Auxiliar de Marina defende realinhamento com EUA e flexibilização do Mercosul

Mauricio Rands, um dos responsáveis pelo plano de governo de Marina Silva, defendeu revisões nas regras do bloco sul-americano

589 4

Mauricio Rands, um dos responsáveis pelo plano de governo de Marina Silva, defendeu revisões nas regras do bloco sul-americano

Por Redação

O ex-deputado federal e coordenador do programa de Marina Silva (PSB), Mauricio Rands, declarou à agência Efe que a atual política externa necessita de reparos. Entre eles, a flexibilização do Mercosul e realinhamento com os EUA.

Rands, que deixou o PT em 2012 é, junto com Neca Setubal, um dos responsáveis pelo programa de governo da candidata Marina Silva. Para ele, é necessário é colocar em um novo patamar a relação com os EUA, visto, que desde as denúncias de espionagem feita por Edward Snowden, está abalada.

O programa de governo da candidata do PSB defende uma flexibilização do Mercosul, assim como o candidato do PSDB, Aécio Neves, Marina Silva defende que os países-membros possam fazer acordos de livre-comércio com outros países e blocos. Além disso, a Argentina, no texto do programa de governo, é acusada de “insistentemente” em não convergir com os demais países do bloco.

“Nosso programa apresenta correções que precisam ser realizadas nas relações externas. Queremos acelerar a integração de nossos blocosc com outros, como um acordo UE-Mercosul. E, para isso, por profunda solidariedade com nossos países irmãos, admitimos fazer negociações respeitando a individualidade de cada país membro e poder negociar em um mecanismo de ‘duas velocidades'”, disse Rands.

Foto: Brasil247

 



No artigo

4 comments

  1. levemente Responder

    É preciso dar uma relativizada na vontade de Rands/Marina Marina/Rands. Os EUA não têm demonstrado a voracidade de outrora em relação à América Latina. Estarão eles, neste momento, interessados num realinhamento com um país como o Brasil, nos moldes da acusação do texto? Aliás, será mesmo verdade que o nosso país tem hoje o grau de independência em política externa de que se jacta o governo atual? Os EUA não sofrem qualquer espécie de embargo comercial da parte do Brasil. Comercializamos livremente com tal país, embora não tenhamos – de modo correto – levado a cabo a execução da ALCA. Não somos, mesmo hoje, avessos ao comércio com os EUA. Rands não falou em ALCA. Dito isto, fico em dúvida sobre o malefício efetivo apontado no texto.

    1. Barbosa Responder

      Lembre-se do pré-sal.

  2. Mateus Responder

    Precisamos urgente disso, nos alinhar com outros blocos além dos falidos como o Mercosul.


x