ONU: Cresce o número de indígenas na América Latina

Os dados apontam a existência de 45 milhões de indígenas na região, o que representa um aumento de mais de 49% em dez anos; saúde, educação e participação política desses povos melhorou

2102 0

Os dados apontam a existência de 45 milhões de indígenas na região, o que representa um aumento de mais de 49% em dez anos; saúde, educação e participação política desses povos melhorou 

Por Agência Plano 

45 milhões de indígenas – ou 8,3% da população total da região – vivem, atualmente, na América Latina, em 826 comunidades espalhadas por dezenas de países.  O dado foi divulgado nesta segunda-feira (22) pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, durante a 1ª Conferência Mundial sobre os Povos Indígenas.

Elaborado pela Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), o relatório “Povos Indígenas na América Latina: Progressos da Última Década e Desafios para Garantir seus Direitos”, que trabalha com dados de 2010, mostra que o número de 45 milhões de indígenas representa um aumento de 49,3% em relação ao último relatório, que levantou dados do ano de 2000. Na época, foram contabilizados 30 milhões de indígenas pela América Latina divididos em 642 comunidades.

Confira o relatório, na íntegra, aqui. 

De acordo com a Cepal, esse aumento se deve à melhoria da informação estatística nos últimos anos e à maior autoidentificação por parte dos povos em sua luta por reconhecimento.

Desse número total, a maior parte dos indígenas vive no México (17 milhões) e no Peru (7 milhões). A proporção em relação à população total, no entanto, é maior em países como Bolívia (62,2%) e Guatemala (41%).

O número de comunidades indígenas é maior no Brasil, que abriga 305 – 70 delas estão em risco desaparecimento físico ou cultural, de acordo com o estudo.

Além dos 45 milhões, a Cepal estima que haja ainda mais indígenas (cerca de 200 povos) em isolamento voluntário na Bolívia, Equador, Venezuela, Paraguai, Colômbia e Brasil.

Avanços

Os números divulgados através do relatório da Cepal representam, para o órgão, avanços na maioria dos países da região nesta área, principalmente em relação à demarcação e titulação de terras.

“Os movimentos indígenas estão cada vez mais atuantes e governos e setor privado têm negociado cada vez mais com eles. É preciso fortalecer o marco legal e institucional dos países para incluir os indígenas”, disse a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena, que ponderou, contudo, que permanecem importantes desafios relacionados ao controle territorial, incluindo os recursos naturais. O relatório mostrou queforam detectados, entre 2010 e 2013, mais de 200 conflitos em territórios indígenas ligados a atividades extrativas de petróleo, gás e mineração.

Entre outros aspectos dos povos indígenas latino-americanos revelados pelo estudo, estão a melhoria na educação e na saúde.

Em relação à educação, houve aumento nas taxas de frequência escolar, com porcentagens de comparecimento entre 82% e 99% para crianças de 6 a 11 anos. Quanto à saúde, caiu a mortalidade infantil – as mortes de crianças menores de cinco anos reduziram-se entre 2000 e 2010 nos nove países com dados disponíveis (Costa Rica, México, Brasil, Venezuela, Equador, Panamá, Guatemala, Peru e Bolívia).

(Foto: Milton Grant/ONU)



No artigo

x