Segundo perícia, Veja manipulou vídeo que aponta irregularidades na CPI da Petrobras

"Do arquivo analisado separamos segmentos que demonstram a edição do mesmo, sendo claramente perceptível pelo menos duas interrupções na sequência das falas", atesta laudo elaborado pelo Instituto de Perícias Científicas do Mato Grosso do Sul, contratado pelo senador Delcídio Amaral (PT-MS)

1094 5

“Do arquivo analisado separamos segmentos que demonstram a edição do mesmo, sendo claramente perceptível pelo menos duas interrupções na sequência das falas”, atesta laudo elaborado pelo Instituto de Perícias Científicas do Mato Grosso do Sul, contratado pelo senador Delcídio Amaral (PT-MS)

Por Redação

Laudo elaborado pelo Instituto de Perícias Científicas (IPC) do Mato Grosso do Sul aponta que a gravação da conversa entre dois funcionários da Petrobras – José Eduardo Barrocas e Bruno Ferreira – e uma outra pessoa não identificada, divulgada no último final de semana pela Veja, foi editada. A revista se baseou no vídeo para afirmar que a CPI da Petrobras havia sido fraudada. As informações são do portal Brasil 247.

“Do arquivo em análise separamos alguns segmentos que demonstram a edição do mesmo, sendo claramente perceptível duas interrupções (ao menos) na sequência das falas, a primeira, com 1min 12seg e a segunda com 1min 30seg da gravação do vídeo editado”, afirma o documento, assinado pelo perito Fernando Klein.

O laudo conclui que, por conta dos cortes, não há uma sequência lógica que permita vincular o senador Delcídio Amaral (PT-MS) –contratante do serviço – à eventual orientação repassada aos depoentes da CPI da Petrobras, já que no momento anterior à citação do nome “Delcídio” na conversa há uma interrupção de 1 minuto e 14 segundos na gravação, comprovada pelo relógio do vídeo, que confirma a montagem.

“O uso de palavras separadas de sua sequência original pode trazer interpretação destoante do efetivo contexto em que teriam sido empregadas. Dessa forma, não há credibilidade para a interpretação do conteúdo e da aplicação dos diálogos constantes na gravação de 2 minutos e 40 segundos disponibilizada no sítio eletrônico da revista Veja, dada a evidente edição do mesmo”, garante Klein.

De acordo com a nota publicada pelo Brasil 247, o IPC é o maior e mais conceituado instituto de perícias de Mato Grosso do Sul. Ele é responsável por pelo menos 70 % de todas as investigações periciais requisitadas pela Justiça no estado.

Foto de capa: Reprodução/Instituto de Perícias Científicas do Mato Grosso do Sul



No artigo

5 comments

  1. sergio m pinto Responder

    Isto posto, alguém – PT ou a Petrobrás, deveria ir pra cima dessa revisteca, com uma ação de calúnia e difamação, pedindo uma indenização de fazer buraco no bolso desses sacripantas.

  2. Chaves Responder

    MAs então onde pode-se ver o video original? Gostaria de ver ambos….será q tem no youtube?

  3. anonimo Responder

    Esse site brasil247 é tão amadora que publica um relatório sem timbre nenhum de um instituto de perícias sobre a veracidade de um vídeo feito por um engenheiro agrônomo.

    Eu procurei o site desse instituto e não há uma referência sequer à analise. Eu só acho que a mídia brasileira está tão preguiçosa que publica qualquer transforma em notícia qualquer coisa publicada na internet hoje usando a desculpa “se está na internet, deve ser verdade”.

    Não estou dizendo que o vídeo é verdadeiro ou não, mas que o relatório parece um trabalho feito por um adolescente de 14 anos parece.

  4. anonimo Responder

    Esse site brasil247 é tão amador que publica um relatório sem timbre nenhum de um instituto de perícias sobre a veracidade de um vídeo feito por um engenheiro agrônomo. Eu procurei o site desse instituto e não há uma referência sequer à analise.

    Eu só acho que a mídia brasileira está tão preguiçosa que publica ou fabrica notícia sobre qualquer coisa publicada na internet usando a desculpa “se está na internet, deve ser verdade”.

    Não estou dizendo se o vídeo é verdadeiro ou não, mas que o relatório parece um trabalho feito por um adolescente de 14 anos parece.

  5. helmuth Responder

    A conclusão dessa perícia é que quem falou não falou oque falou. Coisa típica do PT

    Fora, Fora, Fora PT.


x