Para PP de Porto Alegre, música machista pode; feminista, não

Partido Progressista pediu moção de repúdio por apresentação da banda Putinhas Aborteiras na TVE local. Em 2008, deputado da legenda fez uma apresentação de cunho machista no mesmo canal

865 0

Partido Progressista pediu moção de repúdio por apresentação da banda Putinhas Aborteiras na TVE local. Em 2008, deputado da legenda fez uma apresentação de cunho machista no mesmo canal

Por Isadora Otoni

No dia 14, a bancada do Partido Progressista (PP) na Câmara de Vereadores de Porto Alegre pediu moção de repúdio à Televisão Educativa do Estado (TVE). O requerimento é assinado por Mônica Leal e Guilherme Socias Villela, que reclamam da apresentação da banda Putinhas Aborteiras na emissora.

No pedido, o canal educativo é criticado por divulgar um vídeo “atentatório à moral e aos bons costumes e ofensivo à figura do Papa Francisco”. Apesar de o grupo ter se apresentado no programa Radar durante a madrugada, o vídeo estava aberto no Youtube, não indicando a classificação etária.

Entretanto, em 2008, a banda Comunidade Nin-Jitsu se apresentou às 18h no mesmo programa da emissora. O vocalista do grupo, Mano Changes, deputado estadual pelo PP, canta em horário comercial: “Chuva nas calcinha, tempestade nas cueca. Se molhou eu tô torcendo, eu me amarro em perereca”. Na época, a secretária de Cultura de Porto Alegre era Mônica Leal, a autora do requerimento de moção de repúdio.

Por nota, a TVE anunciou a demissão dos dois funcionários responsáveis e justificou: “O conteúdo não poderia ter sido disponibilizado online, visto que não há controle ou classificação indicativa nessa plataforma que impeça o acesso de crianças”. Além disso, os funcionários estavam sendo avaliados por outros erros cometidos anteriormente.

Questionada sobre a possibilidade de publicar a apresentação com uma classificação etária, a assessoria de imprensa da TVE informou que esta não era uma ferramenta segura. “Qualquer criança consegue fazer uma conta para maiores de 18 anos no Youtube”, explicaram.



No artigo

x