Em fato inédito, parlamentar vota contra lei no parlamento cubano

Deputada Mariela Castro, uma das principais defensoras dos direitos LGBT no país, discordou de lei por considerá-la discriminatória

531 4

Deputada Mariela Castro, uma das principais defensoras dos direitos LGBT no país, discordou de lei por considerá-la discriminatória

Por Redação

A deputada Mariela Castro fez algo inédito na história do Parlamento cubano: votar contra uma lei. Desde a revolução cubana que instituiu o regime socialista, nunca um parlamentar havia se posicionado contrário a uma proposta de lei apresentada. Mariela discordou da lei trabalhista que bane a discriminação com base no gênero, raça e orientação, porém, não contempla identidade de gênero, motivo da contrariedade da parlamentar.

Mariela Castro justificou o seu voto dizendo que a lei discrimina as pessoas transgêneras. Ela é a diretora do Centro Nacional de Cuba para Educação Sexual (Cenesex) e tem sido a principal voz na defesa dos direitos das LGBT na ilha. “Eu não poderia votar a favor sem a certeza de que os direitos trabalhistas das pessoas com identidade de gênero diferente seriam explicitamente reconhecidos”, declarou Mariela.

A Assembleia Nacional de Cuba é composta por 612 parlamentares e desde a sua fundação nunca um deputado havia votado contra uma lei apresentada. A atitude de Mariela Castro foi considerada “revolucionária” ao redor do mundo por ter quebrado uma hegemonia de mais de 40 anos e pelo fato dela ser mulher num ambiente predominantemente masculino. Mariela é filha de Raul Castro, atual presidente de Cuba, e sobrinha de Fidel Castro.

Foto: Agência Havana 

 



No artigo

4 comments

  1. Ivan Ferreira Responder

    Que desserviço, Revista Fórum! Não esperava isso de vocês. Estão precisando de melhores fontes sobre a Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba…

    1. Raoni Sousa Responder

      Indique à equipe da revista e aos demais leitores melhores fontes, cite acontecimentos omitidos, enuncie uma visão que você acha melhor fundamentada.

      1. Marquinhos Responder

        Ótimo, Raoni! Não dei um “curtir” por falta da opção! rsssss

      2. Vavá Santos Responder

        1- A própria Fórum já publicou artigo sobre a composição do parlamento Cubano, onde a participação das mulheres é de 49%…2- As votações se dão por aclamação, isto é, após as discussões, leva-se à votação e quem for contra apenas não levanta a mão. Como é que chegaram à conclusão que “Desde a revolução cubana que instituiu o regime socialista, nunca um parlamentar havia se posicionado contrário a uma proposta de lei apresentada.”??? http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=5&cad=rja&uact=8&ved=0CD4QFjAE&url=http%3A%2%2Feducarnareal.blogspot.com%2F2013%2F12%2Fcuba-135-como-e-composicao-do.html&ei=BW3-U_uKOdDygwSlkoHACA&usg=AFQjCNHyMHip34R5YeeMkDgMplNx8N2U1Q&sig2=K9pbu9XhPk0pM5cN4PE9og


x