“Queremos a investigação em toda a sua integralidade”, afirma Dilma sobre operação Lava Jato

Durante a Conferência Nacional de Educação, em Brasília, Dilma Rousseff disse não ter tolerância com “corruptores e corruptos” e que o Brasil sairá mais forte do processo de combate à corrupção, que considera algo inédito no país.

424 1

Durante a Conferência Nacional de Educação, em Brasília, Dilma Rousseff disse não ter tolerância com “corruptores e corruptos” e que o Brasil sairá mais forte do processo de combate à corrupção, que considera algo inédito no país

Por Redação

A presidenta Dilma Rousseff comentou, nesta quinta-feira (20), sobre a operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga um suposto esquema de corrupção na Petrobras. Sobre o assunto, ela afirmou que estão na mira da PF os ‘corruptos e corruptores’, o que considera algo ‘inédito’ no país. As declarações foram dadas durante discurso na Conferência Nacional de Educação, em Brasília.

Na ocasião, a presidenta reforçou o interesse do governo em relação à apuração do caso. “Não tenho, nunca tive, nem terei tolerância com corruptores e corruptos. Queremos a investigação em toda a sua integralidade, garantindo também as condições democráticas do direito à defesa. O Brasil sairá muito mais forte desse processo, mais forte ainda por respeitar as regras do Estado de direito em que vivemos”, ressaltou.

Dilma falou sobre a situação da economia e listou fatores que comprovariam a melhora no setor. “A inflação está sob controle, há sinais de recuperação do crescimento e a renda do trabalhador continua subindo”, disse. Ela citou também a taxa de desemprego registrada em outubro, de 4,7%, que seria ‘a mais baixa de toda a série para este mês’. Em sua fala, a presidenta destacou os compromissos de campanha por mais investimentos em educação, infraestrutura, inclusão social, além da estabilidade política e econômica.

Foto de capa: Roberto Stuckert Filho/PR



No artigo

1 comment

  1. SAMWISE Responder

    Investigue-se tudo e todos. Mas sem delações seletivas. E ao governo… que se mova! Golpismo se combate mostrando força política (com uma base sólida no Congresso), social (com os movimentos sociais defendendo suas conquistas), e popular. O governo precisa atuar de forma pragmática no Congresso, para recompor sua base política. Mas não pode esquecer de recompor sua base popular, reconquistando a Classe C, especialmente a do Centro-Sul do país. Recomendo os textos abaixo, que fazem uma reflexão sobre o assunto:

    http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR2.html#

    http://reino-de-clio.com.br/Pensando%20BR.html


x