12% da população mundial vive em zonas de guerra

O número de conflitos armados tem aumentado no mundo e traz consequências também para a economia

552 0

O número de conflitos armados tem aumentado no mundo e traz consequências também para a economia

Por Esquerda.net

O “Jornal de Negócios” desta terça-feira dá conta de uma análise, publicada em julho passado pelo JP Morgan – um dos maiores bancos do mundo, à repercussão dos conflitos armados na economia mundial.

Segundo o documento, a guerra em dez áreas/países já matou mais de mil pessoas no último ano: Ucrânia, Israel/Gaza, Síria, Afeganistão, Iraque, Paquistão, Nigéria, Congo, Sudão do Sul e Líbia.

Noutros dez países, registaram-se mais de 200 mortos no último ano: nomeadamente em Somália, Iémen e República Centro-Africana. Estes conflitos envolvem 12% da população mundial e situam-se em zonas que abarcam 9% da população petrolífera mundial, afetando cada vez mais a economia mundial.

Segundo o jornal, em julho passado, 28% dos inquiridos pelo Bank of America, o dobro do mês anterior, consideraram que o alastrar dos conflitos armados é o maior risco que o mundo tem pela frente.

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, declarou aquando da última reunião mensal da instituição: “Não há dúvidas de que se olhar para o mundo hoje conclui que aumentaram [os conflitos armados]: Rússia, Iraque, Síria, Líbia (…)”.

Draghi destacou ainda a crise ucraniana, que terá “um impacto mais forte na zona euro do que em outras zonas”. O jornal dá também conta de que alguns analistas consideram que os mercados financeiros estão a desvalorizar os riscos geopolíticos. “A liquidez abundante entorpeceu os mercados. Ninguém quer apostar esse poder de fogo” referiu à Bloomberg Raj Hindocha, diretor de Research do Deutsche Bank, em Londres.

Olivier Blanchard, economista-chefe do FMI, considera, no entanto, que os riscos geopolíticos aumentaram”, mas ainda “não têm repercussões macroeconômicas”. É difícil levar a sério esta declaração de Blanchard, quando as zonas de guerra envolvem 9% da produção petrolífera mundial e a guerra econômica aumenta entre EUA/UE e Rússia, com sanções e contra-sanções.

O agravamento dos conflitos armados no mundo e o crescente militarismo das grandes potências, nomeadamente EUA e UE, juntam-se assim à política austeritária e aos conflitos econômicos, tornando-se um traço importante da evolução do mundo com a crise financeira e econômica mundial, iniciada em 2007.

Foto de capa: Esquerda.net/Reprodução



No artigo

x