Inquérito “absolve” oficial da morte do pedreiro Amarildo

O mesmo laudo, entretanto, considerou o terceiro sargento José Augusto Lacerda, o soldado Newland Júnior e o soldado Bruno Athanázio como responsáveis pelo crime de corrupção a testemunhas Do SPressoRJ...

971 3

O mesmo laudo, entretanto, considerou o terceiro sargento José Augusto Lacerda, o soldado Newland Júnior e o soldado Bruno Athanázio como responsáveis pelo crime de corrupção a testemunhas

Do SPressoRJ

De acordo com reportagem do jornal O Dia, o Inquérito Policial Militar absolveu o major Edson dos Santos da acusação de ter cometido crime no caso do desaparecimento e morte do pedreiro Amarildo de Souza. Aos 48 anos,  Amarildo desapareceu no dia 14 de julho do ano passado, quando foi capturado e assassinado por policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha. O caso ganhou grande destaque na imprensa e criou uma crise na política de segurança pública estadual, sobretudo, nas UPP’s.

Chancelado pelo comandante da PM, José Luís Castro, o inquérito inocentou o major Edson, suspeito de ter participado da manipulação do depoimento de duas testemunhas que mentiram e sustentaram que Amarildo fora assassinado pelo tráfico de drogas. O mesmo laudo, entretanto, considerou o terceiro sargento José Augusto Lacerda, o soldado Newland Júnior e o soldado Bruno Athanázio como responsáveis pelo crime de corrupção a testemunhas.  Todos serão avaliados por um Processo Administrativo Disciplinar.

O inquérito determinou também que o homem de confiança do major Edson, o soldado Rodrigo Avelar, infiltrado na operação Paz Armada, que prendeu Amarildo, seja investigado pelo desaparecimento de cinco fuzis. Rodrigo é ex-comandante da Unidade da UPP da Rocinha e está preso com outros 12 PMs, acusados de envolvimento no crime. Ele responde por tortura, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e fraude processual, por ter agido em conjunto com os subordinados para subornar testemunhas.

A solução do inquérito vai passar pelo crivo do Ministério Público que atua junto à Auditoria de Justiça Militar e “na própria PM não houve consenso sobre a ‘absolvição’ do major Edson”.

Fuzis desaparecidos

Ainda segundo a reportagem, o soldado Rodrigo Avelar era um dos responsáveis pela operação Paz Armada, que tinha o objetivo de combater o tráfico de drogas na Rocinha. O soldado terá que dar explicações sobre o desaparecimento de cinco fuzis, que estariam em poder de traficantes.

(Foto de capa: Reprodução/SPressoRJ)



No artigo

3 comments

  1. Franco Responder

    Jamais trabalharia em Upps, para mim a polícia como instituição deveria ter mais autonomia e trabalhar apenas onde a população a apoia, algumas regiões do Brasil merecem ser entregues para o crime para a sorte dessas regiões o estado não as abandonou e nem os policiais.

  2. JOÃO BATISTA Responder

    Precisamos ficar de olho e denunciar qualquer tentativa de proteção aos envolvidos. Não se trata de condenar antecipadamente, mas, ficarmos atentos para o fato de, na maioria das vezes, os praças serem punidos e os oficiais, estranhamente absolvidos.


x