Por que a elite brasileira odeia tanto o salário mínimo

O que é cristalino é que as elites (empresarial, banqueira e midiática) não aceitam que a participação das rendas do trabalho tenha, nos últimos anos, aumentado tanto na composição do PIB

1054 4

O que é cristalino é que as elites (empresarial, banqueira e midiática) não aceitam que a participação das rendas do trabalho tenha, nos últimos anos, aumentado tanto na composição do PIB

Por João Sicsú, no Blog da Economia Política

 

A partir de 2004/05, houve uma grande melhora a favor dos trabalhadores no perfil distributivo da renda. O Brasil mudou a sua estrutura econômica. Construiu um enorme mercado de consumo para as massas trabalhadoras. Mais de 40 milhões de trabalhadores se tornaram consumidores regulares.

Os principais responsáveis por essa mudança distributiva e pela ampliação da democracia econômica foram: o aumento do salário mínimo e a redução do desemprego. Nos últimos anos, o salário mínimo foi valorizado em mais de 70% em termos reais e o desemprego foi reduzido em mais de 50%.

A elite brasileira não suportou. Seu DNA é de direita e conservador. Inventaram dois argumentos, um para cada objetivo, mas ambos conectados na narrativa da oposição – seja aquela representada pela mídia das famílias (Globo, Veja, Folha de S. Paulo e Estadão), seja aquela representada pelo seu braço político, os partidos de oposição (o PSDB e o PSB/Rede).

Para combater a valorização do salário mínimo, argumentam que estaria alto demais e que o custo da folha salarial estaria retirando competitividade da economia, isto é, retiraria capacidade de investir das empresas. É uma visão interessada e ideológica, não tem base nas relações econômicas reais e nas experiências históricas.

Salários não representam apenas custo, representam principalmente demanda, capacidade de compra, que é o que estimula o investimento. Sem a pressão do consumo “batendo na porta” e a tensão da baixa de estoques, os empresários não investem. Em verdade, o que os empresários não suportam não é a ausência de possibilidades de investimento (que, aliás, existem) – de fato, o que a elite não suporta é enfrentar engarrafamentos onde suas BMW’s ficam paradas por horas ao lado de milhares de carros populares… ao mesmo tempo, suas empregadas domésticas viajam no mesmo avião que viajam as senhoras esposas dos empresários.

Continue lendo aqui



No artigo

4 comments

  1. José Responder

    É mêmo.

  2. Aquele Responder

    A unica elite atual no Brasil veste vermelho. E todos os que estao ” desfrutando ” de seus favores, como provavelmente o autor deste texto. Este discurso repetitivo anti Globo, Folha etc. Quem paga o horario nobre dos Canais abertos? Banco Do Brasil, CAIXA, Petrobras… e empresas ” amigas do governo” – Friboi, Oi…. todos aqueles subsidiados pelo BNDS. Todos com um minimo de estudo e cultura sabem que nenhuma Rede de Midia patrocinada pelo Governo vai – realmente bater forte contra seu maior “acionista”. Tudo nao passa de um Grande Teatro, para dar ilusao ao povo de que existe um ” demonio elistista ” e o PT e’ o Exorcista. A unica Elite que vemos hoje em dia e’ esta que esta nos gabinetes politicos ” lavando a e’gua” … perdoe o linguajar popular, mas fica bem de igual a igual a ” classe dominante atual “. Este autal Governo vem usando tecnicas antiquadas de plantar e fomentar o odio entre as classes como cortina de fumaca enquanto vao afundando o Pais em um retrocesso tecnologico, educacional, economico e social ” Nunca Antes Visto “. Quando o autor mencionou que ” as elites ” se enfurecem ao ver carros populares congestionando as ruas e ofuscando seu BMW e as senhoras ricas que hipoteticamente se desagradam de viajar de aviao com pessoas de classe inferior — tal comentario vem de uma visao sem cultura, estudo e despeito. Essa tal ” elite ” digamos, classe media alta, nao se incomoda ao ver evolucao e desenvolvimento social. A classe Media esta enfurecida com a falta de investimento do governo em oferecer ruas pavimentadas, engenharia de trafego eficiente, aeroportos que estejam adequados… porque se por um lado ouve alguma melhora no poder de compra da classe media baixa e a classe trabalhadora, o governo nao preparou-se para oferecer servicos condizentes ao crescimento. O que estou farta de ouvir e ler este repetitivo discurso sobre as Elites e apontarem PSDB como o Grande Vilao. Acorde!!!! Este partido estao fora do poder ha quase 3 mandatos completos. O que o PT fez de melhor? O Lula encontrou um governo saudavel e com economia PRONTA. Ele apenas recebeu os louros do sucesso da gestao anterior. Que Brasil esta gestao Petista entragara? Quantos milhoes de Bolsa Familia? Se o Pais tivesse “melhorado economicamente” este auxilio teria reduzido. menos familias necessitariam do beneficio. O aumento do numero de benefios do tipo so provam que o Pais foi de mal a pior. Que o povo esta cada vez mais dependente deste tipo de ajuda. Mas esta formula vai garantir este Governo de continuar. E enquanto ouverem ” Elites Imaginarias” para combater e continuar fomentando odio entre as classes… la estarao eles. Mas ate quando? Em breve esta lavoura esta destruida e estes gafanhatos irao pegar seus passaportes e se mudarem para a Europa, para aquele pais onde ja mandaram seus filhos estudarem e onde abriram contas numeradas com dinheiro desviado de falsos contratos e projetos imaginarios bancados pelo BNDS. Muitos podem ser enganados por muito tempo, mas nao todos e jamais pelo tempo todo. Boa Sorte!

    1. Marcio Pimentel Responder

      E agora vem essa elite com pífios argumentos contra o PT. São argumentos tão inconsistentes que não compensa refutar. Por trás de toda essa conversa fiada, de quem defende o neoliberalismo nefasto do PSDB, mas não se atreve a comparar os indicadores econômicos e sociais entre os dois governos com medo da verdade que os números mostrarão. Entregaram um governo “preparado” né? Preparado para explodir! Inflação de 12,7%, juros de 30%, sem falar na incompetência para operar os instrumentos disponíveis para regular a economia: levaram uma eternidade para adotar o câmbio Flutuante!
      Entretanto, a intenção desse comentário não é contestar esse blábláblá bastante conhecido dessa direita cara de pau. Meu interesse é focar num detalhe que demonstra caráter elitista e discriminatório que a direita tenta esconder, mas que sempre aparece: Ao final do texto o articulista refere-se a categoria das empregadas domésticas em boa hora regulamentada pelo PT, mas que no comentário do AQUELE é considerada uma “classe inferior”. É ou não é um primor de discriminação? Inferior a quem?

  3. fidelis crus cordeiro Responder

    fidelis crus universitario e muçulmano/por isso que todo mundo que ser politico pois aler de ganha muito bem quando vai nun restaurante desse grafino almoço ou janta aconpanhado com um bom vinho ou uisque custa nada mais ou nada menos que sete centos reais


x