Felipão abre as portas para a Globo; e as diferenças entre David Luiz e Henrique

O sol finalmente brilhou na Granja Comary. Depois de tanto nevoeiro e garoa nos últimos dias, tudo ficou claro, límpido. Insclusive o time titular. E também a velha perceria entre Globo e CBF…

357 0

Por Rodrigo Vianna, de Teresópolis

O sol finalmente brilhou na Granja Comary. Depois de tanto nevoeiro e garoa nos últimos dias, tudo ficou claro, límpido. Insclusive o time titular. E também a velha perceria entre Globo e CBF…

Felipão não faz segredo de nada. Hoje, num treino com campo encurtado, deixou evidente que vai pra Copa com a mesma equipe que ganhou a Copa das Confederaçõers: Julio Cesar, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luis Gustado, Paulinho, Oscar e Neymar; Hulk e Fred.

No trato com a imprensa, aparecem já algumas diferenças com o estilo de Dunga em 2010.

Na África do Sul, eu vi de perto: não havia moleza pra jornalista, muito menos pra Globo. Ficou famosa, por exemplo, a decisão de Dunga de barrar Fátima Bernardes na entrada da concentração em Johannesburgo. Ela havia acertado (com a assessoria da CBF) uma “exclusiva” com um dos atletas. Dunga não quis saber. Barrou a Globo. Dunga queria mostrar que não haveria em 2010 nada parecido com a baderna midiática de 2006. Na Alemanha, Parreira liberou geral, jogadores viraram estrelas de TV, e a turma da Globo fazia fila pra uma entrevista atrás da outra.

Felipão adota um estilo intermediário. Hoje, liberou a entrade de Luciano Huck no gramado, pouco antes do treino. O apresentador levou um menino em cadeira de rodas pra conhecer os atletas. Atrasou o treino com bola em 15 minutos. Veterano em coberturas, Roberto Thomé disse a meu lado: “os jogadores já tinham feito o aquecimento, e em vez de irem pra campo estão ali participando da gravação; depois alguem sofre um estiramento e quem vai assumir a responsabilidade?”

Como diz o Thomé, em seu blog, já tem jornalista (não na Globo) com saudades do Dunga…

Felizmente, não houve problemas com os atletas. Fizeram um treino duro, sério. Felipão dosa bem as brincadeiras (além de algumas concessões ao “circo midiático” global) com a firmeza para cobrar e orientar os jogadores.

A manhã de quinta terminou com treinos de finalizaçao: Fred e Neymar mostraram muita disposição, sem gracinhas, concentrados.

Do outro lado, os zagueiros treinavam domínio de bola, em cruzamentos sobre a área. E aí ficou patente a diferença abissal de categoria entre David Luiz , de um lado, e Henrique do outro.

A bola morria no peito do zagueiro do Chelsea. Ele não falhou nenhuma vez. Henrique mostrou as limitações que todos conhecemos: a bola escapava ao domínio dele, e o ex-palmeirense “espanava” todos os chutes.

Se bem que – na história das Copas – há bons exemplos de jogadores brasileiros que entraram em campo na última hora e (sem grande categoria na comparação com outros craques) deram conta do recado. Exemplo mais recente: o volante Kleberson em 2002. Outro mais antigo: Amarildo (no lugar de Pelé, em 62).

Ok, não dá pra comparar Henrique com Amarildo… Mas se precisarmos dele em 2014, que o zagueirão seja pelo menos um novo Kleberson! Tomara que não seja necessário. Dá um certo medo, vendo as “espanadas” dele de perto, aqui no gramado perfeito da Comary…

Leia outros textos de Palavra Minha

(Foto de capa: Reprodução/Palavra Minha)



No artigo

x