma novidade. Em 2004, quando houve a renovação da outorga, ali foi condicionado que a Sabesp investisse em captação de água de outros pontos, porque já se sabia que chegaríamos a esse ponto. São 8 milhões de pessoas em São Paulo e mais 5 milhões na PCJ (Comitê das Bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí) dependentes desse sistema.

Vida útil do volume morto

Somente agora a Sabesp fala de buscar águas em outras fontes. O que estamos vendo agora não é um racionamento, é um estado de calamidade pública. O volume morto vai me dar quantos meses de sossego? A Sabesp fala em vida do volume morto até outubro, a USP até setembro. Se pensarmos que o período de chuva começa em novembro, vamos ter um período de crise aí.

Racionamento

O racionamento talvez tivesse sido uma medida interessante, porque ele nos daria uma sobrevida, mas esse racionamento teria que ter começado antes, novembro ou dezembro de 2013. Já temos registros de que há racionamento nas cidades, mas o governo não admite e não tem condições de armazenar os recursos. Ficamos dependendo da torcida pela chuva. Porém, já é possível saber, com a utilização da climatologia, que esse ano será de escassez de chuva.

Consequências da extração

Não temos opções, vamos usar esse recurso de extrair água do volume morto, mas há consequências. A primeira é a consequência é ambiental. Ao esgotar o sistema Cantareira, eu tenho um problema com o rio Piracicaba, que vai perder um volume importante de água. Para abastecer São Paulo, que é o maior PIB do país, nós, no interior, estamos sofrendo uma crise hídrica. Existe, lógico, uma solidariedade entre as bacias, mas não se pode tirar a carne de um para ir para o outro. Você não pode favorecer uma região em detrimento de outra. Algumas cidades, como Jundiaí, captam água direto do rio Piracicaba.

Há, ainda, o risco de morte de toda forma de vida aquática no rio Piracicaba, eliminando a possibilidade de abastecimento da região do PCJ. Produtores rurais e indústrias que se utilizam da água do Piracicaba para o processo produtivo e irrigação terão problemas graves para dar continuidade a suas atividades.

Temos outro risco que é a possibilidade de se acabar antes do previsto, se isso acontecer, qual o plano C? Não vi ninguém ainda falando disso. Se entrarmos, ainda mais, num estado de calamidade, como resolver? Volume morto evapora, ele está no reservatório, se tem sol e calor ele vai evaporar.

A contaminação e os poluentes não vamos ver agora, no momento inicial da exploração, só no final. Por que pode haver um revolvimento do solo no fundo, fazendo com que esses poluentes contaminem a água.

Qualidade da água

Se você fizer uma análise da água agora, vamos observar que a qualidade da água já é similar a que teremos no volume morto. A qualidade do Piracicaba está péssima, hoje o rio acordou com espuma, uma qualidade péssima da água. Na altura de Americana, a água está verde, onde há índices altos de mortandade de peixes.



No artigo

26 comments

  1. Riva Responder

    Irresponsabilidade Criminosa, NÃO TEM OUTRA PALAVRA para definir o que o Governador Geraldo Alkmin está fazendo, e deixou de fazer.
    Os avisos foram dados, e continuam sendo dados de forma que ele já sabia de tudo com muita antecedência,
    Faltou ele questionar o representante divino aqui na terra…..
    Se ferrou, mas acima de tudo, nos ferrou !
    O MP deveria entrar com uma representação criminal contra este senhor.

    1. ana Responder

      Concordo plenamente com você!!!! Infelizmente nada acontece como o Geral Alkmin porque a MÍDIA TODA é controlada pelos mesmos políticos e apadrinhados!!! Se não for nada que incrimina o PT, a MÍDIA ABAFA, NÃO PUBLICA, DIMINUI A SERIEDADE E A RESPONSABILIDADE, MENTE! É uma vergonha! Água é algo VITAL e ninguém incita a população para que sejam tomadas medidas, NINGUÉM!!! Absurdo! Agora que a MÍDIA deveria dar destaque por ser uma utilidade PÚBLICA, o assunto é tratado como se fosse intriga da oposição, falta de sorte, etc…SIMPLESMENTE UMA VERGONHA!

  2. Laurindo Responder

    Essa forma de governar é uma irresponsabilidade. Segundo a imprensa, há 10 anos os governadores do PSDB já foram avisados da catástrofe e nada fizeram, afinal, a Sabesp continuava a dar bons lucros p/ seus acionistas. Diretores e ex-diretores da Sabesp também lucram milhões explorando deficiências da própria empresa, então, porque investir pelo povo; o povo que se f… Exatamente o mesmo comportamento que provocou o horroroso apagão no tempo de FHC. Chega desse tipo de governante irresponsável e traidor dos que lhes dão seus votos!

  3. Aline Responder

    Eles tem dinheiro para a copa e não tem como resolver o problema do país como pode isso. Bando de relaxados!!!

    1. Luiz Responder

      O problema é do governo estadual (leia-se PSDB) e não federal queridinha… Quem administra a Sabesp é a Dilma ou o Alckmin???

  4. hiperboria Responder

    por essa os fedidos ptistas não esperavam .o governador tirou a carta da manga

    1. João de Nada Sei Responder

      Carta da manga? Você está sendo irônico ou não entendeu a “piada”?

    2. hiperburro Responder

      Você entendeu a notícia/situação? De qual carta na manga você está falando? Daquela que vai sumir em alguns meses?

