O muro da injustiça colocou mais um tijolo na história de meu pai, diz Miruna Genoino

Filha do ex-presidente do PT escreve carta onde fala da indignação pela decisão do STF, que negou pedido de prisão domiciliar de seu pai

584 5

Filha do ex-presidente do PT escreve carta onde fala da indignação pela decisão do STF, que negou pedido de prisão domiciliar de seu pai

Por Redação

Família de Genoino questiona julgamento do STF (Foto:Valter Campanato / Agência Brasil)
Família de Genoino questiona julgamento do STF (Foto:Valter Campanato / Agência Brasil)

O Supremo Tribunal Federal (STF) votou, ontem (25), contra o cumprimento da pena de José Genoino em prisão domiciliar. O ex-deputado está com saúde debilitada mas, mesmo assim, os ministros seguiram o voto do novo relator da Ação Penal 470 e rejeitaram recurso de Genoino.

Para Miruna Genoino, esta é mais uma decisão vergonhosa. Barroso justificou a rejeição do pedido, reconhecendo que a situação do ex-deputado é “preocupante”, mas “não mais adversa do que a de centenas de outros detentos”. Miruna questiona: “Que mundo é esse, meu Deus, em que as pessoas querem igualar a injustiça e não a justiça?”

Leia a seguir a carta:

Meu Papai amado,

Logo que o ministro Barroso falou as duas primeiras frases eu já soube que o resultado seria a derrota. Infelizmente, depois de todos estes anos de tortura emocional e psicológica meus ouvidos já sabem ler muito rapidamente a guilhotina da covardia e da injustiça subindo bem rápido, se preparando para degolar a gente, bem ali, onde dói. Porque dói muito, dói demais, ouvir da boca de alguém que representa algo importante no nosso país, que existem muitas provas de que você não tem nada grave, quando eu, você, nós, sabemos de um jeito tão duro e real, que a vida quase te levou, que você precisa de cuidados e que as coisas não estão bem aí na Papuda.

Ai, Papai, me doeu fundo no peito ouvir que a justificativa para você estar em um presídio e não em casa, mesmo com sua saúde debilitada, é o fato de existirem muitos outros presos nessa mesma situação. Que mundo é esse, meu Deus, em que as pessoas querem igualar a injustiça e não a justiça? Que mundo é esse em que queremos castigar você porque existe gente em uma situação tão horrível quanto a sua? Que mundo é esse…

Em um primeiro momento a minha maior raiva foi do novo relator, claro. Raiva de ter sentido esperança com a chegada dele e raiva do seu jeito técnico e jurídico de nos dar essa punhalada injusta. Mas na verdade não tenho raiva dele não, ou ao menos não totalmente. Tenho raiva de todos aqueles que em maior ou menor medida contribuíram para que essa decisão de hoje fosse tomada de forma tão vergonhosa.

Tenho raiva do cara, sim, ele, que foi construindo essa trama de mentiras ao redor da sua doença. Tenho raiva dos médicos de laudos, que contrariaram seus necessários princípios éticos e deturparam a sua condição de saúde. Tenho raiva da imprensa, que mesmo tendo ficado na porta do hospital, vendo boletins médicos e sabendo de tudo, foi colocando as notícias de forma a criar a dúvida sobre o que você tem. Tenho raiva dos covardes da câmara, que não quiseram dar o que era seu de direito, por medo, por covardia por pura injustiça. Tenho raiva de todas as pessoas que poderiam ter feito algo para que a verdade aparecesse e não fizeram, preferiram olhar para o lado. Tenho muita, muita raiva. Mas vou vencer esse sentimento.

Ontem, Papai, escrevi aos meus amigos e amigas que eu não tinha esperanças sobre a decisão de hoje e recebi mensagens que nem sei como descrever, permeadas de amor, de presença, de carinho, de amizade e de muita, muita esperança. Não sei como essas pessoas estão se sentindo hoje, porque toda aquela corrente acreditando que sua situação ia melhorar viu hoje o muro da injustiça colocar mais um tijolo na sua história, mas acho que elas continuarão nos mandando da forma que for possível, sentimentos verdadeiros de paz, de fraternidade, de verdade, e de luz. E com isso me sinto esperançosa.

