Luciana Genro sairá de chapa à presidência se PSOL não lançar Safatle em SP

Psolista publica carta dura ao partido e seus militantes ameaçando não ser mais a pré-candidata a vice-presidente se o filósofo não for, novamente, o candidato ao governo paulista.“Não podemos perder este tempo em lutas internas e em polêmicas não construtivas”

514 4

Psolista publica carta dura ao partido e seus militantes ameaçando não ser mais a pré-candidata a vice-presidente se o filósofo não for, novamente, o candidato ao governo paulista.“Não podemos perder este tempo em lutas internas e em polêmicas não construtivas”

Por Igor Carvalho, no SPressoSP

Na noite da última quinta-feira (22), Luciana Genro publicou uma carta destinada ao PSOL e seus militantes, afirmando que renunciará ao seu cargo de pré-candidata à vice-presidência da República se o filósofo Vladimir Safatle não for recolado na condição de pré-candidato ao governo de São Paulo.

Luciana demonstrou insatisfação com a troca de Vladimir Safatle pelo professor Gilberto Maringoni, e pediu que a direção do partido, em São Paulo, “reconsidere sua decisão e escute os apelos de todos os militantes”, que, segundo a psolista, anseiam pelo retorno do filósofo.

“Para que minha disposição e vontade de construir o PSOL e a unidade da frente de esquerda não se resuma a palavras e a apelos, quero apresentar minha disposição em renunciar ao lugar de pré-candidata a vice-presidente”, afirmou Luciana Genro.

Segundo a ex-deputada federal, seu cargo estaria, assim, disponível para outro partido de esquerda, na tentativa de formar, novamente, uma aliança. “E ao mesmo tempo, com este gesto, garanto o lugar para que o PSTU aceite participar da chapa nacional. Trata-se de um esforço para superar todos os obstáculos.”

Ainda na carta, a psolista demonstra preocupação com a nova candidatura apresentada pelo partido para São Paulo. “Como todo o respeito que devemos ter por [Gilberto] Maringoni, seu nome divide o PSOL, inviabiliza a frente com o PSTU e a frente de esquerda e não tem condições de se apresentar como um polo alternativo ao PT e ao PSDB.”

Luciana encerra o documento dando ao partido o prazo de um mês para que o imbróglio se resolva. “Mas não podemos perder este tempo em lutas internas e em polêmicas não construtivas.”

Foto de capa; Reprodução/Facebook de Luciana Genro



No artigo

4 comments

  1. Tiago Madeira Responder

    Essa reportagem é um grande equívoco. Não é isso que a carta da Luciana diz! Por favor releiam com atenção. A Luciana aceita abrir mão da participação na chapa como candidata à vice-presidênte para que o partido possa fechar uma frente de esquerda com o PSTU e isso viabilize a candidatura de Safatle e a unidade da esquerda. Não é “Se Safatle não for candidato, eu não saio candidata a vice” mas sim “Abro mão de ser candidata a vice para podermos ter unidade da esquerda”. Em nenhum momento da carta Luciana ameaçou rachar com o PSOL ou com Randolfe. Pelo contrário!

  2. Magno Fernandes - Niteroi Responder

    No meu ver, essa carta é nada mais que uma desistencia a candidatura majoritária, e uma vontade de concorrer a um mandato certo para o legislativo.
    Algo que é um direito dela. S eu estivesse no lugar dela faria o mesmo.

  3. João Alberto Afonso Responder

    Como é bom ser radical sendo filha do Tarso Genro, até eu seriaaaaaaaaaaa.

  4. Tunim Responder

    O mais interessante é um post ao lado que diz ” O melhor jornalismo é digital e independente”. Que seja digital, mas independente? O que é ser independente? Não ter alguém para te indicar uma direção? Não necessitar de din din ? Poder falar mal de A, B ou C caso eles viajem na maionese? Ou falar mal só de quem a gente não gosta? Tamo tudo f******* com esse tipo de pensamento.


x