    3. marcio Responder

      Quanta ignorância hein? Governo pilantra,esconde tudo até onde pode e ainda o povo idiota vota novamente nesse imbecil que é o des governador do mais importante estado da nação, estamos perdidos…

  5. Rafael Responder

    Riva, voce disse tudo,nossos bandidos, digo,governantes,são otimos em roubar o patrimonio publico, ja o povo, que se foda.é mais que obvio, que esta reserva ridicula de agua, não vai durar nada se não chover.Agora se fosse para roubar, teriam um plano maravilho para por em ação, inclusive, planos A,B, C, D , etc.

  6. zona sul Responder

    o pior de tudo que tem agora um canudo na represa Guarapiranga e outro canudo na bilingns
    quando passamos ao lado já percebemos que as represas estão ficando mais baixa muito mais rápido do que no ano passado
    e ao invés de 8 milhões esses políticos irão comprometer é 20 milhões
    e isso tudo para não fazer racionamento ,as pessoas lavando seus carros em lava jatos
    pois o governador não fala que precisa de racionamento pois já sabe que isso vai comprometer sua reeleição

    ps. o candidato do pmdb esta correto na sua campanha politica ,só falta falar também na despoluição do rio tiete e pinheiros ,aquele dinheiro emprestado pelo banco japonês que já evaporou junto com as aquas do MORTO Cantareira
    CPI da sabesp e da despoluição dos rios já !!!

  7. Responder

    Pq que ñ se pensa em utilizar a água do mar?!?!

  8. josé Responder

    O plano “C” é…………………………………………………………………………………………………………..REZAR……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

  9. MARIA APARECIDA P ALMEIDA Responder

    Isso caracteriza-se como um crime ambiental do governo estadual, que não tem organização nem planejamento para atender as necessidades da população, pois se já estava previsto, então deveria mover esforços para sanar as dificuldades.

  10. silvania Responder

    so falta eles cortarem o consumo total da agua para a populacao para sobrar agua para a copa

  11. teodora Responder

    Vivemos uma seca histórica, mas o que mais me choca é os Petistas aplaudindo de pé…povo nojento, sem escrúpulos. Não defendo o sr governador, mas me causa no mínimo nojo do uso da desgraça de uma calamidade AMBIENTAL (não chove há muito e o Governo SP, não aprendeu a fazer chover). Antes que me acusem de coxinha, de “direita” etc…, já quie esta turma é craque em ofender, denegrir, e craques em defender bandidos, voto no PSTU.

  12. gloria Responder

    O que eu não consigo entender é aquela propaganda medíocre da SABESP, em que as pessoas se abraçam felizes, porque agora o governador esta retirando a água do fundo da represa, que propaganda sem noção!

  13. Marcos Herculano Responder

    Enquanto a região metropolitana de São Paulo corre risco de desabastecimento de água, à espera de chuva, o governo federal avança no Nordeste no programa inovador de transformar água do mar em potável, uma tecnologia criada na Universidade Federal da Paraíba.
    A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, desembarca em Alagoas na terça-feira para entregar mais 24 sistemas de dessalinização a 24 comunidades rurais de 12 cidades.
    O programa Água Doce, em parceria com o governo do Estado, investiu R$ 2,2 milhões nos últimos anos para levar água a cerca de 8 mil moradores. A tecnologia já beneficia 100 mil pessoas no semiárido brasileiro, abrangendo nove Estados nordestinos.

    Fonte: Coluna Esplanada

  14. jesiel Responder

    A tomada de conciência será pela dor.
    A atual hierarquia de poderes não tem sentido, pois quem está no topo não tem conhecimentos para a tomada de decisão inteligênte.
    Porém quem os coloca lá é o próprio povo.
    Cabe o povo aprender, em meio a dor, como escolher seus governantes.

  15. Rosa Responder

    Só o plano “D” Deus (._.)
    . .
    .

  16. vitoria Responder

    isso mesmo, planoc para que vamos direto para o plano D ” DEUS”

  17. sebastiaos eustaquio ladeira Responder

    a culpa com certeza é de muitas pessoas e entidades com certeza.nimguem da atenção para a devassa que estas plantaç~es de eucalipto fazos orgaos que fornecem licenças ambientais,a retirada de minerios em certas areas,retirada de pedras,etc.

  18. clayton Responder

    QUER SABER!..
    NÃO ADIANTA RECLAMAR AGORA ,,
    DE QUEM É A CULPA..
    PROCURAR ALGUÉM PRA CULPAR.
    ENFIM NOS IREMOS TODOS PAGAR INFELIZMENTE
    IREMOS BEBER ESSA ÁGUA E FICAREMOS QUETO ATÉ MORRERMOS COM ESSE METAIS PESADOS ..

  19. Harlei Cursino Vieira Responder

    O uso dos rios Pinheiros e Tietê poderia ser uma alternativa para reforçar o abastecimento de água de São Paulo, não fosse a inviabilidade provocada pela poluição e falta de saneamento, na avaliação de especialistas consultados pelo iG. “As possibilidades são poucas, por isso precisamos cuidar melhor dos rios em vez de transformá-los em condutores de esgoto”, afirma o presidente executivo da ONG Trata Brasil, Édison Carlos.

  20. evaldo lino de jesus Responder

    resolvo o problema da cantareira duvida liga para mim58423640


x