Dilma na ONU: “O uso da força é incapaz de eliminar as causas profundas do conflito”

Enquanto o presidente norte-americano Barack Obama afirma que os extremistas do Estado Islâmico "só entendem a força", a presidenta brasileira cita diversos conflitos nunca resolvidos: "Se bombardeio resolvesse, não haveria mais problemas no Iraque".

344 0

Enquanto o presidente norte-americano Barack Obama afirma que os extremistas do Estado Islâmico “só entendem a força”, a presidenta brasileira cita diversos conflitos nunca resolvidos: “Se bombardeio resolvesse, não haveria mais problemas no Iraque”

Por Redação

Primeira mulher chefe de Estado a discursar na abertura da 69ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, a presidenta Dilma Rousseff condenou nesta quarta-feira (24) o uso de intervenções militares para solucionar conflitos bélicos citando os atuais na Síria, Iraque e  Ucrânia, mas lembrando também a questão da Palestina, o fracasso da Otan na Líbia e outros focos de violência no Sahel, região entre o deserto da Saara e a África Subsaariana – referindo-se, provavelmente, aos conflitos no Sudão do Sul e na República Centro-Africana.

Segundo a presidenta, o uso da força, ao invés da diplomacia, gera o acirramento dos conflitos e a multiplicação de vítimas civis. Em tom duro, Dilma enfatizou que a comunidade internacional não pode aceitar que “manifestações de barbáries recrudesçam, ferindo nossos valores éticos, morais e civilizatórios”.

“O uso da força é incapaz de eliminar as causas profundas dos conflitos. Isso está claro na persistência da questão palestina, no massacre sistemático do povo sírio, na prática de desestruturação nacional do Iraque, na grave insegurança na Líbia, nos conflitos de Israel e nos embates na Ucrânia”, declarou Dilma na tribuna da ONU. “A cada intervenção militar, não caminhamos para a paz, mas sim assistimos ao acirramento desses conflitos. Verifica-se uma trágica multiplicação do número de vítimas civis e de dramas humanitários”, disse. 

A presidenta novamente pediu por reforma no Conselho de Segurança da ONU, pois o órgão responsável pela manutenção da segurança internacional tem dificuldade para promover soluções pacíficas dos atuais confrontos e que um colegiado mais representativo e legítimo seria mais eficaz. 

O Brasil tem a tradição de iniciar os discursos na Assembleia Geral da ONU desde 1947, quando o diplomata Oswaldo Aranha foi seu o primeiro orador, após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Foto de Capa: Roberto Stuckert Filho/PR



No artigo

x