“Não vamos nos submeter a chantagem política”, diz Marina Silva na TV

Programa do PT mostrou, novamente, o cotidiano da presidenta Dilma Rousseff; propaganda de Aécio atacou, indiretamente, discurso da candidata do PSB

412 0

Programa do PT mostrou, novamente, o cotidiano da presidenta Dilma Rousseff; propaganda de Aécio atacou, indiretamente, discurso da candidata do PSB

Por Marcelo Hailer

Em programa eleitoral exibido neste sábado (23), a candidata do PSB (Partido Socialista Brasileiro), Marina Silva, atacou diretamente PT e PSDB e disse que os dois dividem o povo brasileiro e promovem uma “guerra” no país com tal divisão.

O tucano Aécio Neves já mostra que elegeu Marina Silva com o seu novo alvo e atacou, indiretamente, o discurso de “nova governança” adotado pela da candidata.

O programa da presidenta e candidata a reeleição, Dilma Rousseff (PT), focou novamente no cotidiano de Rousseff e na sua relação com o neto.

Luciano Genro, candidata to PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), defendeu a taxação das grandes riquezas.
Marina Silva – PSB

Já devidamente caracterizado, o programa de Marina Silva apresentou a candidata, que defendeu um novo rumo para o país. Silva disse que o seu governo vai “melhorar a saúde, investir na educação integral e cuidar da segurança”.

Como já havia declarado, Marina Silva disse em seu programa que pretende reunir as melhores pessoas para formar a sua equipe e alfinetou a política de cargos do governo Federal. “Nós não temos que dar ministério em troca de tempo na televisão. Não vamos nos submeter a chantagem política de ninguém. O nosso compromisso é com a sociedade brasileira”, defendeu na TV, Marina Silva.

Marina Silva também sinalizou para os movimentos sociais e disse que os “grupos que estão no poder há 20 anos não conseguem mais dialogar”. Silva disse que o atual governo “divide os brasileiros” e novamente defendeu a necessidade de se superar a “velha política”.

Dilma – PT

No terceiro programa de TV da candidata à reeleição, Dilma Rousseff, a vida privada da presidenta voltou a ser o foco.
Comentou também que, geralmente, cozinha aos domingos e falou das visitas que recebe de seu neto. Mostrou duas bolas de enfeite e revelou que o neto as adora e que ela tem de explicar que as “bolas não são da avó e sim do povo brasileiro”, em referência a Casa da Alvorada, residência do presidente da república.

Quem também figurou no programa foi o vice-presidente Michel Temer. “Estive com a presidenta Dilma em todos os momentos de seu governo e isso me deu a oportunidade de conhecer uma grande líder e uma grande mulher”, elogiou Temer.

Aécio Neves – PSDB

O terceiro programa de Aécio Neves (PSDB) também focou na biografia do candidato que destacou a influência política de seu pai e de seu avô, Tancredo Neves.

Feito em formato de ping-pingue-pongue Neves comenta sobre alguns projetos de lei de sua autoria que foram aprovados quando era deputado federal. Também foram destacados os seus dois mandatos enquanto governador do estado de Minas e a política de bônus que instituiu no aparelho estatal.

No trecho final, Aécio Neves atacou, indiretamente, o discurso adotado pela candidata Marina Silva, de que quer estabelecer uma “nova governança”.

“Tudo é possível quando você tem um governo que age com decência e eficiência. Esse é o nosso jeito de governar”, apos a fala de Aécio Neves surgem inserções com os seguintes dizeres: “A gente não precisa de novas promessas. A gente precisa de alguém que já fez algo novo.

Luciana Genro – PSOL

A candidata do PSOL apresentou a sua proposta de taxação das grandes riquezas. De acordo com Genro, riquezas acima de R$ 50 milhões devem ser taxadas para que este dinheiro retorne em investimento na educação e saúde.

“Quem tiver uma fortuna acima de R$ 50 milhões, deve pagar uma alíquota de 5% ao ano. Você certamente não vai pagar esse imposto, mas tem gente que deveria pagar e não está pagando. Só com isso podemos dobar os gastos com educação”, defendeu a candidata.

Foto: Divulgação

 



No artigo

x