Debate no SBT: confira como foi o embate entre os candidatos à presidência

Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB), Marina Silva (PSB), Luciana Genro (Psol), Pastor Everaldo (PSC), Eduardo Jorge (PV) e Levy Fidelix (PRTB) participaram de debate promovido em conjunto pelo SBT, Folha de S.Paulo, Jovem...

530 0

Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB), Marina Silva (PSB), Luciana Genro (Psol), Pastor Everaldo (PSC), Eduardo Jorge (PV) e Levy Fidelix (PRTB) participaram de debate promovido em conjunto pelo SBT, Folha de S.Paulo, Jovem Pan e UOL

Por Redação

Nesta segunda-feira (1), os candidatos à presidência da República participaram de debate promovido em conjunto pelo SBT, Folha de S.Paulo, Jovem Pan e UOL. Estiveram presentes Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB), Marina Silva (PSB), Luciana Genro (Psol), Pastor Everaldo (PSC), Eduardo Jorge (PV) e Levy Fidelix (PRTB).

Abaixo, você acompanha o “minuto a minuto”.

Clique f5 para atualizar:

19h35 – Pastor Everaldo: “Eu defendo a vida do ser humano desde a sua concecpção. Sou contra o aborto, sem necessidade de plebiscito, sou contra a descriminalização das drogas, sou a favor da família como está na Constituição brasileira – casamento é entre homem e mulher -, sou a favor do livre mercado e da diminuição da maioridade penal”, afirma. Ele encerra com “Deus abençoe”.

19h34 – Luciana Genro: “Peço seu voto e peço que você dê uma oportunidade para uma esquerda coerente. O Psol tem compromisso com as causas mais importantes da sociedade. Direito sociais não se negociam.”

19h33 – Aécio Neves: “A candidata Marina não consegue superar as inúmeras contradições de seu projeto”, diz. “Sou candidato para iniciar um novo tempo no Brasil.”

19h32 – Dilma Rousseff: “Mais do que nunca, eu acredito no Brasil e nos brasileiros. Peço seu voto para o Brasil continuar avançando.”

19h30 – Levy Fidelix: “Eu quero ser a consciência cívica do povo. Não estou aqui para ganhar nada, seu Kennedy Alencar.”

19h30 – Marina Silva: “Nesse momento há um esforço muito grande para fazer com que você se recolha no medo”, diz. “Quero ser presidente do Brasil para que você volte a acreditar na política.”

19h28 –  Eduardo Jorge: “Esse minuto que tenho aqui é o que tenho na TV: pouquíssimo para discutir esses temas.”

19h28 – Volta do intervalo para as considerações finais.

19h24 – Final do quarto bloco. Pausa para o intervalo.

19h21 – “Pra acabar com isso, só Deus lá em cima, porque aqui na Terra, não tem jeito”, afirma Fidelix.

19h20 – Pastor Everaldo a Levy Fidelix: “Nos últimos anos, vivemos um câncer na sociedade brasileira, que é a corrupção. O que você tem a me dizer sobre esse câncer, que está tirando todo o dinheiro do povo brasileiro?”

19h17 – “Queremos que os juros praticados pelo BNDES possam ser praticados por toda a economia”, responde Aécio.

19h16 – Eduardo Jorge pergunta a Aécio Neves: “O senhor disse que defende baixar a taxa de juros básicos para os mesmos níveis que o PV defende. É isso mesmo?”

19h13 – “Candidato, acho que você tem memória fraca. O senhor esquece que nós temos parceria com o governo do estado de Minas em todas as obras de mobildade urbana que existem em Minas Gerais. Acho que o senhor está mal informado”, responde Dilma.

19h12 – Aécio pergunta para Dilma: “A senhora considera segurança pública uma responsabilidade da União?”

debate-sbt-2

19h09 – “A presidenta Dilma demonizou as parcerias com o setor privado”, diz Aécio.

19h08 – Levy Fidelix chama Kennedy Alencar de “língua de trapo”.

19h08 – Levy Fidelix pergunta a Aécio sobre suas propostas na área de segurança pública.

19h07 – “O maior risco que uma pessoa pode correr é não se comprometer com nada, dizer só frases de efeito, genéricas”, diz Dilma a Marina.

19h05 – “Sem apoio no Congresso Nacional, não é possível assegurar um governo estável”, responde Dilma.

19h04 – Quando foi eleita em 2010, havia um compromisso seu de que o Brasil iria continuar crescendo, de que os juros ficariam baixos e de que a inflação ficaria controlada. Hoje vivemos uma situação de muitas famílias endividadas. O que deu errado no seu governo?”, pergunta Marina a Dilma.

19h03 –  “Foi em questão de um erro que a equipe fez durante o processo”, responde Marina.

19h02 – “Você não pode fazer uma nova política cedendo aos setores mais reacionários”, pergunta Luciana a Marina, referindo-se à reformulação do programa LGBT de Marina.

19h01 – “Vamos manter sim as conquistas da política econômica do presidente FHC e as conquistas da política social do presidente Lula”, responde Marina.

19h – Luciana Genro pergunta a Marina, sobre programa econômico de marina: “Você é uma segunda via do PSDB?”

18h58 – “O petróleo não pode ser demonizado dessa forma”, diz Dilma a Marina.

18h56 – Dilma para Marina:, sobre o Pré-sal: “Por que o desprezo para com uma riqueza tão importante para o Brasil?”.

18h55 – Começa terceiro bloco. Voltam os confrontos diretos.

debate-sbt-1

18h51 – Pausa para o segundo intervalo.

18h49 – “Eu não tenho nada a ver com isso”, comenta Eduardo Jorge.

