Operação Lava Jato chega em Aécio Neves

Anotações encontradas pela Polícia Federal apontam que o senador Aécio Neves (PSDB/MG) foi pressionado por empreiteira para não aprofundar a CPI da Petrobras, que teria a função apenas de “fazer circo” e “gerar noticiário”.

6090 3

Anotações encontradas pela Polícia Federal apontam que o senador Aécio Neves (PSDB/MG) foi pressionado por empreiteira para não aprofundar a CPI da Petrobras, que teria a função apenas de “fazer circo” e “gerar noticiário”

Por Redação

As investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, descobriram anotações em um escritório da empresa UTC Participações, em São Paulo, que faziam comentários sobre os rumos da CPI da Petrobras no Congresso Nacional. As informações foram publicadas no jornal Folha de S. Paulo nesta terça-feira (9).

Segundo os papéis encontrados, o senador Aécio Neves (PSDB/MG) teria sido “pressionado pela CNO para não aprofundar”, assim como teria escalado dois colegas – Álvaro Dias (PR) e Mário Couto (PA) – para “fazer circo” na ocasião. A sigla pode ser uma referência à Construtora Norberto Odebrecht.

Ainda segundo as anotações levantadas pela PF, a CPI não parecia incomodar as empreiteiras. Parte do texto dizia que a Comissão “será agressiva, pois não querem apurar nada, só gerar noticiário”. Foram vários os indícios encontrados pela polícia de que as empreiteiras acompanhavam de perto as atividades dos parlamentares.

Na casa de um executivo da construtora OAS, Aldemário Pinheiro, a PF teve acesso a um e-mail enviado por um funcionário. “Observo que 90% dos requerimentos direcionados às empresas que celebraram contratos com a Petrobras são do deputado Rubens Bueno [PPS-PR]. Os outros 10% estão distribuídos entre Álvaro Dias (pediu a quebra de sigilo da Coesa), Carlos Sampaio (solicitou a convocação de Julio Camargo e Othon Zanoide) e João Magalhães (fez diversos requerimentos contra a empresa Shain)”, informou o dirigente da OAS.

Essa não é a primeira evidência da tentativa do PSDB de calar a Comissão. Em depoimento em delação premiada, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou que o ex-presidente do partido, Sérgio Guerra, teria recebido R$ 10 milhões para abafar a CPI que apurava irregularidades nos contratos da estatal.

Foto de capa: Viomundo



No artigo

3 comments

  1. gustavo Responder

    Essa país é uma piada de mau gosto. E tem gente que se estapeia ofende e jura que essa corja toda pensa em algo além do benefício próprio e de encher o rabo do dinheiro ilícito.

  2. Lucy oliveira Responder

    Você conhece um petista pelo seu linguajar! É nojento, e ainda espancam a nossa ortografia!!!

  3. Zé Polessa Responder

    Poxa gente, não é PT ou PSDB e sim democracia ou autoritarismo. O PT ganhou as eleições e pronto.Democracia se constrói no voto e no respeito aos pleitos. Corrupção deve ser apurada a todo momento, doa a quem doer, mas com imparcialidade e com respeito às instituições. Democracia é o maior bem da Nação e temos que preservá-la. Já vimos esse filme no Brasil em outras épocas. E quem cuida da nossa casa somos nós e não americanos ou qualquer outro povo.


x