Mas hoje, depois que a realidade se fez presente eu senti um buraco no fundo do peito e pensei: de onde é vou tirar forças para acreditar na vida? No bem? Em que vale a pena fazer coisas boas? De onde? Como educar duas crianças, meu filhos, para que acreditem, lutem, vivam a verdade e a bondade? Como? E não conseguia encontrar a resposta… Foi olhando as nossas fotos que encontrei o caminho… Achei uma foto linda, linda, de você segurando a Paulinha pela primeira vez. Que foto linda meu Papai lindo, que foto linda…

Era 2006, você tinha acabado de conseguir se eleger para a câmara dos deputados depois de toda essa tragédia na nossa vida, e finalmente conseguia ir me encontrar para conhecer sua neta, sua primeira neta. Lá na foto o que existe é isso. Vida, muita vida, emoção e alívio, muito alívio. Alívio por ver que a vida nos reserva esses pequenos grandes milagres que fazem tudo ter algum sentido.  Alívio por saber que tínhamos conseguido vencer 2005 e sermos fortes para viver o nascimento da nossa Paulinha em 2006. Alívio por ver que a vida segue, e que de alguma forma existe uma força maior que sempre mostra que por maior que seja a maldade, sempre o que é bom, e justo, busca uma forma de se fazer presente. Alívio.

Essa é a foto que eu evoco hoje, Papai, a foto da vida, da vitória, da esperança. Você me ajudou a vencer o medo que passei com todos os meus problemas e angústias relacionados à maternidade e me fez ter forças para acreditar que eu ia realizar o sonho de ser mãe. Agora, está aí dentro, e mesmo assim, longe de mim, consegue me mandar de alguma forma suas mensagens de fé e de esperança, de luta e de paz, e de verdade e coragem, porque existem duas crianças aqui lutando desesperadamente para seguir em frente, para ver sua família bem, para um dia reencontrar o avô.

Termino essa minha carta 53 mandando a você, Papai, todo meu amor, todo meu afeto, e toda minha saudade, mas termino principalmente essa carta com as palavras da sua netinha querida: eu acredito que um dia tudo vai ficar muito bem.

Te amo… Semana que vem estou aí para te visitar.

Muitos beijos da sua sempre,

 



No artigo

5 comments

  1. tereza joacy Responder

    Caríssima Miruna, que exemplo de filha e amiga de um pai que passa pelas duras penas de cumprir um pena dura. Seu pai vencerá. Ele encontrará “conforto” e esperança nessas tão verdadeiras carinhas que lhe envia. Deus transmita pra vocês a paz de que tanto precisam.

  2. maroly Responder

    Miruna, acredito que os jovens e as crianças estão empurrando a porta desse mundo novo do qual ja vemos alguns sinais.” Mostrarao aos adultos um novo respeito e uma nova compreensão” (Silo, pensador humanista ).
    Essa coisa velha, ressentida, pre histórica e psicopata instalada hoje nos postos de poder sao remanescentes de uma pre historia na qual nem eles mesmos acreditam…
    Que Genoino seja forte, que busque Forca em suas acoes, naquilo que fez de melhor que foi acreditar no futuro em uma época de horizonte fechado porque com certeza vai sair dessa de alma lavada e talvez essa seja mais uma de suas batalhas : deixar mais que obvio a estupidez e a falencia desse sistema judiciario. Abraco voces. Que sigam fortes!

  3. Antonio Marquez Jr. Responder

    O que comentar do “incomentável”. Essa reportagem é uma brincadeira, né?

  4. Daniel Responder

    Tenho pena é dessa garota, por ter o pai que tem… o resto da vida na cadeia é pouco para alguém como ele e os demais corruptos. Será que ela já se perguntou o que ele fez com a esperança dos que votaram nele? Injustiça é não terem preso os demais.

  5. enganado Responder

    Cara Miruna
    Não vou tomar seu tempo ou tornar seu sofrimento maior. Mas em um país onde mandam rede Globo e seus asseclas, não espere justiça NUNCA, ou seja, a justiça é aquilo que lhes convém para aumentarem suas fortunas para aumentarem mais ainda seus poderes. E seu Pai lutou contra Eles, não pense que todos aqueles que fizeram o mesmo, pois tem seus nomes muito bem gravado em seus arquivos para que a vingança seja aplicada a qualquer hora e em qualquer lugar. Não é só isso, dê as mãos aos céus porque o Exército não fuzilou seu Pai, lá no Araguaia. Lá eles estavam defendendo os interesses dos ricos do BRASIL. Sem essa de comunista! O que defendiam eram as ordens da CIA, porque pergunto: Qual a diferença de um coronel do Exército Brasileiro e de um Coronel do Exército Russo? Nenhuma, aparentemente, pois um é Nacionalista e outro defende a Banca Anglo-Sionista, pois BRASIL é um mero detalhe. E hoje defendem o Patrimônio do PSDB/JB/Aécio/FHC/Globo … neste caso o Povo é um mero detalhe, pois são esses os NACIONALISTAS de PLANTÃO a serviço de Washington que condenam seu PAI. Que DEUS no seu Infinito perdão, abençoe todos SEUS. Amém.


x