18h48 – “Isso é típico da perseguição aos chamados partidos ideológicos pequenos”, responde Fidelix, chamando Alencar de “representante dessa mídia vendida”.

18h47 – Kennedy Alencar (SBT) pergunta para Levy Fidelix : “Como você responde à crítica de que o PRTB é um partido oportunista, que vive de fundo partidário?”.

18h45 – “A Marina, ao manter o tripé macroeconomico, também se compromete com os bancos. Aliás, tem uma banqueira tradicional ao seu lado”, declara Luciana Genro.

18h42 – “A fortaleza da família depende do casamento entre homem e mulher. Sou contra o aborto, sem necessidade de plebiscito”, afirma Everaldo.

18h41 – Aécio, no comentário, não fala sobre suas propostas para prevenção da violência doméstica. Prefere falar sobre segurança pública.

18h39 – “Não adianta termos política se a família vai mal. Se a família vai bem, o Brasil vai bem”, diz Everaldo, sem ser claro quanto às medidas que adotará.

18h38 – Fernando Rodrigues (UOL), ao Pastor Everaldo: “Qual é sua política de prevenção da violência doméstica no país, sobretudo, contra as mulheres?”.

18h37  – “As lideranças políticas brasileiras têm medo de fazer essa discussão”, diz Eduardo Jorge sobre o aborto, chamando tais lideranças de “covardes”.

18h37 – “Acredito que esse debate (aborto) precisa ser feito de maneira cuidadosa”, diz Marina, propondo a realização de um plebiscito.

18h34 – Patrick Santos (Jovem Pan), a Eduardo Jorge: “Qual PV defende o interesse do eleitor, o de 2010 ou o de 2014?”, sobre a discriminalização das drogas e aumento de casos a serem encarados como aborto legal.

18h33 – “A corrupção, no meu governo, jamais foi varrida para baixo do tapete”, comenta Dilma.

18h32 – “Todos os casos devem ser investigados”, diz Aécio, sem responder porque os casos de corrupção citados não foram investigados.

18h30 – “São exemplos de que o PSB é conivente com a corrupção”, pergunta Kennedy Alencar, do SBT, a Aécio Neves, referindo-se aos casos Alstom, em SP, e à renúncia de Eduardo Azeredo.

18h29 – “Há os pessimistas de plantão, aqueles mesmos que diziam que a Copa daria errado”, diz Dilma.

18h25 – Fernando Canzian (Folha de S. Paulo) pergunta para Dilma: “O eleitor continua incapaz de reconhecer as qualidades do seu governo?”. A presidenta responde: “A queda da atividade econômica atual é momentânea”.

18h23 – “Quem pagou Marina nos últimos anos?”, pergunta Fernando Rodrigues. “Se as empresas que contrataram meu serviço quiserem revelar quem me contratou, por mim não há nenhum problema”, responde Marina.

18h20 – Começa o segundo bloco. Agora, os jornalistas farão perguntas aos candidatos.

18h17 – O repórter Igor Carvalho, da Fórum, acompanha o debate do estúdio.

debate1

18h17 – Primeiro intervalo.

18h13 – “O Psol defende uma auditoria da dívida pública para investigar todas as irregularidades que compõem esse sistema”, responde Luciana.

18h12 – Levy Fidelix pergunta para Luciana Genro: “O governo está pagando bilhões para a dívida pública. Acha que há problema?”

18h12 – Levy Fidelix: “Sobre a segurança pública, realmente é um dos maiores problemas, se não tivermos segurança com mais investimento no aparato policial, com condições mínimas de atuar, fica inviável.”

18h06 – Pastor Everaldo pergunta para Levy Fidelix: “Qual a sua proposta para a segurança pública?”

18h05 – “Pode fazer saneamento, mas tem um outro problema: na esquina, o trabalhador não pode andar”, responde o pastor.

18h03 – Marina pergunta para Pastor Everaldo: “Como fazer para melhorar o tratamento de esgoto?”

18h01 – “Sim. O próximo governo vai ter que lidar com esse problema”, responde Jorge.

18h – Aécio Neves pergunta para Eduardo Jorge: “Você acha que o governo fracassou na política econômica, depois de doze anos?”, referindo-se à notícia de que o Brasil está em recessão.

17h59 – “Os três (Dilma, Aécio e Marina) privilegiam o interesse dos bancos e milionários em detrimento da população”, diz Luciana.

17h56 – “Não sou o presidente Fernando Henrique, lamentavelmente”, responde Aécio.

17h55 – Luciana Genro pergunta para Aécio, em relação à criação do fator previdenciário e desvinculação do reajuste da aposentadoria ao salário mínimo: “Essa maldade contra os aposentados é uma política que te unifica com o PT?””

17h54 –“O erro é você só investir na privação da liberdade”, diz Eduardo Jorge, na réplica.

17h53 – Dilma responde: “O meu governo gastou 17 bilhões e 600 milhões em segurança pública, o dobro do que foi gasto em governos anteriores”.

17h52 –  Eduardo pergunta para Dilma: “Agora vou falar de penitenciáras. Parece que estamos em um campo de concentração nazista. Como que em 12 anos de governo do PT isso acontece?”

17h50 –  “Quer dizer que a senhora falou, falou, mas não respondeu”, diz Dilma para Marina.

17h49 – “O que nós vamos fazer é as escolhas corretas e não as erradas, como tem sido feito”, diz Marina para Dilma, respondendo de onde tirará dinheiro para saúde e educação.

17h47 – Dilma pergunta para Marina.

17h44- Candidatos já estão prontos para o debate.



No artigo

x