Em SP, milhares de pessoas saem às ruas por reformas

“Teve uma turma aqui na avenida Paulista dizendo que o povo devia ser reprimido por uma intervenção militar. Era só uma meia dúzia, uma playboyzada dos Jardins, que, porque o titio Aécio perdeu a eleição ficou bravinha”, ironizou Guilherme Boulos, coordenador do MTST.

450 0

“Teve uma turma aqui na [avenida] Paulista dizendo que o povo devia ser reprimido por uma intervenção militar. Era só uma meia dúzia, uma playboyzada dos Jardins, que, porque o titio Aécio perdeu a eleição ficou bravinha”, ironizou Guilherme Boulos, coordenador do MTST

Por Vinicius Gomes, colaborou Igor Carvalho

Ato partiu do vão livre do MASP, onde, segundo o MTST, 15 mil manifestantes se reuniram
Ato partiu do vão livre do MASP, onde, segundo o MTST, 15 mil manifestantes se reuniram

Na noite desta quinta-feira (13), um ato reuniu milhares de pessoas na avenida Paulista, região central de São Paulo. Os manifestantes pediam reformas em diversos setores e protestavam contra o “avanço da direita fascista.”

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) foi o organizador do evento, que teve adesão do Juntos (Juventude do PSOL), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), entre outros movimentos.

As 15 mil pessoas presentes, segundo o MTST (para a PM eram 5 mil), pediam pelas reformas agrárias e urbana, política, tributária progressiva, além da democratização das comunicações e a desmilitarização da segurança pública.

Sobre o “avanço da direita fascista”, Guilherme Boulos, coordenador do MTST, afirmou: “Teve uma turma aqui na [avenida] Paulista dizendo que o povo devia ser reprimido por uma intervenção militar. Era só uma meia dúzia, uma playboyzada dos Jardins, que, porque o titio Aécio [Neves] perdeu a eleição ficou bravinha”. O militante lembrou da manifestação de apoio ao candidato do PSDB à presidência da República, que pediu a volta do regime autoritário que governou o país entre 1964 e 1985.

Boulos se comprometeu, durante o ato, em cobrar a presidenta reeleita, Dilma Rousseff (PT), sobre suas promessas. “Ela foi eleita para promover mudanças e reformas que precisamos”, disse.

Manifestantes improvisam um baile de forró nos Jardins
Manifestantes improvisam um baile de forró nos Jardins

Luciana Genro (PSOL) também esteve no ato e pediu que a população seja priorizada: “Enfrentaremos a direita reacionária, assim como o governo, para que não ceda aos interesses dos banqueiros.”

Durante o protesto, quando passavam pela Alameda Jaú, nos Jardins, os manifestantes organizaram um baile de forró, com vários ativistas se unindo em casais, para lembrar o preconceito sofrido por nordestinos durante as eleições deste ano.

Fotos: Vinicius Gomes

 



No artigo

x